Educar sem palmadas? Evite também estas 5 coisas para não agredir com palavras

Ser pai ou mãe é um trabalho difícil. E não é de admirar que nem todos nós somos bons nessa tarefa. Todos nós trazemos uma boa quantidade de comportamentos do passado para a nossa personalidade.  Eu estive no papel de ser mãe por quase 28 anos. Vou dizer, sem um pingo de ironia, que eu nunca assumi meu papel neste desafio. Ser mão requer muita flexibilidade mental e paciência. Tendo sofrido dor e danos causados ​​pela minha própria mãe, eu tinha uma urgência real em ser a melhor mãe que eu poderia: eu estava determinada em quebrar os padrões tóxicos que dominaram as relações mãe-filha na minha família há pelo menos duas gerações, talvez três.

O que é uma boa parentalidade?

Uma grande parte da boa criação é evitar comportamentos que podem prejudicar o seu filho. É um truísmo psicológico que “o mau é mais forte do que o bom”, o que significa que eventos negativos têm um impacto muito mais significativo sobre os seres humanos do que os bons. Para isso podemos agradecer a evolução. Para aumentar as chances de sobrevivência, os mais resistentes dos nossos antepassados eram muito mais reativo a coisas ruins e os entregou à memória mais rápida e mais completa do que as coisas boas e benignas. É a nossa verdade em todos estes milênios de evolução.

Bagagem emocional: Autoestrada e a estrada secundária

Lembre-se do que eu mencionei no início, esse saco de tradição que contêm a sua história e certamente se manifesta no presente? Aqui é onde a parte consciente da parentalidade começa. Em seu livro fantástico, Paternidade de dentro para fora, Daniel Siegel e Maria Hartzwell separam a autoestrada doprocessamento mental da estrada secundária. Quando você está na estrada, está consciente da bagagem emocional que você tem no reboque e que desencadeia as piores e as melhores respostas da viagem. Você trabalha para ser sempre atualizada e racional, comprometendo-se a pensar sobre as coisas ao invés de ser reativo. O processamento da autoestrada tende a apresentar diferentes respostas para a mesma situação da viagem. E isso ajuda você a se manter no assento do motorista. Imagine que o seu filho de repente começa a chorar quando você está no meio de algo que você precisa terminar; isso é irritante para você. Você reage com sentimentos de irritação. Dá vontade de bater, mas depois pensa: “Eu preciso descobrir por que a criança está chorando. Eu preciso parar o que estou fazendo e passar alguns minutos ajudando-a a se acalmar.”Processamento de autoestrada é uma forma eficaz que atrai o melhor de si na condição de mãe ou pai do seu filho.

Depois, há o comportamento de estrada secundária que obriga você a esquecer de sua bagagem emocional e tornar-se uma massa trêmula de reatividade emocional quando seu filho começa a chorar. “Caramba, eu tenho coisas a fazer neste instante”. A viagem emocional fora de controle tira a sua capacidade de ser empática. Você se sente rasgada emocionalmente e grita com ela para parar: “Vá para o seu quarto agora. Se você não parar de chorar, eu vou dar-lhe motivo para chorar de verdade!”.

Todos os comportamentos seguintes são reações de que o processamento autoestrada permite. Este é o caminho amoroso que o pai ou a mãe sintonizado evita. Se você é um pai amoroso e caiu na armadilha de perder o controle remoto da emoção, senta com o seu filho para conversar a respeito.

  1. Não use as palavras como instrumento de vergonha ou culpa.

Se o pai ou a mãe chama uma criança que chora de “bebê chorão ou de “maricas” ou, pior: dizer a uma criança que ela ou ele é “estúpido”, “gordo” ou “preguiçoso”, o estrago está feito: Palavras provocam ferida profundas, às vezes, mais do que tapas. Uma pesquisa recente mostra que as redes neurais para a dor física e emocional são a mesma. Além disso, como o trabalho de Martin Teicher e seus colegas mostraram, o tipo de estresse provocado pelo abuso verbal induz a mudanças duráveis para as partes do cérebro em desenvolvimento.

Quão poderosa é a força de agressão verbal? Em 2014, Ann Polcari, Keren Rabi, Elizabeth Bolger e Teicher examinaram se o afeto verbal de um dos pais ou de ambos poderiam compensar os efeitos do abuso verbal do outro pai. A conclusão decepcionante: Nos caminhos verbais expressos por qualquer um dos pais, em primeiro lugar, não aliviava os efeitos da agressão verbal do outro. No cérebro em desenvolvimento da criança, mau é mais forte do que bom.

Envergonhar uma criança é um comportamento abusivo que causa dano duradouro. Se você pensa em falar com o seu filho desta maneira para torná-lo “mais duro” ou para ele “ficar atento“, você pode estar completamente errado. Filhos não amados dizem que eles preferiam que um pai tivesse lhes batido fisicamente”, porque, assim, as cicatrizes iria aparecer”, ao contrário das feridas emocionais que não desaparecem. Não se iluda: as palavras são armas.

  1. Jamais comece uma reprimenda com esta frase: “Você sempre…”

As crianças cometem erros e, às vezes, elas se comportam mal. Tudo isso é verdade e, como um pai ou uma mãe zelosa, haverá momentos em que uma reprimenda é necessária. Se eles não escutam, como se atravessassem uma rua movimentada com ruídos intensos, ou se fazem exatamente o contrário do que você lhes disse para não fazer, o seu primeiro impulso pode ser de atacar, porque essa parte do seu cérebro – a parte reativa – é enérgica. Mas este é o momento em que você deve trabalhar para transitar por uma estrada tranquila e com boa sinalização.

Por que você não deve começar uma frase com estas palavras? Porque você não está a abordar o comportamento, mas atacando a criança por ser quem ele ou ela é. As palavras “você sempre…”transforma o que é hipótese em uma ladainha interminável de palavras compostas por tudo o que a criança não é, mas que pode vir a ser pela força da afirmação. Este comportamento é altamente tóxico na interpretação do especialista em relações maritais, John Gottman.  Ele denomina de “naufrágio na cozinha” para lembrar a você tudo o seu parceiro já fez que estava errado. Isso é absolutamente devastador para o senso de autoavaliação da criança.

Variações sobre o tema deste item 2, incluem: “Não é possível que você nunca …”. “O que está errado com você?” e outras palavras tóxicas. Não use palavras que personalizam o mal, ainda que a criança tenha se comportado dessa maneira.

  1. Não ignore os sentimentos de uma criança dizendo que ele ou ela é muito “sensível“.

Este foi o mantra da minha mãe. Dizer a uma criança que ele ou ela é “muito sensível” é um comportamento comum entre os pais, linguagem de desamor, uma vez que efetivamente transfere a responsabilidade e a culpa do seu comportamento às supostas insuficiências da criança. Uma criança não tem a autoconfiança para contrariar esta afirmação e assumir que ela fez algo errado. Ela, muitas vezes, acredita que sua sensibilidade é o problema.  E que, por sua vez, a leva a desconfiar que seus sentimentos e percepções estejam equivocados.

Esta forma sutil de abuso emocional é altamente prejudicial porque pode ser interpretada como exemplo enganoso e com sentido duplo, tais como: “O que eu sinto não importa para mim ou qualquer outra pessoa”, e, “A culpa é minha, porque algo está errado comigo”. 

  1. Não compare uma criança com outra.

Rivalidade entre irmãos é comum. Os estudos recentes têm mostrado que a comparação não é benigna. Qualquer pai que manipula a tensão e competição entre irmãos está lamentavelmente mal informado ou está, simplesmente, sendo cruel. Frases como “Por que você não pode ser igual ao Pedro?” Ou “O sucesso da sua irmã deve inspirá-lo a tentar fazer a coisa certa” não são alentadoras. Pelo simples fato de que são pessoas diferentes e únicas. Todas essas frases de comparação fazem uma criança sentir menos importante do que a outra“. Um pai amoroso reconhece que cada criança é um indivíduo com personalidade própria.

  1. Não ignorar o espaço ou limites pessoais de uma criança.

Um bom pai faz ajustes ao longo do caminho para que uma criança cresça e se desenvolva independente. Uma criança indisciplinada não será, necessariamente, uma abordagem correta. Respeitar os limites de uma criança em idade apropriada é uma forma de reconhecimento da sua necessidade de privacidade e de espaço. E que suas necessidades sejam suficientes para articular sentimentos e pensamentos sem se preocupar com represálias ou críticas.  Esta atitude não só permite que uma criança seja ela mesma, mas ensina que parte da conexão emocional respeite o limite de outras pessoas.

Há inúmeras maneiras para que os pais ignorem as fronteiras do equilíbrio. Um pai autoritário que exige conformidade a um conjunto rígido de regras e normas coloca a criança em um papel onde ela tenta constantemente agradar ou apaziguar um tirano.  Mas, por outro lado, também faz com que os pais ignore a criança como indivíduo com qualidades únicas especiais. Estes pais ainda podem zombar de uma criança dizendo coisas impensadas: “Por que você iria querer tomar aulas de arte? Aulas de arte é coisa de maricas”.  Crianças precisam da aceitação dos pais em atividades que julga “aceitável ou “valiosa”. Tudo isso enfraquece o sentido do “eu” de uma criança e a isola.

Da mesma forma, um pai egocêntrico que vê seu filho apenas como uma extensão de si mesmo, não reconhece, por definição, as fronteiras individuais da criança. Estas crianças tornam-se mimadas crônicas, inseguras, sem um verdadeiro sentimento de autoestima. Filhos mimados podem sofrer nos  relacionamentos adultos porque eles aprenderam a se blindar  confundindo os seus limites. E tornam-se esquivos na comunicação ao ponto de serem ansiosos e “pegajosos”.

Pais complicados também não reconhecem que a criança deve ter seus momentos de isolamento.  Ao contrário, sufocam seus filhos emocionalmente com uma presença desnecessária. Os pais que não permitem que os seus filhos possam cometer erros são “pais helicópteros”. Não reconhecer fronteiras é comunicar a mensagem de que a criança é incompetente ou incapaz de funcionar por conta própria.

O trabalho de ser pai ou mãe é um comportamento aprendido por nossa espécie e nada impede que sejamos estudantes dedicados, aprendendo e crescendo com os nossos erros e sempre cortando a estrada mais elevada.

Publicado originalmente em Pyschology Today – Tradução e adaptação livre: Portal Raízes

COMPARTILHAR
Portal Raízes
Raízes Jornalismo Cultural - Portal, Revista Impressa e Programa de Televisão




COMENTÁRIOS