Conheça os 10 usurpadores de energia vital que tiram a sua paz de espírito

A tranquilidade do ânimo e a serenidade são os dois ingredientes mais importantes do bem estar. Em nosso dia a dia convivemos com vorazes sugadores de energia que roubam de nós a paz. Identificar estes conflitos é fundamental para vivermos melhor.

 Relacionamos dez usurpadores de energia vital que diminuem o nosso potencial:

1 – O pensamento negativo que se alimenta do medo é aquele que chega e que nos faz fechar as portas em busca de segurança. E conviver com o pensamento negativo e revertê-lo é o caminho que pode nos conduzir a outros horizontes. Os pensamentos negativos são peculiares a cada pessoa. Chega sem avisar, insiste em ficar, e só vai embora se o expulsarmos com firmeza. Todos temos emoções altas, sublimes e também os pensamentos rasteiros que andam de marcha ré. O que mais nos afeta são os pensamentos negativos recorrentes. Aqueles que se instalam em nossa vida a ponto de se tornar um hábito inconveniente e mau.

2 – A pressa rouba as energias do sossego e nos enfia na louca roda que gira o mundo. O preço que pagamos por este ritmo de vida alucinada é o estresse, a frustração e a impaciência com tudo e todos. Existem pessoas que vivem apressadas sem compreenderam o dito popular que ensina: “a pressa é inimiga da perfeição”. A edição do Globo Repórter do dia primeiro de novembro de 2013 fez uma ampla matéria sobre A PRESSA e concluiu que “a pressa é inimiga da felicidade”. Uma solução ao problema é planejar o que vai fazer e estabelecer um plano de ação com horário, assunto e o final do dia para relaxar. O Ministro da Fazenda Henrique Meireles usou uma frase em sua posse que ensina aos apressadinhos sem causa: “Vamos devagar, tenho pressa”. A frase não é de autoria do ministro, mas revela que devagar a gente chega mais longe. Ou seja, devagar com metas é melhor do que a pressa sem planejar.

3 – A insegurança leva a uma dúvida quase que eterna. E nos faz pensar apenas em teses que dificilmente nos levam a um método para vencê-la. A pessoa insegura duvida da sua própria capacidade ou da capacidade do outro. Portanto, a dúvida é a mãe da insegurança. A psicóloga Cláudia Morais assim define a pessoa insegura: “Na prática sentem um medo intenso de falhar, de não corresponder às expectativas, de não estar à altura”. O equilíbrio emocional é a barreira natural contra as energias sugadoras da confiança.

4 – A síndrome do sempre ocupado conduz as pessoas a que se sintam angustiados diante da falta de tempo. Então, é comum a gente ouvir: “Eu trabalho demais, não tenho tempo para mais nada”. Gina Trapani, estudiosa deste tema escreveu um artigo publicado no site da revista americana Fast Company  que diz assim: “A armadilha do “estou sempre ocupado” se tornou uma doença da modernidade. É aquela sensação – que você deve conhecer – de estar sempre correndo atrás de alguma coisa, como se nunca houvesse tempo suficiente para cumprir as tarefas do dia”.

A realidade é que perdemos muito tempo com tarefas inúteis que, somadas ao final do dia, representam um tempo perdido considerável. A maneira de evitar que a energia do tempo útil seja roubada é definir o que prioritário. A outra maneira simples é pensar antes de assumir novas tarefas. A síndrome do “estou sempre ocupado”  impede de dar mais atenção a você e à sua família.   

5 – A preguiça recorrente é uma ladra de energia a provocar sofrimento por tudo aquilo que se planeja e não acontece por preguiça. Primeiro precisamos saber a causa do problema que suga essa energia da inércia. É hábito, desânimo emocional ou doença? Qualquer que seja o motivo deve se livrar dele porque a preguiça leva á preguiça sistemática. A terapeuta Paula Pires afirma que a “preguiça vai se entranhando, quanto mais você fica com preguiça mais você fica preguiçoso e quanto mais você é sedentário mais você quer ser sedentário”.

Outra forma para evitar que a preguiça tome posse é fragmentar a tarefa que temos de realizar. Faça assim: tarefa por tarefa, ponto por ponto até o fim.

6 – O perfeccionismo nos faz acreditar que nada é suficientemente bom e que o projeto nunca ficará pronto para ser apresentado porque precisa ser conferido um a um. A psicóloga Patrícia Costa assim define o perfeccionista: “Geralmente o perfeccionista se vê prisioneiro do intenso desejo de agradar o outro, passar uma boa imagem, do medo de ser julgado, da busca incansável pelo sucesso e reconhecimento”. O perfeccionista nunca erra.  E, por essa razão, a ideia de perfeição é a sua muleta.  Outra característica do perfeccionista é a falta de humildade.

“Antes de lutar pela perfeição, devemos ser capazes de viver como pessoas comuns sem automutilação”.  C. G. Jung

O psicólogo Miguel Lucas, do blog Escola Psicologia recomenda duas regrinhas para combater o perfeccionismo: primeira: “Errar em algumas tarefas de propósito”. Segunda: “Contar a um amigo sobre um engano, falha ou erro que tenha cometido e observar a resposta”. Se nenhuma tragédia aconteceu, você está salvo de se achar “o mais perfeito e infalível dos homens”.

7 – A busca de aprovação é uma necessidade da própria autoafirmação pessoal. Nessa linha muitos vivem a necessidade constante de receber um elogio, uma homenagem ou uma medalha pelos seus méritos. A necessidade de reconhecimento surge quando você está inseguro.  Mas isso abre um canal por onde sai a energia da humildade.

De modo geral todos nós somos bastante inseguros e carentes. E porque não confiamos em nós mesmos? E se eu falhar o que “Os outros irão dizer”? “Se eu errar como serei visto?”. A busca pela aprovação pode esconder uma armadilha: a bajulação.  Nesse caso o bajulador descobre nosso vício de personalidade e passa a dizer coisas para nos agradar, sem os merecermos. E tal fato nos corrompe.

De um modo geral, todos nós dependemos um do outro. Mas muitos carecem de que alguém lhes diga que é muito bom e competente no que faz.  Viver para agradar aos outros é uma atitude que lhe tira a energia de que precisa para levar em frente a sua tarefa.

8 – A incapacidade para decidir denota insegurança que produz uma parcela de sofrimento que pode ser evitado com uma postura mais confiante. A construção do indivíduo passa pelo seu poder de escolha e ação. Muitas vezes isso ocorre de forma inconsciente. E quando acerta o alvo se deve ao fato de que o subconsciente recorreu ao saber apreendido em outras ocasiões.

A dúvida que sempre martela nossa mente na hora da decisão: “E se eu decidir errado?”. Avalie três coisas antes da decisão: a circunstância, o seu conhecimento sobre o assunto e, por último, a consequência se não decidir. Ponha tudo na balança e aí, então, decida! Mesmo quando resolver NÃO DECIDIR será motivos de segurança houve uma DECISÃO. Pois, não decidir de afogadilho também é uma decisão sábia.

Uma regra de ouro em três tópicos: “Nunca decida tudo quanto pode, porque aquele que decide tudo quanto pode, muitas vezes decide o que não pode”.

9 – O tédio instiga a criatividade? Com a palavra os artistas, poetas e cientistas. David Robson, da BBC garante que “Sem a capacidade de se entediar, o homem talvez nunca tivesse feito conquistas artísticas e tecnológicas”. Contudo, quando o tédio acontece de um modo frequente em nossas vidas, nos impede de refletir a respeito das mudanças necessárias.  O professor Peter Toothey, da Unviersidade de Calgary, Canadá, autor do livro Boredom: A Lively History  fala sobre o tédio: “É um leve sentimento de repulsa produzido temporariamente em circunstâncias previsíveis e inevitáveis”.  Portanto, o tédio é diferente da preguiça e do cansaço. Por isso podemos pensar que o tédio é benéfico. Mas essa não é a realidade. Roothey explica: “O tédio foi projetado para encorajar as pessoas a mudar seu comportamento e se proteger de toxinas sociais. Talvez o tédio devesse ser visto como a gota, ou a angina, ou pequenos derrames: como um sinal de que coisas piores virão, a não ser que se mude o estilo de vida”.

Vamos mudar de assunto, chega de tédio. Vamos falar da  poesia de Fernando Pessoa para restaurar a energia anti-tédio?

“São horas, amor, de ter tédio de tudo… A minha sensação desta Hora é um veludo…”.

10 – O Celular suga a energia devido a necessidade inventada pelas redes sociais de estar sempre conectado e disponível. E esta atitude nos absorve em boa parte do dia. O celular é o veículo da ligação indesejada. Muitas vezes recebemos a ligação de uma pessoa inconveniente com um assunto desinteressante. Há três tipos de mensagens que sugam a nossa calma até perdermos a ‘estribeira’, no dizer do modo popular.

Vamos a eles: o primeiro tipo é aquele que liga sem pensar. Liga a partir da vontade de ligar ou para vender um serviço, cobrar uma dívida ou simplesmente para falar. Em segundo lugar os que pensam para ligar. Eles pensam antes de ligar para falar dos outros. São os mais numerosos. Em terceiro lugar há os que pensaram antes de teclar os números, são os amigos.  Ligaram para conservar os laços de amizade. Estes ligaram porque pensaram. São raros.

Em qualquer dessas ocasiões o muito falar suga a energia do ouvir. Volto a Fernando Pessoa: “Não se deve falar demasiado. Quando falo demais começo a separar-me de mim e ouvir-me falar”.

TEXTO DETradução livre
FONTEVia
COMPARTILHAR
Portal Raízes
Raízes Jornalismo Cultural - Portal, Revista Impressa e Programa de Televisão




COMENTÁRIOS