Em Bangladesh, a jovem Rina Begum, de 14 anos, teve que abandonar os estudos para se casar. Ela é vítima de agressões do marido, que enviou a menina de volta para os pais, na esperança de conseguir um dote maior. Foto: UNICEF / Humayra Yasmin Seba

A realidade do ‘casamento infantil’ é um tapa na cara da humanidade

A Unicef divulgou, na terça-feira (8/03), um vídeo perturbador sobre o casamento infantil, prática que ainda é “comum” e socialmente aceita em muitos países. O material faz parte de uma nova iniciativa da agência da ONU, que deve envolve vários países com o objetivo de conduzir ações que acelerem o fim do casamento infantil. Segundo estimativas da própria Unicef, 15 milhões de meninas devem se casar até o final do ano, antes que cheguem à maioridade.

Caso a tendência atual não seja revertida, a agência estima que até 2030, o número de meninas e mulheres que foram casadas ainda crianças vai chegar a 1 bilhão. Segundo o Mashable, apenas hoje, 41 mil meninas menores de 18 anos devem se casar.

“Escolher quando e com quem se casar é uma das decisões mais importantes da vida. O casamento infantil nega essa escolha a milhões de meninas, todos os anos”, afirma Babatunde Osotimehin, diretor-executivo do Fundo de Populações das Nações Unidas.

O novo plano da Unicef inclui aumentar o acesso de meninas à educação e aos serviços de saúde, mas também conscientizar pais e líderes comunitários sobre os perigos do casamento infantil.

O casamento infantil é uma violação aos direitos das mulheres e das meninas. Meninas que se casam ainda crianças estão mais propensas a abandonarem a escola, a serem vítimas de violência doméstica, a contraírem HIV e a morrerem vítimas de complicações durante a gravidez ou o parto, pois seu corpo normalmente não está pronto para dar à luz. Além disso, segundo a Unicef, o casamento infantil é danoso à economia e fomenta ciclos integeracionais de pobreza.

Em seu boletim de março de 2016, a Anistia Internacional também denunciou o casamento infantil em Burkina Faso. Segundo o documento, a diferença de idade entre as noivas e seus parceiros pode chegar a 50 anos. O país é o sétimo do mundo que mais casa meninas. Mais de 50% das mulheres se casa antes de completar 18 anos, e apenas 17% da população feminina do país faz uso de métodos contraceptivos.

“Como parte do programa global, vamos trabalhar com os governos dos países com uma alta prevalência de casamento infantil para defender os direitos das adolescentes, de modo que elas possam alcançar seu potencial e os países possam atingir suas metas de desenvolvimento social e econômico”, afirmou Osotimehin.

  • Níger
    UNICEF/UNI202947/van der Velden
    Nafissa, 17, se casou quando tinha 16 anos. Ela ficou grávida três meses depois do casamento – que durou dez meses. Nafissa tem 14 irmãos e irmãs.

O novo programa global vai se concentrar em estratégias comprovadas, como o aumento do acesso das adolescentes à educação e a serviços de saúde, a conscientização dos pais e suas comunidades sobre os perigos do casamento precoce, o aumento do apoio econômico para as famílias e o fortalecimento e cumprimento de leis que estabeleçam 18 anos como idade mínima para o casamento.

  • Líbano
    © UNICEF/UNI198627/Aggio Caldon
    A refugiada síria Hened Al Ahmad foi fotografada no Líbano, onde vive. Aos 14 anos, ela já é uma viúva. Ela se casou há dois anos, e seu marido morreu seis meses após a cerimônia. A menina, que estava grávida, sofreu um aborto. Segundo ela, a causa foi a dor e o medo que ela sentiu.

“O mundo despertou para os danos que o casamento precoce causa às meninas, para seus futuros filhos e para suas sociedades”, disse o diretor executivo do UNICEF, Anthony Lake. “Este novo programa global vai ajudar a direcionar a ação para alcançar as meninas em maior risco – e ajudar mais meninas e mulheres jovens a realizarem o seu direito de escolher seus próprios destinos.”

  • Mauritânia
    © UNICEF/UN05222/Dragaj
    Afaid Maiga tem 15 anos, e é uma refugiada do Mali. Atualmente, ela vive na Mauritânia, junto com sua família. Ela nunca frequentou a escola, e há um ano, seu pai fez com que ela se casasse com um homem muito mais velho. Como sua mãe discordou da união e levou o caso á lideranças comunitárias, a Unicef conseguiu intervir no caso da jovem, e anulou o casamento. Ela segue vivendo com os pais.
  • Líbano
    UNICEF/UNI198617/Aggio Caldon
    Waad tem 13 anos, e fugiu da Síria para o Líbano. Ela foi forçada pelo pai a se casar com um homem que ela não conhecia e, na época deste registro – em maio de 2015 – queria o divórcio. A menina, que estudava na Síria, agora trabalha na lavoura para ajudar a família.
  • Etiópia
    © UNICEF/UNI197685/Holt
    Jamila Zeyne, tem 21 anos, e é casada desde os 13. “Eu me casei porque meu pai me obrigou. Eu tinha duas opções, ou me casar ou ir trabalhar em algum país árabe. Eu não estou feliz, porque eu queria estudar. Se o governo instituir escolas noturnas em nossa região, eu quero voltar a estudar. O casamento precoce é ruim porque quando nós ficamos grávidas e temos que dar à luz, é muito difícil para o nosso corpo. Nós somos muito novas, e cuidar de uma casa não é fácil”.
  • Iraque
    © UNICEF/UNI155452/Noorani
    “Eu nunca imaginei o dia do meu casamento, eu era completamente dedicada aos estudos”, contou Dilda, iraquiana que se casou ainda adolescente, por causa das necessidades financeiras da família.

A comunidade global demonstrou um forte compromisso em acabar com o casamento de crianças ao incluir, nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), a meta de eliminá-lo, juntamente com outras práticas nocivas. O UNICEF e o UNFPA fazem um apelo aos governos e organizações parceiras para que apoiem o novo Programa Global que ajudará a acabar com o casamento infantil até 2030.

FONTEUNICEF e ONU
COMPARTILHAR
Portal Raízes
Raízes Jornalismo Cultural - Portal, Revista Impressa e Programa de Televisão




COMENTÁRIOS