Essa foto é sua? Por favor entre em contato.

Ouça o silêncio: ele é mais importante para nossa saúde do que pensamos, diz estudos

Portal Raízes

Em 2011, o Finnish Tourist Board realizou uma campanha que utilizou o silêncio como um “produto” de marketing. Eles tentaram atrair as pessoas para visitar a Finlândia e experimentarem a beleza dessa terra silenciosa. Eles lançaram uma série de fotografias de figuras únicas na natureza e usaram o slogan “Silêncio, por favor” (Silence, Please).

Eva Kiviranta, gerente de mídia social da VisitFinland.com, disse: “Decidimos, em vez de dizer que é realmente muito calmo e silencioso, abraçá-lo e torná-lo uma coisa boa”.

Como o mundo ao redor torna-se cada vez mais barulhento e desordenado, você pode encontrar-se a procurar o alívio que os lugares silenciosos e o silêncio têm para oferecer. Este pode ser um movimento sábio, pois estudos estão mostrando que o silêncio é muito mais importante para o seu cérebro do que você poderia pensar.

As células cerebrais regeneradas podem ser apenas uma questão de silêncio

Um estudo de 2013 em ratos, publicado na revista Brain, Structure and Function, monitorou o efeito do som e do silêncio sobre o cérebro deles. O silêncio pretendia ser o controle no estudo, mas o que eles encontraram foi surpreendente. Os cientistas descobriram que quando os ratos foram expostos a duas horas de silêncio por dia eles desenvolveram novas células no hipocampo, que é uma região do cérebro associada à memória, emoção e aprendizagem.

O crescimento de novas células no cérebro não necessariamente se traduz em benefícios tangíveis para a saúde. No entanto, neste caso, a pesquisadora Imke Kirste diz que as células pareciam se tornar neurônios funcionais, “Vimos que o silêncio está realmente ajudando as novas células geradas a se diferenciar em neurônios, e se integrar no sistema”. Neste sentido, o silêncio pode literalmente aumentar o seu cérebro.

O cérebro está ativamente internalizando e avaliando informações durante o silêncio

Um estudo de 2001 definiu um “modo padrão” da função cerebral que mostrou que, mesmo quando o cérebro estava “descansando”, era perpetuamente ativo internalizando e avaliando informações.

Pesquisas de acompanhamento descobriram que o modo padrão também é usado durante o processo de auto-reflexão. Em 2013, em Frontiers in Human Neuroscience, Joseph Moran et al. escreveu, a rede de modo padrão do cérebro “é observada mais de perto durante a tarefa psicológica de refletir sobre as personalidades e características (auto-reflexão), e não durante o auto-reconhecimento, o pensamento do autoconceito ou o pensamento sobre a auto-estima, por exemplo.”

Quando o cérebro descansa é capaz de integrar informações internas e externas em “um espaço de trabalho consciente”, disse Moran e colegas.

Quando você não está distraído por ruído ou tarefas orientadas por objetivo, parece haver um tempo de silêncio que permite que seu espaço de trabalho consciente processe as coisas. Durante esses períodos de silêncio, seu cérebro tem a liberdade que precisa para descobrir seu lugar em seu mundo interno e externo.

O modo padrão ajuda você a pensar sobre as coisas profundas de uma maneira imaginativa.

O silêncio alivia o estresse e a tensão

Verificou-se que o ruído pode ter um efeito físico pronunciado em nossos cérebros resultando em níveis elevados de hormônios do estresse. As ondas sonoras atingem o cérebro como sinais elétricos através da orelha. O corpo reage a estes sinais mesmo se estiver dormindo. Pensa-se que a amígdala (localizada nos lobos temporais do cérebro), que está associada à formação de memória e emoção, é ativada e isso provoca a liberação de hormônios do estresse. Se você vive em um ambiente consistentemente barulhento que você é provavelmente experimenta níveis cronicamente elevados de hormônios do estresse.

Um estudo publicado em 2002 em Psychological Science (Vol. 13, No. 9) examinou os efeitos que a deslocalização do aeroporto de Munique teve sobre a saúde e a cognição das crianças. Gary W. Evans, professor de ecologia humana na Universidade de Cornell, observa que as crianças expostas ao ruído desenvolvem uma resposta ao estresse que as faz ignorar o ruído. O que interessa é que essas crianças não apenas ignoraram os estímulos prejudiciais, mas também ignoraram os estímulos que deveriam estar prestando atenção, como a fala.

“Este estudo está entre os mais fortes estudos acerca da importância do silêncio para nossa saúde mental. Pode ser a prova mais definitiva de que o ruído – mesmo em níveis que não produzem qualquer dano auditivo – causa estresse e é prejudicial para os seres humanos”, diz Evans.

O silêncio parece ter o efeito oposto ao ruído para o cérebro . Enquanto o ruído pode causar estresse e tensão; o silêncio esvazia a tensão no cérebro e corpo. Um estudo publicado na revista Heart descobriu que dois minutos de silêncio pode revelar-se ainda mais relaxante do que ouvir música “relaxante”. Eles basearam essas descobertas nas mudanças que perceberam na pressão sanguínea e na circulação sanguínea no cérebro.

O silêncio reabastece nossos recursos cognitivos

O efeito que a poluição sonora pode ter sobre o desempenho das tarefas cognitivas tem sido extensivamente estudado. Verificou-se que o ruído prejudica o desempenho das tarefas no trabalho e na escola. Também pode ser a causa da diminuição da motivação e um aumento na produção de erros. As funções cognitivas mais fortemente afetadas pelo ruído são a leitura atenta, memória e resolução de problemas.

Estudos também concluíram que as crianças expostas a famílias ou salas de aula perto de aeroportos, ferrovias ou rodovias têm menores pontuações de leitura e são mais lentas no seu desenvolvimento de habilidades cognitivas e linguísticas.

Mas não são todas más notícias. É possível que o cérebro restaure seus recursos cognitivos finitos. De acordo com a teoria da restauração de atenção, quando você está em um ambiente com níveis mais baixos de entrada sensorial o cérebro pode “recuperar” algumas de suas habilidades cognitivas. Em silêncio, o cérebro é capaz de abaixar sua proteção sensorial e restaurar parte do que foi “perdido” por excesso de ruído.

Somatória

Viajar para a Finlândia pode muito bem estar na sua lista de coisas para fazer. Lá você pode encontrar o silêncio que você precisa para ajudar o seu cérebro. Ou, se a Finlândia é um pouco fora do alcance por agora, você poderia simplesmente fazer uma caminhada tranquila em um lugar calmo no seu bairro. Isso pode provar para você e seu cérebro um mundo de bem.

As 10 Regras do Silêncio

  • Devemos ficar em silêncio se não tivermos nada de válido a dizer.
  • Devemos ficar em silêncio depois de termos dito educadamente o que pretendíamos.
  • Devemos ficar em silêncio até chegar à nossa hora de falar.
  • Devemos ficar em silêncio quando nos provocam.
  • Devemos aprender no silêncio a escutar a voz de Deus.
  • Devemos ficar em silêncio quando a ira nos toma.
  • Devemos ficar em silêncio quando nos falam, para que fique na nossa mente o que nos é dito.
  • Devemos ficar em silêncio quando nos sentimos tentados a falar mal de alguém.
  • Devemos ficar calados quando nos sentimos tentados a ferir com palavras ou a criticar negativamente.
  • Devemos ficar em silêncio o tempo suficiente para pensarmos, antes de darmos uma resposta.

Texto de Rebecca Beris, publicado originalmente em Lifehack – tradução e livre adaptação por Portal Raízes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

COMENTÁRIOS