A larva que come plástico e pode ter papel-chave em reciclagem

Todo ano, centenas de toneladas de plástico são descartadas em todo o mundo, pondo em riscos inúmeros ecossistemas de nosso planeta.

Nos Estados Unidos, por exemplo, apenas 10% do plástico que se utiliza anualmente é reciclado.

Agora, uma equipe de cientistas da Universidade de Stanford, na Califórnia, acaba de apresentar um estudo que sugere uma solução, em um futuro próximo, para o grande problema da contaminação por plástico, substância que pode levar centenas de anos para se decompor.

A chave está em uma pequena larva de besouro conhecida como bicho-da-farinha (Tenebrio molitor). Os pesquisadores descobriram que ela consegue se alimentar de isopor, ou poliestireno expandido, um plástico não biodegradável.

Os pesquisadores descobriram que esses insetos transformam metade do isopor que consomem em dióxido de carbono e a outra metade em excremento como fragmentos decompostos.

Além disso, comprovaram que o consumo de plástico não afeta a saúde das larvas.

Isso os transforma em uma potencial arma de reciclagem de resíduos plásticos.

O segredo destas larvas está nas bactérias que elas têm em seus sistemas digestivos, com capacidade de decompor o plástico.

Segundo os autores do estudo – em que colaboraram especialistas chineses e cujos resultados foram publicados na revista Environmental Science and Technology – esta é a primeira vez em que se obtém provas detalhadas da degradação bacteriana de plástico no intestino de um animal.

A compreensão exata de como as bactérias dentro das larvas da farinha fazem esta decomposição dá origem a uma nova maneira de tratar os resíduos plásticos.

 

“É um enfoque muito inovador para enfrentar ao enorme problema que representa a contaminação do plástico”, explica Anja Malawi Brandon, doutoranda da Universidade de Stanford que participou da pesquisa.

“É preciso pensar de forma inovadora sobre o que fazer com todo o plástico que acaba no meio ambiente. Esse estudo está mudando a percepção de como fazer a gestão de detritos plásticos”, disse Brandon à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC

“As bactérias em seus estômagos tornam possível essa degradação e poderiam ser capazes de degradar outros plásticos. Estamos estudando uma maneira de extrair essas bactérias e utilizá-las diretamente para tratar o plástico.”

Brandon diz que os pesquisadores estão convencidos de que, na natureza, há outros insetos com uma habilidade similar à do bicho-da-farinha.

“Esperamos que este enfoque se converta em um futuro próximo em parte do sistema de manejo de resíduos plásticos.”

 

Fonte: BBC Brasil

COMPARTILHAR
Portal Raízes
Raízes Jornalismo Cultural - Portal, Revista Impressa e Programa de Televisão




COMENTÁRIOS