Não tenha medo de ser feliz amando. Felicidade não mata – Por Flávio Gikovate

Uma pessoa romântica e dedicada que se ligar a outra que gosta mesmo é de receber cuidados e atenções estará vivendo uma relação unilateral.O relacionamento do que ama com o que se deixa amar se dá na realidade, mas não tem consistência porque falta o principal: a reciprocidade!

Muitos dos que amam sem ser amados acreditam que, com o tempo, irão reverter a situação: não percebem que têm é medo de um elo mais intenso. O amor em que um ama e outro é amado, ainda que na realidade, é de intensidade menor do que o elo virtual em que o envolvimento é bilateral.

Penso que a principal característica do amor maduro consiste na reciprocidade; quando ambos amam e são amados existe um prazer indescritível. Nos casos de amor correspondido, tanto pela via virtual como na realidade, surge um medo inesperado: de se diluir no outro; e da felicidade!

O medo do amor só não impedirá a realização sentimental nos que estiverem cientes de sua existência e e apostarem que a felicidade não mata!

Texto de Flávio Gikovate

Flávio Gikovate é médico-psiquiatra, psicoterapeuta, conferencista e escritor. Atualmente apresenta o programa “No Divã do Gikovate”, na rádio CBN. O texto acima foi extraído de seu site oficial. O qual convidamos todos a conhecerem.  Conheçam também sua página oficial no Facebook.

COMPARTILHAR
Portal Raízes
Raízes Jornalismo Cultural - Portal, Revista Impressa e Programa de Televisão




COMENTÁRIOS