Os quatro maiores medos da vida

O medo é uma reação involuntária causada quando passamos por algum estímulo estressante. O cérebro libera substâncias químicas que causam o disparo do coração, a respiração rápida, a contração do músculo, entre outras coisas. Tudo isso também é conhecido como reação de luta ou fuga. Abaixo, listamos os quatros maiores medos que alguém pode sentir na vida. Confira:

1 . Medo da Solidão

Existem duas opções que se pode considerar:

A primeira é o ego que trabalha a causa banal de lhe fazer crer que realmente está sozinho; mas você se encontra unido aos outros com a finalidade de ser protagonista da vida para merecer o reconhecimento em todos os níveis que imagina: na família, no casamento, no seu grupo de amizade, no trabalho e na sociedade.

A segunda opção é que o Espírito quer que você recorde que faz parte de uma totalidade. Que você sempre está ligado à energia total de Deus que se manifesta na alma interior que você possui. Uma luz que deve se expandir.

Quando tomar posse dessa luz interior, começará a olhar com os olhos de teu coração e, assim, você vai tomar consciência de que sempre terá boa companhia; com o seu interior e com o Criador Supremo. Passará a compreender que a solidão é uma maravilhosa oportunidade da vida para compartilhar consigo mesmo; e justamente neste momento começará a aparecer àquelas pessoas que vibrarão na sua mesma sintonia e na mesma intensidade que você.

2 . Medo da Escassez

Superar o medo de carência sem dinheiro ou oportunidades para ter cada vez mais abundância requer um trabalho consigo mesmo.

Deve dar a oportunidade para que suas emoções sintam esse “desejo de merecer o melhor par a sua vida”. O sentimento de vítima é um sinal de que o fantasma do medo está lhe abafando. Fuja dele.

Existe uma palavra de oito letras que, se a repetir sempre, começará a dar claridade ao estado de abundância que você tem dentro de si. Esta palavra é: “OBRIGADO”.

Quando agradece por tudo quanto tem neste instante e pelo que chegará a você, começa a perceber todas as coisas que Deus te oferece a cada dia. Graças a Ele por abrir seus olhos no dia de hoje, por respirar um dia a mais. Obrigado. Agradeça pela cama onde dorme, pelas situações que parecem adversas, porém lhe dá Sabedoria para agir. Obrigado pelo sorriso que o presenteia, assim como ao sorriso nessa pessoa que não conheço. Obrigado pelo meu trabalho, pela comida saudável, pela xícara de café. Agradeça por todas as coisas e, em pouco tempo, todos os seus desejos começarão a se materializar.

3. Medo da enfermidade 

A enfermidade é um desequilíbrio do seu estado de consciência. Quando começar a se sentir fraco, está claro que perdeu a sua força interior. Enfermidade é uma palavra composto do latim “in-firmus”, que significa “Sem Firmeza”.

Se começar a se livrar das autoculpas, estará saindo da prisão do bloqueio mental e se libertará das enfermidades.

O filósofo Platão disse: “Mente sã em corpo são”. Pensa positivo e respeita a si mesmo.

A enfermidade pode contagiar a todos os viventes, como também pode contagiar a sua saúde mental.

Reconcilia-se com o passado, perdoa intimamente em seu coração. Rejeita os êxitos da dor permitida por você e encha o seu coração de alegria, perdão e paz.

Permaneça em silêncio porque Deus lhe falará neste instante de meditação.

O remédio para a enfermidade é o amor. E se dará conta que, como todos os medicamentos, o amor também vicia. Converta-se em “adicto do amor”. Encha-se de amor e nada vai lhe tirar o que não tem. Dê amor e receberá em troca, o amor.

Estará cada vez com mais saúde e plena vitalidade. O mundo necessita que esteja saudável para cumprir as mudanças neste planeta que necessita de curar a sua alma.

Se existe algo de que podemos estar seguros é que, quando Deus ordenar, partiremos desta vida; não antes nem depois. Quando o médico nos dá a primeira palmada para que comecemos a respirar, inicia-se a contagem regressiva; esse tic-tac que indica que vamos viver até o dia em que devemos “parar”. É por isso que a vida é um constante “preparar”, é decidir. Um convite que não se pode recusar para transcender e se superar a cada instante vivido até que chegue o momento do “fim”.

  1. Medo da morte

Feche seus olhos um momento e imagine que uma semana atrás você morrera e que está em um cemitério visitando sua própria tumba. Olha a sua lápide e lerá o seu nome, sua data de nascimento e o dia de partida deste mundo. Continuando, pensa em qual frase que escreveria à humanidade sobre você, em seu próprio túmulo.

O que as pessoas diriam de você? Que fracassara em muitas áreas da sua vida? Que as pessoas agradecem que tenha partido da vida difícil? Que os outros sentem profundamente a sua partida e que deixou um vazio na humanidade que nada poderá preencher? No que você produziu? No que você cedeu? O que você doou? A quem você ajudou? A quem prejudicou?  De que bem material se privou para atender ao próximo?

Volta à realidade da sua vida. Reflita melhor. Escreva num papel o que deseja que seja gravado na pedra quando partir deste mundo. Trabalha, dia a dia, para merecer este enunciado que declara conscientemente. Todas as coisas ruins podem ser superadas pelo bem.

O medo da morte se supera quando a sua meta é aproveitar o transcendental da sua entrega, da sua bondade, pureza das emoções e o incondicional amor ao próximo. E com a plena capacidade de se desapossar sem impor condições, sem esperar retribuição.

Assim viverá na memória e nos corações de quem lhe faz companhia na vida e lhe faz feliz.

Extraído de Kapulli y Temazcal, antiga sabedoria Tolteca. (Tradução livre)

FONTEVia
COMPARTILHAR
Portal Raízes
Raízes Jornalismo Cultural - Portal, Revista Impressa e Programa de Televisão




COMENTÁRIOS