“Doce narcose da existência de um mundo melhor”

Mais uma vez os freios do tempo mostraram ser pouco eficientes, pois estamos novamente às voltas com outro final de ano. Fim de um ciclo… Começo das compras! Atualmente, fazer comprar passou a ser sinônimo de ir a um Shopping Center, quer seja na própria cidade ou na região. Nesse espaço, o frequentador busca e acaba encontrando um local que considera seguro, limpo, com um visual agradável, onde é compelido a consumir produtos e serviços, de maneira quase que inconsciente.

Mas afinal, seria esse lugar algo positivo, ou negativo? Estaria ele sendo usado para acesso de qualquer cidadão, ou com objetivo segregacionista?

“Coisas divinizadas”

Em artigo publicado na revista “Filosofia Ciência & Vida”, o Dr. Renato Nunes Bittencourt apresenta uma visão sobre a configuração física de um shopping, fazendo analogia ao útero materno, já que a climatização do espaço permitiria comparar a sensação de acolhimento e bem estar vivida no ventre da mãe.

No texto, menciona o cientista social Erving Goffman, para quem a intenção das lojas não é de consideração à pessoa, mas de atrativo para consumo. “Queremos o seu dinheiro, mas não sua permanência nesse recinto”. Esse formato é chamado de “não lugar” pelo antropólogo francês Marc Augé, que envolve as instalações para a rápida circulação das pessoas e os meios de transporte dos grandes centros.

O que parece ser uma liberdade de escolha para o consumidor, na verdade é uma indução à aquisição quase automática, já que as vitrines funcionam como um espaço sagrado para adoração de “coisas divinizadas”, passando por estudos minuciosos de design e cores, além de propaganda planejada para atrair o consumidor-cidadão.

“Doce narcose da existência de um mundo melhor”

O sistema de vigilância dos shoppings segue o modelo idealizado por Jeremy Bentham, que representa o olhar onisciente de Deus, capaz de ver tudo. Vivemos um momento social em que se evidencia a arquitetura do medo e esses locais se assemelhariam a condomínios fechados, onde “as muralhas” podem dar uma sensação de “segurança máxima” contra o mundo do “lado de fora”.

Segundo o pensador polonês Zygmunt Bauman, “a insegurança alimenta o medo” e seria natural essa preocupação contra as ameaças existentes. Cria-se, então, o que ele chama de “doce narcose da existência de um mundo melhor”, graças ao monitoramento permanente, visando blindar a pessoa de eventuais situações desfavoráveis.

Numa versão sócio-econômica de “apartheid”, os abastados podem usufruir desse espaço de lazer, com toda segurança. No entanto, aqueles considerados não economicamente viáveis devem apenas consumir os produtos, retornando para as suas residências tão logo finalizem as compras.

No final, é citado que a “meta comercial do capitalismo tecnocrático consistirá na criação de shopping-condomínio ou shopping-hotel”. Com isso, o ar respirável será aquele advindo dos shoppings e as cores em nosso entorno serão as que compõem esses ambientes e não as presentes em parques e jardins públicos.

“Feliz Compra”… Feliz?

As emblemáticas mensagens de “Feliz Natal” e “Feliz Ano Novo” foram, de maneira subliminar, substituídas pelo desejo de “Feliz Compra”… Feliz?

Difícil de imaginar ser feliz quando se tem de cumprir imposições sociais, adquirindo produtos da moda e que atendam às necessidades do momento. Trata-se de uma ocasião em que todos (ou quase) estão impregnados da patológica ditadura do “ter”.

Uma “felicidade” fabricada e, como “tudo o que é fabricado tem seu prazo de validade”, ela se expira poucos dias após a virada do ano novo, quando nos damos conta da rotina e constatamos que o “novo” não chegou. Durante os demais meses do ano, virão outras datas e novos desejos de felicidades.  Muitas vezes aquilo que se deseja é justamente o que mais se sente falta.

REFERÊNCIA:

BITTENCOURT, R. N., O Apartheid Mitigado nos shopping centers. Filosofia Ciência & Vida, São Paulo, ano VII, n. 93, p. 55-62, abr. 2014.

“A visão asquerosa da pobreza, a violência endêmica que insiste em manifestar sua face terrífica e paralisante sobre o indivíduo, assim como o mal-estar da convivência coletiva massificada, não adentram no sagrado recinto do consumo integrado. Cria-se, assim, a doce narcose da existência de um mundo melhor, no qual todos os conflitos e situações desagradáveis são anulados graças ao poder tecnológico do monitoramento contínuo, até o momento em que o corpo do consumidor-cidadão se retira da grande malha de proteção e retorna ao seu hábitat espremido entre as malhas de ferro da insegurança social”. Portal da Ciência & Vida

COMPARTILHAR
Paulo Cesar Paschoalini
Licenciado em Filosofia, escritor de poesias, contos e crônicas, premiado em diversos Concursos Literários, inclusive com textos publicados no exterior. Seu livro de poesias “Arcos e Frestas” foi publicado em 2003. É autor de “Mar adentro, mundo afora” (poesias) e “Paredes e tons” (contos), para lançamento em breve. Tem de 20 composições musicais, em parceria. Após mais de 32 anos de Banco do Brasil, agora dedica-se à Literatura.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS