Photografy by Elena Shumilova

3 características que definem uma mãe tóxica: quando a educação causa danos

Falamos de mães tóxicas. Contudo, cabe explicar que também existem pais tóxicos. E até parentes tóxicos. Mas as mães são pilares da educação dos filhos. As mães são formadoras da maturidade pessoal e da segurança interior, são âncoras de pesadas cadeias que podem trancar, por completo, a independência física e emocional do filho.

Você é quem decide qual o papel de mãe que deseja exercer na educação das crianças. É a mãe quem estabelece o vínculo de cuidado e afeição mais íntimos com o neném. E, dia a dia, ele irá se soltando de seus braços para avançar pelo mundo. É com esse vínculo indissolúvel da mãe que o fará se sentir amado, seguro e independente. A referência saudável o fará amadurecer de modo inteligente. Em todos os portos da vida ele se comportará do modo como foi educado. Mas, a insegurança o fará percorrer o caminho da tibiez.

As mães tóxicas oferecem aos seus filhos um amor tóxico e, muitas vezes, imaturo. Projetam sobre eles toda a sua insegurança pessoal quando tentam se autoafirmar. E, assim acontece quando buscam ter um maior controle sobre as suas vidas e a de seus filhos.

O que existe por trás da personalidade das mães tóxicas?

Elas chamam mais a atenção pelo seu jeito controlador, mas por trás do comportamento de uma mãe tóxica, está o amor. Absolutamente, o amor desmedido. Tudo bem. Sabemos que na hora de falar de amor existem duas imagens de uma mesma moeda: de um lado está a dimensão que é capaz de proporcionar o crescimento pessoal. Do outro lado está o lado mais tóxico, reflexo de um amor egoísta e prejudicial. Muitas vezes asfixiante, e que pode ser completamente destrutivo.

O mais preocupante é que os familiares não percebem as ciladas da toxidade nem o que ela pode fazer às criaturas que ainda estão em pleno processo de amadurecimento pessoal. É exatamente nesta fase que a personalidade e a autoestima se afirmam. Tudo pode se transformar em grandes vazios, grandes inseguranças e, o pior, levar a situações em que a pessoa dificilmente será capaz de superar.

Vejamos agora o perfil psicológico das mães tóxicas:

1 – Personalidade insegura

Em algumas ocasiões costumam esconder no comportamento de uma mãe tóxica a falta de autoestima e autossuficiência. O que faz com que vejam os seus filhos como se fossem “tábua de salvação”. Essa é uma forma de modelar e controlar para tê-los sempre ao seu lado e, assim, cobrir as suas próprias carências.

Ao ver exemplos de que seus filhos começam a ser autônomos, que eles não necessitam tanto de superproteção e que, pouco a pouco, serão capazes de conduzir a sua vida, trazem a elas uma grande ansiedade e desconforto, pois têm medo de ficarem sozinhas. Daí que são capazes de criar “hábeis artimanhas” para continuar tendo os filhos bloqueados, chegando a justificar a eles que agem assim para o bem deles. Este é um modo de projetar neles, desde o início, a sua mesma falta de autoestima e a sua insegurança herdada, talvez, de uma mãe, pai ou parente tóxico. O mal da educação equivocada é a de que duplicamos os erros e acertos do passado.

2 – Obsessão pelo controle

As necessidades que têm as mães tóxicas em controlar cada aspecto de suas próprias vidas fazem com que os filhos façam o mesmo na vida de seus filhos. Não são capazes de ver os limites que devem percorrer enquanto mães. Para elas, controle é sinônimo de segurança, de algo imanente que não muda, e o que não muda é bom porque fazem os filhos se sentirem bem.

O complicado desta dimensão é que as mães tóxicas geralmente exercem o controle pensando que, com ele, fazem o melhor e que assim demonstram amor incondicional. “Vou fazer com que a vida de você seja mais fácil controlando as suas coisas para que seja feliz”, “Eu quero o melhor para você e deste jeito evito que possa errar”.

O controle em conduzir os filhos com a justificativa de carinho é o pior ato da superproteção. Impedimos com isso que os filhos sejam autônomos, capazes e valentes. E, ainda mais grave, que aprendam com seus erros. Aprender com os próprios erros é uma sábia lição da vida.

3 – Projeção dos desejos não realizados

“Quero que consiga o que não tive”. Não quero que caia nos mesmos erros que cometi”. “Quero que chegue a ser aquilo que eu não pude conseguir”. Nessas ocasiões as mães tóxicas projetam em seus filhos os desejos não realizados do seu próprio passado, sem perguntar se querem  e o que eles desejam, sem dar-lhes a opção de escolher. Agindo dessa forma as mães tóxicas pensam que demonstram amor construtivo, quando na realidade é um falso amor, um amor interesseiro.

Como enfrentar uma mãe tóxica ou a qualquer familiar “tóxico”?

Seja consciente de que precisa romper o ciclo da toxidade. Pelo fato de ter vivido muito tempo dentro dele, sabe muito bem o que as feridas lhe fizeram.

Agora já compreende que precisa abrir suas asas para ser você mesmo. Para ser feliz. Vai lhe dar trabalho essa oposição, mas deve começar a dizer “não”, a falar em voz alta as suas necessidades, seus desejos e os caminhos que deseja seguir. A alcançar seus próprios muros, divisas por onde ninguém deve passar.

É a sua mamãe e a sua família. Mas você precisa saber que romper este ciclo de toxidade vai provocar alguns danos.  Nessas ocasiões, dizer a verdade do que sente pode causar perdas aos outros, mas é uma necessidade vital. Essa forma de agir é, tão somente, para marcar limites e deixar claro o que permite ou o que não permite que lhe aconteça. E que não deseja causar mal algum a ninguém. Deve deixar bem claro que vai em frente em suas decisões pessoais, porém conta com o apoio de sua mãe e da sua família.  Mas que nunca mais quer ser ferido pela toxidade de ninguém.

Reconheça a manipulação. Às vezes ela é tão disfarçada que nem percebemos a má palavra ou o indesejado comportamento dos outros em relação a nós. Mas não caia nas redes da “vitimização”. Porque a manipulação é um recurso ao qual recorre somente as pessoas tóxicas e as mães tóxicas. Por essa causa as feridas marcam mais, talvez para sempre.  Na realidade elas causam danos somente a você. Tenha sempre essa verdade em conta.

Publicado originalmente em espanhol no site: La Mente Es Maravillosa – Tradução livre de Doracino Naves especial para o Portal Raízes.

COMPARTILHAR
Doracino Naves
Jornalista, diretor e apresentador do Programa Raízes Jornalismo Cultural.




COMENTÁRIOS