Não quero um amor pela metade. Quero um amor que mate a minha fome!

Para de mentir! Não diz que vai ficar só por dizer. Porque na primeira oportunidade você vai embora e me deixará aqui. Não sussurra no meu ouvido que me ama, porque não estou preparado para mais uma desilusão. Acho que minha cota de sofrimentos acabou. Estou cansado de me decepcionar e de pessoas que só me fazem sofrer. Sei que me jogo de cabeça, mas qual o problema?

Qual a graça de ficar nadando no rasinho?

Não tenho problemas em não saber de tudo. Não preciso de um mapa que me conduza o tempo inteiro. Quero me arriscar a descobrir o que me aguarda do outro lado da ponte. Sei que posso me decepcionar e ficar com raiva pelo tempo perdido, mas, prefiro isso a viver uma vida com medo de ser vivida. Então, se você não tem coragem pra ficar, por favor, me deixa sozinho. E não adianta me dizer que eu quero demais de você, porque eu queria você por inteiro e não fragmentos que não matam a minha fome.

Mas, sabe o que eu quero mesmo? Eu quero um amor que me faça sorrir, mas que não desligue o telefone quando sentir a primeira lágrima de um dilúvio de dor. Eu quero um amor que me faça feliz e que esteja bem perto de mim quando eu precisar de um abraço forte pra me acalmar. Eu quero um amor que tenha colorido e que me faça sentir aquele friozinho no umbigo. Eu quero alguém que coma chocolate sem vergonha de lamber os dedos depois.

Eu quero sentir aquele cafuné gostoso enquanto estiver deitado no seu colo. Eu quero um amor temperamental, daqueles que nos permitem fazer loucuras. Não quero alguém que pareça não se abalar com nada, que não sinta ciúmes, que esteja sempre sob controle. Eu quero alguém que possa se descontrolar, que me faça sentir vivo e amado. Eu quero um amor que me faça vibrar com a vida.

Eu quero um amor que sempre possa contar comigo, mesmo quando as angústias pareçam insuportáveis e a alma fraqueje. Eu quero um amor que bagunce a minha vida, porque de nada adianta ter uma sala bem arrumada sem alguém pra dividir o sofá. Eu quero um amor que tenha intimidade e confidência, para que possamos gargalhar das nossas vergonhas.

Acho que você não quer ter esse trabalho e eu quero me sujar, porque no amor não existe facilidade, tampouco tranquilidade o tempo inteiro. Por isso, estou construindo uma jangada, onde só cabe o essencial, para que eu possa navegar pelo oceano, a procura de alguém que como eu tenha só uma jangadinha, mas que carrega o essencial, e que esteja disposto a enfrentar as tormentas que o mar pode ter.

Não é que eu seja romântico, só não acredito nessa engenharia sentimental e nesses amores burocratizados que ficam medindo os níveis de envolvimento. Também não quero nada demais, embora você ache isso. O que quero é alguém que esteja por inteiro comigo e que segure forte a minha mão. Você sempre esteve ausente e nunca teve coragem para me segurar, porque tinha medo que se eu caísse levasse você junto. É isso, cansei do café descafeinado. O que eu quero agora? Ah! Um café forte e bem quente. Sabe como é. Se for pra queimar a língua, que seja com algo que valha a pena.

 

COMPARTILHAR
Erick Morais
"Poderia dizer o que faço, onde moro; mas, sinceramente, acho clichê. Meus textos falam muito mais sobre mim. O que posso dizer é que sou um cara simples. Talvez até demais. Um sonhador? Com certeza. Mais que isso. Um caso perdido de poesia ou apenas um menestrel caminhando pelas ruas solitárias da vida.




COMENTÁRIOS