O que sobra quando o amor fenece?

O que sobra do amor que tivemos no verão? Daquele amor que me fazia dormir de um jeito sossegado. Daquele amor que tirava o meu sono e fazia da insônia a minha melhor companhia. Daquele amor cheio de complexidades e contradições. Daquele amor para o qual não existe correspondente no vernáculo. O que sobra do amor?

Sobram as lembranças das brigas que travávamos como dois inimigos de infância? Sobram as marcas de palavras indigestas marcadas com a espada da fúria? Sobram as irritações causadas por discussões sem pé nem cabeça? Sobram as tristezas das palavras não ditas e dos abraços não recebidos? O que sobra do amor?

Sobra a ligação não atendida ou a mensagem não respondida? Sobra a raiva pelo tempo perdido? Sobram as lágrimas derramadas por alguém que não merecia uma lágrima sequer? Sobram as decepções causadas pelas quebras de expectativa? Sobra o silêncio dos períodos das brigas? O que sobra do amor?

Sobra a camisa azul que ganhei de presente de aniversário? Sobra uma caixa branca com bolinhas pretas, que um dia tiveram muitos chocolates? Sobra uma carta com palavras que não significam mais nada? Sobra o gosto do brigadeiro que você fazia? O que sobra do amor?

Sobram as gargalhadas que dávamos contando piadas ruins? Sobram os amassos que dávamos no sofá? Sobram os abraços apertados que acalmavam a alma? Sobram os versos de amor que chegavam por mensagem no meio da noite? Sobram as ligações das madrugadas quando um não conseguia dormir e queria ouvir a voz do outro para sentir que a vida ainda fazia sentido? O que sobra do amor?

Sobra a saudade do cheiro que tínhamos juntos? Sobra a cama arrumada do jeito que você gostava? Sobra o cheiro do café que tomávamos na cozinha? Sobra a camisa que você gostava de usar e que te deixava de um jeito engraçado e sexy? Sobra a dádiva de ter aprendido que as coisas mais importantes da vida são gratuitas? O que sobra do amor?

Sobra um papel amassado onde escreveu o nome que daríamos ao nosso filho? Sobra o jeito peculiar que olho para as horas? Sobra a imagem do seu sorriso que lembro quando fecho os olhos? Sobra a música que sempre faz lembrar-me de você? Sobram os planos que nunca acontecerão? O que sobra do amor?

O que sobra de um amor puro e sincero? O que sobra de um amor que enternecia os lugares mais longínquos do meu pensamento? O que sobra de um amor que permitia olhar a vida por cima das nuvens? O que sobra de um amor que teve a lua como testemunha? O que sobra do amor?

Sobram as dores, as tristezas, as decepções? Sobram as palavras que jamais deveriam ser ditas, mas foram? Sobra a lacuna de um elo perdido? Sobram as alegrias, as confidências, as loucuras? Sobram os sorrisos compartilhados, os beijos quentes, os abraços serenos? Sobra alguém que logo será esquecido? Sobra alguém inesquecível? Sobra o arrependimento ou a maravilha de saber o que é o amor de verdade? O que sobra do amor?

COMPARTILHAR
Erick Morais
"Poderia dizer o que faço, onde moro; mas, sinceramente, acho clichê. Meus textos falam muito mais sobre mim. O que posso dizer é que sou um cara simples. Talvez até demais. Um sonhador? Com certeza. Mais que isso. Um caso perdido de poesia ou apenas um menestrel caminhando pelas ruas solitárias da vida.




COMENTÁRIOS