Não é que duvide do que você diz, só que acredito mais no que você faz

Quando estamos apaixonados desejamos, entre outras coisas, acreditar em nosso par, confiar na pessoa que está ao nosso lado.  É natural que o elogiemos e nos elogiem, e que, juntos, percorramos o caminho traçado em busca  da igualdade, da tranquilidade e da união que nos farão felizes.

A princípio não temos outra opção senão aprender a confiar e escutar o que nos dizem, aprender a entender e aceitar as situações. Contudo, á medida que passa o tempo e quanto mais convivemos com a pessoa que nos acompanha, nos damos conta, para nossa total decepção, que nem sempre o que nosso par faz corresponde ao que diz. Então, este tema já não trata de confiança e consideração. Porque simplesmente perdemos a confiança e começamos a observar ações contrárias do nosso par. Isso gera confusão, mal estar e frustração que a cada dia é mais profunda…

Realmente sempre quis acreditar. E quem não quer acreditar na pessoa com quem se relaciona?  Quem não se encanta com a palavra que sai da pessoa amada? Quem não se sente satisfeita com a verdade que nos deixa confiante, tranquila? Este sentimento de confiança  é o  que, pelo menos,  deve nos oferecer a pessoa amada. Entretanto, já não posso crer no que me diz, especialmente quando não mais existe harmonia entre o que diz e o que faz. E por mais que repita com ênfase e insista em que devo acreditar em você mais uma vez, vejo que a  ação, afinal de contas, não corresponde ao que fala.

Quando acreditamos no que nos dizem e, depois, percebemos a mentira, o sentimento passa da ira á neutralidade.  Perde-se o respeito e a admiração por esta pessoa, inclusive, nada do que podemos conversar chega a ter total segurança. Algo dentro de nós muda profundamente nossa maneira de ver nosso par e dificilmente suas ações retomam o caminho perdido.

Não encontro nenhuma alegria em não crer no ele diz, pelo contrário, queria que sua palavra tivesse valor, que se dirigisse a mim com verdades. Se fosse assim bastaria uma palavra para me levantar e sonhar. Hoje já existe em mim a predisposição de crer em palavras. Aprendi a observar e a me dar conta de que o penso é real, tangível e não uma ilusão… que foi nessa coisa horrenda que suas palavras desencontradas com a realidade se tornaram.

Tradução livre. Via Rincon del Tibet

COMPARTILHAR
Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS