Saúde emocional: uma porta que só se abre de dentro para fora. Abra a porta!

A expressão “mente sã, corpo são” deve ser levada em conta, pois mente e o corpo dialogam sobre a saúde e/ou as doenças de nossas emoções.

Um exemplo simples desse diálogo é o modo como o corpo reage à ansiedade: o coração parece aumentar de tamanho e logo surge uma incômoda sensação de dor no peito; mãos e os pés tendem a ficar muito frios ou suados. Estes sintomas aparecem porque a partir dos pensamentos evocados por nossa mente colocamos o nosso corpo em funcionamento negativo ou positivo de acordo com o que lhe é transmitido mentalmente.

Assim agimos: nosso corpo – um barquinho a vela – guiado por nossos pensamentos – os ventos que chegam do Sul ou do Norte. Não se pode evitar a rotação dos ventos, mas podemos controlar a vela rumo à morada onde se vive.

Mas gente nem sempre vive onde mora. Por isso não importa o lugar onde o corpo é habitante. Os pensamentos são a nossa casa e é neles que vivemos ou deixamos de viver.

Há momentos em nossas vidas em que tudo, mas tudo mesmo, é transformado em sofrimento. Às vezes, e não é raro, somos vitimistas crônicos.  E o corpo – o nosso pobre barquinho – fica à deriva – adoece todo – às vezes morre. E que triste é conviver com um corpo morto. A mente, receptora de pensamentos negativos, tenta sabotar o fato de ser a assassina do corpo. E dói.

Dói. Viver é um processo mental doloroso e não devemos jamais julgar aqueles que tentam (do seu jeito) amenizar a dor desse processo. Mas quase todas as coisas se pode aprender e apreender: lidar com os pensamentos autodestrutivos é uma delas.

Não transforme tudo em sofrimento. Repito isso sempre em meus escritos, é de Drummond, “a dor é inevitável, o sofrimento não”.  E para não transformar tudo em sofrimento há algumas coisas que se pode fazer, mas lembre-se: a saúde emocional é uma porta que só se abre de dentro para fora.

Ignorar problemas psicoemocionais é deixar que problemas físicos desencadeiem. Não permita que isso aconteça. Abra a porta. De que jeito?

Que tal assim?:

Ouça músicas eruditas em silêncio, tire uns minutos para meditação e/ou prece: você e o seu Poder Superior. Leia mais poesias e cante quando não souber o que fazer, o que e como pensar. Adote para si uma playlist de bons pensamentos (mantras, orações, versos, canções…) e quando um pensamento negativo sobrevoar a sua cabeça, recorra a sua playlist.  Acredite, não há nada que adoeça mais o nosso corpo do que a negatividade de nossa mente.

“Você não pode impedir que um pássaro sobrevoe a sua cabeça, mas pode impedi-lo de fazer ninho”.

COMPARTILHAR
Clara Dawn
Psicopedagoga e escritora. Como psicopedagoga é autora do projeto: "A drogadição na infância e adolescência numa perspectiva preventiva aos transtornos mentais e ao suicídio". Como escritora já publicou 7 livros. Dentre eles: O Cortador de Hóstias (Romance), Alétheia(Romance) e Sófia Búlgara e Tabuleiro da Morte (Crônicas de prosa poética). Clara Dawn também produtora de conteúdo da marca Raízes Jornalismo Cultural.




COMENTÁRIOS