“A febre das sensações ” – 6 Poemas de Augusta Faro

“… Fernando Pessoa afirmou: ‘Se escrevo o que sinto é porque assim diminuo a febre de sentir: o que confesso não tem importância, pois nada tem importância. Faço paisagens com o que sinto. Faço férias das sensações.’ E assim, escrevendo, Augusta diminui sua febre das sensações. Apresenta-nos paisagens de pura arte na busca do auto-equilíbrio e do bem estar com as emoções. Filosofa poeticamente com os melindres da existência humana, utilizando os recursos de polissemia da linguagem, através de seus enigmas, matizes e mistérios,…”

Fragmento do artigo “O universo poético de Augusta Faro  – publicado no Jornal Diário da Manhã em 2008.

Poemas da escritora Augusta Faro Fleury de Melo (Goiânia – Goiás). Telas dos artistas plásticos: Célio Braga, Alexandre Liah, Siron Franco, M. Cavalcanti, Ana Maria Pacheco e Frei Nazareno Confaloni, constantes do acervo do Palácio das Esmeraldas, expostas na Sala Dona Gercina Borges, fotografadas por Nelson Santos. Publicação e Fotografias autorizadas por Edvaldo Fagundes dos Santos, Superintendente Administrativo do Palácio das Esmeraldas.

FACE

Liah
Liah

Nada me contenta,
em nada me encontro,
quando me virem escutando o canto
das sereias ao meio-dia.

São horas de espanto
de assustada lenda,
que me refletem em ramagens,
brancos os meus cabelos
e dedos barrocos
como rocas e retratos
Quando me virem de boca selada,
um relógio de sol estático
é meu espanto,
nada me contenta,
em nada me encontro.

TRAÇADOS

Ana Maria Pacheco
Ana Maria Pacheco

Cada um tem seu tempo
talhado nas veias
carimbado na testa
e nas sombras.

Sua história passageira
resvala como vento brando
descerra as cortinas
colhe o peito

(chega ao fim-de-linha a que horas?)

 
COMPROMISSO

Célio Braga
Célio Braga

Nada a ver com a voz
mas a palavra
Nada a ver com o pulso
mas o sangue

Nada a ver com as chaves
mas a terra

Nada a ver com as sombras
mas os gestos

Nada a ver com a oferta
mas o pranto

Nada a ver com o fardo
mas o caminho

Nada a ver com a guitarra
mas a canção.

MESMO SOB O PESO DOS RELÓGIOS

M. Calvacanti
M. Calvacanti

Temos o ouvido tapado
e uma cicatriz de lado.
Na solidão do dia
escrevemos nas parede
com tinta do carvão mais forte
o destino de nossas vinhas.

Vivemos ainda,
mesmo sob o peso dos relógios.

AMAVIO

Siron Franco
Siron Franco

Nunca sei quando chegas,
se vens doendo em solidão.

Às chagas que tenho nas mãos
chegas, e
toca-as
quando doendo estou.

Parto em duas as rosas das faces.

Se partes,
a tua partida me dói
e me chaga as mãos.

E quando chegas
me beijas
as mãos
e delas – as chagas –
que são rosas,
não as das faces,
mas rosas
doendo de vida e solidão.

RETRATO

Frei Confaloni
Frei Confaloni

Aparente momento
tatuado no tempo.

Pausa de paz desenhada
impressa transparência
– um sorriso.

Depois do instante
aderido às veias do papel
– quais as faces?

A página, Oficina Poética, criada e organizada pela escritora, acadêmica Elizabeth Abreu Caldeira Brito, é publicada aos domingos no Diário da Manhã. Esta é a 215ª edição (desde 08/01/2012). [email protected]

Parte 1 da entrevista com Augusta Faro ao programa Raízes Jornalismo Cultural

COMPARTILHAR
Elizabeth Caldeira Brito
Escritora, poetisa. Pós-graduada em Psicologia e em Educação Física. Professora de dança. Publicou 13 livros. Publica semanalmente a Oficina Poética no jornal Diário da Manhã - Goiânia e é membro, dentre outras, da Academia Feminina de Letras e Artes de Goiás.




COMENTÁRIOS