Photo by Lisa Holloway

Rejeição: uma dor além do que se pode compreender e suportar

Rejeição é a ferida emocional mais comum no dia a dia. Nosso risco de rejeição costuma ser limitado pelo tamanho do nosso círculo social. Hoje, graças à comunicação eletrônica, plataformas de mídia social e aplicativos de namoro, cada um de nós está ligado a milhares de pessoas. Qualquer um pode ignorar nossas mensagens, bate-papos, textos, ou perfis de namoro, e, como resultado, nos sentirmos rejeitados.  

Além desses tipos menores de rejeição, algumas pessoas são mais vulneráveis ​​a rejeições graves. Quando nosso cônjuge nos deixa, quando nós somos demitidos de nosso trabalho, quando somos esnobados pelos nossos amigos, ou condenado ao ostracismo por nossas famílias e comunidades por nossas escolhas de estilo de vida, a dor que sentimos pode ser absolutamente paralisante.

Se a rejeição que experimentamos é grande ou pequena, uma coisa permanece constante: Sempre dói, e, geralmente, dói mais do que esperamos.

A pergunta é: Por quê? Por que estamos tão incomodados, por que um bom amigo não “curtiu” a imagem das férias em família que nós postamos no Facebook? Por que isso destrói o nosso humor? Por que algo tão aparentemente insignificante nos faz sentir raiva dos nossos amigos e de nós mesmos?

As maiores causas dos danos de rejeição são geralmente autopunitivas. Quando a nossa autoestima está prejudicada, decidimos danificá-la ainda mais com a autorrejeição.

A resposta é: Nossos cérebros estão conectados a responder dessa maneira. Quando cientistas colocaram as pessoas em máquinas de ressonância magnética funcional e pediu-lhes para lembrar-se de uma rejeição recente, os pesquisadores descobriram algo surpreendente. As mesmas áreas do nosso cérebro tornam-se ativadas quando experimentamos a rejeição de modo igual a quando sentimos dor física. É por isso que mesmo pequenas rejeições ferem mais do que pensamos, porque elas provocam dor literal (embora, emocional).

Mas por que é que o nosso cérebro se comunica desta maneira?

Os psicólogos evolucionistas acreditam que tudo começou quando éramos caçadores-coletores que viviam em tribos. Desde que não poderíamos sobreviver sozinhos, ser banido da nossa tribo era basicamente uma sentença de morte. Como resultado, desenvolvemos um mecanismo de alerta precoce para nos advertir quando estávamos em perigo de ser “expulso da ilha” (rejeitados) pelos nossos companheiros de tribo. As pessoas que vivenciaram a rejeição eram mais propensas a mudar seu comportamento, dos os que permaneceram, e passaram adiante os genes da rejeição.

Naturalmente, a dor emocional é apenas uma das formas em que a rejeição impacta o nosso bem-estar. Rejeições também danificam o nosso humor e a nossa autoestima. Elas provocam em nosso cérebro ondas de raiva e agressão e desestabilizam a nossa necessidade de “pertencer”.

Infelizmente, a rejeição que causa maiores danos é autoinfligida. Na verdade, a nossa resposta natural ao ser abandonada por um namorado ou uma namorada, ou ser abandonado por uma equipe, nos tornamos autocríticos severos. Nós dizemos palavrões, lamentamos as nossas deficiências, e nos sentimos desgostosos conosco mesmos. Em outras palavras, quando a nossa autoestima sofre mais, entendemos de danificá-la ainda mais. Fazer isso não é emocionalmente saudável e psicologicamente é autodestrutivo.  No entanto, cada um de nós faz isso num ou noutro momento.

A boa notícia é que existem melhores e mais saudáveis ​​formas de responder à rejeição, coisas que podemos fazer para reduzir as respostas não saudáveis, aliviar a nossa dor emocional e reconstruir a nossa autoestima. 

Aqui estão algumas delas:

Tolerância Zero para a autocrítica

Tentador poderia ser a de listar todas as falhas no calor de uma rejeição. E pode parecer natural punir a si mesmo pelo que fez de “errado”. Não! Por todos os meios reveja o que aconteceu e reconsidere o que você deve fazer de forma diferente no futuro. Mas, absolutamente, não há nenhuma razão para ser punitivo e autocrítico ao fazê-lo. Outro erro comum que fazemos é assumirmos que uma rejeição é pessoal, quando não é. A maioria das rejeições, se a for no aspecto romântico, profissional e até social, se devem ao “encaixar” a situação.  Busque em suas próprias deficiências para entender as razões da rejeição e as elimine uma a uma com a paciência de Jó.

Reavive sua autoestima

Quando a sua autoestima leva um golpe, é importante lembrar-se do que você tem a oferecer (ao invés de listar suas deficiências). A melhor maneira de aumentar a sentimentos de autoestima após uma rejeição é afirmar os aspectos positivos de si mesmo que você sabe que são valiosos. Pensa no que as outras pessoas perderam com o seu afastamento. Sim, você é parte importante da sociedade em que vive. E você tem algo a acrescentar na vida dos outros. Sempre…

Faça uma lista de cinco qualidades que você tem e que são importantes ou muito significativas  e especiais.

Coisas que fazem de você um relacionamento com boa perspectiva: Por exemplo, você é agradável ​​ou emocionalmente disponível. É um bom amigo, você é leal e um bom ouvinte. Você uma boa colega de trabalho.  Por exemplo, você é responsável ou tem uma forte ética no trabalho.  Em seguida, escolha uma delas e escreva um ou dois parágrafos curtos (escrever, não apenas fazê-lo em sua cabeça).

Procure mostrar a qualidade da sua amizade para os outros e a maneira como você a expressa em situação relevante. Aplicando os primeiros socorros emocionais desta forma você aumenta a sua autoestima, reduza a dor emocional e constrói a sua confiança no futuro.

Impulsionar sentimentos de conexão social

Como animais sociais, precisamos sentir queridos e valorizados pelos diversos grupos sociais com os quais estamos conectados. A rejeição desestabiliza a nossa necessidade de pertencer, deixando-nos sentir inquietos e socialmente amarrados. Portanto, precisamos nos lembrar de que somos apreciados e amados para que possamos nos sentir mais conectados e ligados. Se seu colega de trabalho não o convida para o almoço, para tomar uma bebida com os amigos de vez em quando. Se seu filho o trocar por um amigo. E se seus amigos não “curtir” ou retornar suas postagens, chame seus avós e lembre-se de que a sua voz, por si, traz alegria para eles.

Rejeição nunca é fácil, mas saber como limitar o dano psicológico que o domina – e como reconstruir a sua autoestima – vai ajudá-lo a se recuperar mais cedo e seguir em frente com confiança para a sua próxima data ou evento social.

Texto de Guy Winch, via Idea.ted – Tradução e adaptação: Portal Raízes

Guy Winch é um psicólogo que trabalha com indivíduos, casais e famílias. Seu livro mais recente é “Emotional First Aid: Rejeição Cura, culpa, fracasso e Outros…”. Ele escreve no popular Blog Squeaky Roda em PsychologyToday.com, e é o autor de A Roda Sibilante: Queixar-se – o caminho certo para obter resultados, melhorar seus relacionamentos e aumentar a autoestima. Ele também escreve para Huffington Post.

Nota: Os Direitos Autorais no Brasil são regulamentados pela Lei 9.610 . A violação destes direitos está prevista no artigo 184 do Código Penal. Este artigo pode ser publicado em outros sites, sem prévia autorização, desde que citando o autor e a fonte.

COMPARTILHAR
Portal Raízes
Raízes Jornalismo Cultural - Portal, Revista Impressa e Programa de Televisão




COMENTÁRIOS