Misofonia

Misofonia: Você se irrita com o som de alguém mastigando?

Portal Raízes
Você sabe o que é misofonia? Algumas pessoas são mais sensíveis do que outras, e estas se aborrecem por causa de barulhos uníssonos que, para outros, são muitas vezes ignorados: como gotas de água, mastigação, chiclete ou ruídos repetitivos, como batidas de lápis. Para pessoas altamente sensíveis luzes brilhantes, desordem, um cheiro mais forte do que o habitual ou certos sons podem ser torturas reais.
Existe uma sensibilidade especial chamada misofonia que implica uma aversão aos sons cotidianos produzidos por outras pessoas, como mastigar, tossir, chorar, ou engolir de gute gute… Na verdade, essas pessoas não conseguem suportar o som que outros provocam. E este é um problema que afeta aproximadamente 20% da população.

Misofonia: o desconforto visceral que não pode ser explicado

Os sons que incomodam a pessoa com misofonía geralmente têm uma intensidade muito baixa, da ordem de 40 a 50 decibéis, o que significa que estão bem abaixo de uma conversa normal, pelo que, em muitos casos, dificilmente são audíveis para o resto das pessoas.

No entanto, para aqueles que sofrem de misofonía esses sons podem se tornar tortura. Ouvir alguém que mastiga pode desencadear estresse, irritação e em casos extremos até raiva violenta. É por isso que, em muitas ocasiões, as discussões são geradas na mesa.

A pessoa com misofonia pode pedir a outra pessoa para mastigar mais devagar e silenciosamente, mas essa pessoa pode se sentir atacada e não entende como esse baixo som pode causar desconforto. Como resultado, ela conclui que essa pessoa tem algo contra ela, que ela está brava por nenhuma razão ou que ela é amarga por outra causa e está descontando com isso.

Para evitar tais discussões, a pessoa com misofonía, às vezes, prefere permanecer em silêncio e simplesmente se levanta e sai da mesa. No entanto, esse gesto também causa constrangimento nos outros comensais, porque eles não entendem a atitude, a razão de tamanha irritabilidade.
Curiosamente, esse sentimento de desconforto é amplificado ainda mais quando os sons são provenientes de pessoas próximas. É por isso que a hipersensibilidade geralmente cria problemas em suas relações interpessoais, já que as outras pessoas se sentem rejeitadas.

Quais são as causas da misofonía?

Na base é um problema de tolerância aos sons. Uma hipótese é que é uma desordem neurológica, provavelmente nas altas estruturas do sistema nervoso central. Poderia ser um dano ao córtex pré-frontal medial, ou um problema semelhante ao zumbido, um som fantasma que geralmente é devido ao dano nas células ciliadas da cóclea.
Outra hipótese indica uma correlação entre misofonia e distúrbios obsessivo-compulsivos, enfatizando a existência de experiências negativas relacionadas a este tipo de sons. Na prática, essa repulsão poderia vir de um pequeno trauma que desencadeou um crescimento excessivo da amígdala, sem controle dos lobos pré-frontais. Portanto, a pessoa experimentaria uma reação visceral que é muito difícil de controlar.
Na verdade, por mais que a pessoa tente, ele não pode deixar de ouvir esse som. Nesse sentido, um estudo realizado na Universidade da Califórnia é revelador. Os neurocientistas receberam a tarefa de verificar se a aversão a esses sons era real. Para fazer isso, eles pediram às pessoas com misofonia para ouvir uma série de sons e avaliar o nível de desconforto que eles produziram. Outro grupo de pessoas que não tiveram esse problema ouviu os mesmos sons e indicou o quanto eles incomodaram.
Enquanto expostos aos sons, os eletrodos mediam a condutividade elétrica da pele para detectar o nível de ativação fisiológica. Os resultados mostraram que as pessoas com misofonia suavam mais e tinham um maior nível de ativação fisiológica em sons como o goma de mascar. No entanto, quando ouviram sons mais relaxantes como a chuva, eles não mostraram essa reação.

Aprender a se concentrar no positivo

Existem diferentes estratégias para lidar com a misofonía. Antes de alcançar o ponto em que a ira o domine, você pode atenuar o ruído. Por exemplo, o zumbido de um ventilador em movimento, pode ser tolerado se no ambiente estiver tocando uma música relaxante ou sons brandos como o de uma cascata. Estas podem ser soluções que satisfaçam todos os que estão reunidos ao redor da mesa.
Também seria conveniente explicar às pessoas importantes para você o que acontece com você, pelo menos você entenderá que não é uma questão de rejeição ou mau humor, mas um problema real que você tem que lutar todos os dias.
Além disso, tenha em mente que cada situação, por mais negativa que possa parecer, sempre pode ter um lado positivo. Um estudo conduzido por psicólogos da Northwestern University descobriu que quanto mais você for afetado por esses tipos de ruído, mais provável é que você seja um gênio criativo.
Na verdade, a criatividade tem sido associada à atenção atípica. Todos nós temos um sistema de entrada sensorial que tem uma base neurológica e nos permite eliminar todos esses estímulos desnecessários, de modo que o cérebro não acabe “saturando”.
De acordo com esta pesquisa, ter um sistema de entrada sensorial de “vazamento” nos permite integrar ideias fora de foco, levando a soluções mais criativas no mundo real. Portanto, embora seja verdade que a misofonía pode causar muitas dores de cabeça, você também pode aproveitar-se dela como gatilhos de inspirações artísticas. Grandes gênios ao longo da história se revelaram misofonos, mesmo que a palavra ainda nem existisse, como por exemplo: Charles Chaplin, Isaac Newton, Edgar Allan Poe, Vincent van Gogh e John Nash, o matemático que inspirou o filme Uma Mente Brilhante. Você, assim como eles, pode estar com toda a sua a genialidade escondida. Só precisa aprender a controlar sua misofonía – e isso pode ser feito com a ajuda de um especialista – e depois é só abusar da genialidade.
Publicado originalmente em Rincón de lá psicología – Tradução e livre adaptação – Portal Raízes
Fontes:
Zabelina, DL et. Al. (2015) Criatividade e bloqueio sensorial indexado pela P50: Abertura sensorial seletiva versus vazada em pensadores divergentes e realizadores criativos. Neuropsicologia ; 69: 77-84.
Schröder, A. et. Al. (2013) Misofonia: Critérios diagnósticos para um novo transtorno psiquiátrico. PLoS One ; 8 (1).
Edelstein, M. et. Al. (2013) Misofonia: investigações fisiológicas e descrições de casos. Frontiers in Human Neuroscience ; 7: 296.
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

COMENTÁRIOS