Essa foto é sua? Por favor entre em contato.

A verdade honesta sobre a vida após um relacionamento tóxico

As pessoas muitas vezes associam aqueles em relacionamentos tóxicos com alguém que é fraco. Alguém que não tem auto-respeito suficiente para ir embora. Alguém que se acomoda com muito menos do que merece.

Mas como alguém que viveu a agitação dos altos e baixos, eu me vejo como uma pessoa realmente forte. Forte para sair do outro lado. Sim, um pouco contaminada, mas ninguém caminha através do fogo sem se queimar um pouco.

Eu pensei que eu era forte por aguentar por tanto tempo. Forte por acreditar em alguém e respeitar meus próprios sentimentos o suficiente para não ir embora. Forte por amar alguém tanto assim.

Quando as pessoas perguntam sobre ele e nosso relacionamento, eu não olho para trás negativamente. Eu olho para trás e vejo amor.

Amor debaixo das cinzas e do caos que criamos na vida um do outro. Porque talvez não fosse só ele que era tóxico. Acho que mais do que isso, eu era tóxica para mim mesma por continuar a correr em círculos que eu sabia que me levaria para o mesmo lugar.

A verdade é que foi ele quem terminou. Eu nunca desistiria dele. Eu teria continuado tentando. Eu teria tentado até que eu me auto-destruísse. E com o tempo eu fiz.

Ele era como uma droga e cada tragada me levava a uma onda e eu sempre queria mais. Eu não sei muito sobre drogas, mas eu sei que as pessoas podem ser tão viciante como qualquer substância. Isso é tudo que um vício é, tentar encontrar conforto na mesma coisa que está destruindo você.

Ele disse adeus uma noite e nem doía mais. Eu estava completamente entorpecida. E isso era o mais assustador sobre isso. Eu tinha me machucado tantas vezes que nem me incomodava mais.

Mas a parte difícil não foi o fim. Isso veio com um agradecimento, porque eu acho que ele finalmente sabia o que ele me fez passar.

Não havia dúvida de que eu o amava e eu teria feito qualquer coisa para fazer dar certo. Na verdade, eu fiz. Eu investi tempo e energia em algo que terminaria em destruição completa, mas eu ainda lutei por isso. Lutei com todas as minhas forças por ele.

Mas era um relacionamento tóxico.

Era um relacionamento cheio de jogos mentais, dúvidas e questionamento de cada movimento que fazia e cada palavra que eu dizia. Toda luta sempre terminava em me desculpar e de alguma forma sempre ser minha culpa. Era dizer coisas só para irritar um ao outro sabendo exatamente como fazer isso.

Mas também teve coisas boas. Foram noites juntos em que eu queria poder congelar o tempo naquele momento. Nos dias ruins ele era o único que eu sabia que eu poderia contar.

Com um olhar simples e uma frase curta ele já sabia que algo estava acontecendo e sabia me confortar. A verdade honesta era que ele sabia melhor do que qualquer pessoa na minha vida e eu o amava por isso.

Era todos os dias acordar com suas mensagens e toda conversa terminar com eu te amo. Eu não sei se ele sabia o quanto eu estava apaixonada por ele. Mas mesmo com as coisas ruins, ele era o modelo de tudo o que eu queria em uma pessoa.

E eu sei que parece loucura. Como um homem tóxico podia ser tudo o que eu queria? A verdade sobre relacionamentos tóxicos é que eles não são ruins o tempo todo. Há uma razão pela qual as pessoas toleram as coisas ruins.

Mas terminou e eu segui em frente.

Mas em todos que eu namorei, eu procurei um pedaço dele lá. Cada vez que eu sentava à mesa eu pensava nele. Ele arruinou “namoro” para mim, porque mesmo depois que ele terminou comigo, ele ainda consumia muito do meu coração.

Depois, houve os efeitos negativos que uma relação tóxica fez em mim. Eu questionei os motivos de todos depois disso. Cada nova pessoa, eu pensava que ia ser igual, que eu iria ficar presa, que ele seria algum galinha no outro lado. E que alguma luta nos levaria a reconstruir e a correr em círculos. Eu esperava ser tratada mal.

Até que eu percebi que as relações normais não gritam e lutam com você. Eu comecei a ser tratada como eu merecia, mas eu corria disso. Eu comecei a conhecer caras realmente legais e eu os afastei.

Então eu comecei a procurar outros relacionamentos tóxicos para preencher esse vazio doente e obter esse sucesso que eu precisava. E quando eu encontrei pessoas como essas, tudo o que aconteceu foi um fim de mim chorando para dormir, a mesma história com um cara diferente. Mas havia algo dolorosamente reconfortante sobre o que eu estava acostumada.

A vida após um relacionamento tóxico é como uma recuperação, de certa maneira. Você tem que admitir para si mesma que há um problema e não é algo a ser corrigido em um parceiro. É algo que você precisa corrigir dentro de si mesma primeiro. Então você precisa ser capaz de identificá-lo e se afastar de qualquer pessoa ou qualquer coisa que vai trazê-la de volta para esse caminho auto-destrutivo.

Você tem que construir-se de tal forma que mesmo quando você está tentado, você não quer. Porque você entende os efeitos que isso tem sobre você.

Então eu me sentei em uma mesa de café, estava mais linda do que eu era no tempo que ele me conheceu. E ele me viu, agarrou minha mão e me olhou profundamente nos olhos, ele me disse que eu nunca estive tão linda. E a verdade honesta foi que eu não senti nada pela pessoa sentada à minha frente.

Acho que um pedaço de mim sempre o amaria e acho que uma parte de mim sempre procuraria por suas melhores qualidades e potenciais, mas eu não o queria mais.

Olhei para ele e soube que talvez não estivéssemos predestinados, no sentido para o qual eu permaneci acreditando tanto tempo como uma adolescente. Esse foi um momento agridoce que veio seguido por um sentimento de superação e paz.

E foi só depois de não ter conseguido o que eu queria que finalmente consegui o que merecia.

 

Texto de Kirsten Corley publicado originalmente em Thought Catalog, tradução e livre adaptação de Portal Raízes.

COMPARTILHAR
Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS