“A vida é um bem que não podemos desperdiçar” – Mario Sergio Cortella

Portal Raízes

“Pensar nos faz bem? Então vamos pensar um pouco sobre o propósito vital: a direção honrada, a ideia firme, decidida, necessária de não desperdiçar a vida. Não colocar a vida, que é um bem misterioso para nós, enquanto finalidade e origem última,  mas ainda assim um bem que não dá para descartar ou até desperdiçar. Há uma série de pensamentos por toda a história da literatura, da filosofia, da ciência, da arte e da religião que buscam fazer com que a gente tenha uma vida que não seja descartável, banal, fútil e superficial.

“E nessa hora que o pensamento em relação a uma vida que, sendo aquilo que é, ela não seja supérflua, não seja algo, como eu dizia, banal, aparece com bastante força dentro de uma reflexão feita por Émile Littré. Littré foi um fillósofo e médico Frances que nasceu em fevereiro de 1801. Aliás, ele tem um livro chamado Dicionário da Língua Francesa que é tão importante que o nome dele, Littré, é quase sinônimo de dicionário. Como aqui no Brasil nós temos alguns dicionários que são identificados com seus autores. No caso, neste dicionário escreveu Littré, ‘Quem deseja fazer emprego sério da vida, deve sempre agir como se fosse viver por muito tempo e comportar-se como se fosse morrer proximamente’.

É um pensamento muito inteligente: Quem deseja fazer um emprego sério da vida deve sempre agir como se fosse viver por muito tempo, isto é, planos que sigam adiante, que não sejam imediatos. Mas, lembrando Littré, deve comportar-se na vida como se fosse morrer proximamente. Uma conduta que entenda a vida como finita, de que a gente não tem todo o tempo do mundo.  E que, portanto, a capacidade de aproveitar a existência, de fazer o seu próprio bem e também para outros terem uma vida que seja mais significativa. É preciso sempre nos lembrar da nossa mortalidade. Mas quando projetar, nela não pensar”.

Transcrição feita pelo Portal Raízes de um comentário do professor Mario Sergio Cortella  à rádio CBN no dia 16 de fevereiro de 2017. 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

COMENTÁRIOS