Oana Stoian - Trevillion Images

As pessoas te tratam do modo como ‘te amam’

Clara Dawn

Quando falamos de vínculos afetivos, o tratamento é um reflexo da qualidade dos sentimentos que damos e recebemos. A maneira que você aceita ser tratada, indica como as pessoas devem lhe tratar. Se você aceita receber menos do que acredita que merece, sua aceitação do menos, é um aceno para a forma como as pessoas vão lhe tratar sempre e sempre.

Quem nos ama, não nos maltrata. Se lhe maltrata, não lhe ama.  É uma crença contraditória a de que quem faz você chorar é quem lhe ama de verdade. Não aceite a convivência com quem lhe faz chorar com lágrimas de tristeza, de decepção, de frustração; que não lhe proporciona genuína e alegre companhia, que não lhe traz êxtases plenos, que não lhe estimula a lutar por seus sonhos, que lhe impõe as condições da forma de demonstrar afeto dela.

Então, a primeira coisa que devemos fazer é rever o tratamento que recebemos, bem como o tratamento que oferecemos aos outros. Muitas vezes, acontece de sermos maltratados exatamente pela pessoa que mais costumamos nos doar. Há um dito popular que afirma que a vida é um eco e se você não gosta do que está recebendo, observe o que está emitindo. Sim, isso também é verdade, pois devemos tratar os outros da forma como desejamos ser tratados. Mas quem criou o ditado se esqueceu de que existem pessoas egocêntricas, orgulhosas, opressoras e egoístas e tóxicas que só conseguem se relacionar com o outro, enquanto o outro for cativo às suas vontades; enquanto o outro não lhe questiona; não lhe afronta com um ‘não’ incisivo.

Certamente que há momentos e, momentos: e não devemos ser inflexíveis ao classificar um tratamento ríspido esporádico de um tratamento abusivo rotineiro. Pois existem momentos de raiva e de explosões verbais, onde o que sai da boca não é verdadeiramente o que está no íntimo de nossos corações, não são palavras que orgulhamos em dizê-las, mas que foram ditas e não se pode desdizer;  há momentos de tristeza em que refletimos nossas vulnerabilidades e as vulnerabilidades da relação e por fim ao falarmos de nossas angustias, podemos, sem querer, ofender o outro; há momentos de euforia que podem nos fazer prometer muitas coisas que não temos condições de cumpri-las depois e, com isso, deixar o outro frustrado. Enfim… nossas emoções desempenham um papel importante naquilo que expressamos e como tratamos o outro.

Todavia, lembre-se: a repetição faz marcas até nas pedras. E se um comportamento ruim é recorrente, é claro, vai adoecer física, mental e emocionalmente quem o recebe. Se o tratamento mais recorrente for afetuoso, justo, amável e lhe fazer, na maioria do tempo,  sentir-se bem consigo mesma, releve os momentos de insanas palavras e rudes ações. Mas se a forma como você é tratada é uma rotina de humilhações, de aspereza, de distanciamento afetivo, de agressividade verbal e moral… se, na maior parte do tempo, predomina o abuso, não pergunte a pessoa por que a pessoa lhe trata assim, coisa alguma justifica um tratamento abusivo, mas a pergunta que você deve fazer é, por que você fica.

Em suma: quando você se respeita, se valoriza, se cuida…você indica aos outros a maneira como devem lhe tratar.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Clara Dawn
Clara Dawn é romancista, psicoterapeuta; palestrante com o tema: "Prevenção aos transtornos mentais e ao suicídio na adolescência". É editora chefe no Portal Raízes (portalraizes.com), colunista aos sábados no Jornal Diário da Manhã em Goiânia, Goiás, desde 2009. É autora de 7 livros publicados, dentre eles, o romance "O Cortador de Hóstias", obra que tem como tema principal a pedofilia. Clara Dawn inclina sua narrativa à temas de relevância social. O racismo, a discriminação, a pedofilia, os conflitos existenciais e os emocionais estão sempre enlaçados em sua peculiar verve poética. Você encontra textos de Clara Dawn em claradawn.com; portalraizes.com, jornal Diário da Manhã/Goiânia ou pesquisando no Google. Seus livros não são vendidos em livrarias. Pedidos pelo email: [email protected]