DESFILE DE HORRORES – por Fabrício Carpinejar

Portal Raízes

O amor requer privacidade, acolhimento, convívio, diálogo.

Coloque em dobro todas essas recomendações na hora de tratar com crianças esperando adoção. Elas são mais frágeis, já experimentaram traumas e conflitos familiares e dependem de passos firmes para fortalecer a sua estima. Não podem ser expostas ao sofrimento gratuitamente. Exigem a proteção incansável de seus cuidadores e de uma transição segura para um novo lar.

Nada disso aconteceu em shopping de Cuiabá (MT), na terça (21/5). No evento “Adoção na Passarela”, crianças e adolescentes de 4 a 17 anos, aptas para a adoção, atravessaram a passarela em busca de famílias candidatas.

Não há como entender os objetivos da Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção (Ampara) e da Ordem dos Advogados do Brasil do Mato Grosso (OAB-MT).

Desde quando crianças são escolhidas pela aparência, pelos atributos físicos? Estão oferecendo modelos para interessados? Tem que ser bonito e desfilar para ser aceito? Tem que estar arrumado e ostentar figurino de grife?

Elas querem pais, não empresários.

Ideias, olhares, sonhos, palavras, ternura, alma não servem para coisa alguma? É o recado que está sendo dado?

A exposição de meninos e meninas, com cabelo produzido e maquiagem, não tem graça. O desamparo não é um concurso de miss. A dor não é uma disputa de beleza.

Meu impulso é chorar de raiva, jamais aplaudir a iniciativa. Corresponde a maltratar uma esperança já calejada, criar expectativas para uma finalidade equivocada, priorizar a futilidade e incentivar o descarte humano.

Exibir órfãos a um desfile é erotizar o abandono, num movimento contrário às campanhas contra o abuso e a exploração de menores. É rasgar em pedacinhos o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e transformá-lo em confetes e serpentinas.

É promover um leilão. É organizar uma venda coletiva. Em vez de roupas e produtos, é possível oferecer lances para levar vidas indefesas para a casa.

Como se os pequenos fossem escravos. Como se os pequenos fossem obrigados a mostrar os dentes. Como se os pequenos fossem obrigados a rebolar, dançar e girar para atrair o interesse. Como se as nossas crianças fossem absolutos objetos de consumo.

Publicado no jornal Zero Hora, GaúchaZH, 22/5/2019. Via Fabrício Carpinejar

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.