Mature couple in bed together

Falta de sexo pode provocar morte súbita, diz estudo

Portal Raízes

Em Massachusetts, um novo estudo realizado pela Universidade de Tufts e publicado no Jornal da Associação Médica Americana, revelou que a a baixa frequência da atividade sexual pode aumentar os riscos de morte súbita e AVC.

Segundo os pesquisadores, “a pesquisa incluiu 14 estudos cruzados de caso de eventos cardíacos agudos que observaram e registraram a associação entre a atividade física e sexual episódica e ataques cardíacos e evidência sugestiva de uma associação entre atividade física episódica e MCS (Morte Cerebral Súbita)”.

Concluíram que “o risco relativo de ataque cardíaco foi reduzido em cerca de 45 por cento e morte cardíaca súbita em 30 por cento por cada vez adicional por semana que a pessoa teve relações sexuais.”

Levando em consideração que o sexo é um dos melhores exercícios cardiovasculares, minimizando o risco de ataques cardíacos, a falta dele deixa-nos mais propensas a sofrer AVC’s (Acidente Vascular Cerebral). O termo “falta” se refere ao sexo ocasional, como inferior a uma vez a cada mês.

Caso tenha interesse, confira o estudo na íntegra (em inglês) aqui.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.