Fundação do ator Ashton Kutcher salva 6 mil crianças do tráfico sexual infantil

Portal Raízes

O ator e produtor Ashton Kutcher, 41 anos, por meio de sua organização sem fins lucrativos Thorn: Digital Defenders of Children (“Espinho: Defensores Digitais das Crianças”, em tradução livre) ajudou autoridades policiais de diversos países a identificar mais de 6 mil vítimas do tráfico sexual infantil, tendo ajudado diretamente 103 crianças nessas condições a retornarem para suas casas.

A organização é mantida com recursos advindos do ator e de sua ex-esposa Demi Moore, que também é co-fundadora. Uma das principais armas da Thorn é a contrainteligência e a construção de tecnologia digital para defender crianças online. Chama a atenção que o trabalho é feito de maneira absolutamente discreta e silenciosa.

Ashton Kutcher emocionado em discurso sobre tráfico infantil

Segundo um relatório publicado pela Thorn em 2017, mais de 6,6 mil criminosos foram flagrados em condutas ilícitas e denunciados à polícia. Mais: através da campanha “Stop Sextortion”, a entidade foi capaz de educar 3,5 milhões de adolescentes à respeito dos perigos do tráfico internacional de pessoas e o abuso sexual infantil.

A Thorn nasceu em 2009 sob o nome DNA Foundation com a missão de evitar e combater a exploração sexual de crianças. Em uma entrevista ao portal 48 Hours, Ashton Kutcher falou sobre seu trabalho na organização e admitiu que este tema é de “extrema sensibilidade” para ele.

“Homens de verdade não compram garotas”

“O que fazemos em nosso núcleo é construir tecnologia para ajudar a combater a exploração sexual de crianças. Você pode arregaçar as mangas e tentar ser como um herói e salvar uma pessoa, ou você pode construir uma ferramenta que permita a uma pessoa salvar muitas pessoas”, disse.

Kutcher foi convidado em fevereiro de 2017 pelo Comitê de Relações Exteriores do Senado dos Estados Unidos para discursar sobre a escravidão moderna, na esperança de convencer o Parlamento estadunidense a endurecer a legislação que trata de crimes sexuais.

“Estou aqui hoje para defender o direito de buscar a felicidade. É uma noção simples: “o direito de buscar a felicidade”, relatou.

“Eu acho que cabe a nós como cidadãos desta nação, como americanos, conceder esse direito aos outros e ao resto do mundo. Mas o direito de buscar felicidade para muitos é eliminado: é violado, abusado, tomado pela força, fraude ou coerção. É vendido pela felicidade momentânea de outro.”

Durante seu testemunho, ele explanou os horríveis incidentes de crianças com idades inferiores a dez anos que foram estupradas e o conteúdo que é compartilhado em massa no submundo da internet. “Eu vi o conteúdo de um vídeo de uma criança da mesma idade da minha filha, estuprada por um americano que era turista sexual no Camboja e essa criança era tão condicionada por seu ambiente que ela pensava que era uma brincadeira”, revelou.

O Departamento de Segurança Interna dos EUA tem procurado ajuda de sua organização para localizar suspeitos de estupro de vulnerável e pedofilia em território americano e além.

Para realizar o trabalho, a Thorn criou uma equipe de atuações especiais que conta com o apoio direto de 25 empresas, entre elas Google, Facebook e Microsoft, que trabalham em softwares para combater a exploração sexual infantil.

Fonte indicada: Razões para acreditar

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.