Ninfomania, o transtorno grave que matou uma mulher após 5 horas de sexo

Portal Raízes

Uma mulher de 32 anos, conhecida com “A Fera”, morreu após fazer sexo durante 5 horas. O caso aconteceu em um motel de Cáli, na Colômbia. Segundo o jornal Extra, a mulher sofreu um ataque cardíaco e o parceiro chamou a emergência, mas ela já chegou morta ao hospital. O casal (cuja identidade não foi divulgada) afirmou que a intenção deles era fazer sexo até que a vontade acabasse e para que o corpo tivesse essa disposição mental, eles usaram drogas.

Com base nesta notícia, fomos pesquisar acerca da Ninfomania – ou seja – um apetite sexual exagerado, um desejo incessante por sexo. E não, isso não é nada bom. É patológico, um transtorno psiquiátrico que causa sofrimento e precisa de tratamento.

Ninfomania, o que é e os principais sintomas do transtorno

Ninfomania é um problema psiquiátrico sério, que colocar em risco a vida de quem tem o transtorno e das pessoas com as quais mantém relações sexuais. Ninfomania refere-se ao transtorno apenas em mulheres. Os homens também apresentam o mesmo problema psiquiátrico, porém o nome dado é satiríase.

A mulher ninfomaníaca pode fazer sexo por horas e com múltiplos parceiros, chegando ao ponto de se machucar, conquanto o tempo médio de sexo de uma pessoa, considerada “normal”,  depois das preliminares, não passa de 5 minutos e 24 segundos. Quem descobriu isso foram pesquisadores da Universidade de New Brunswick, no Canadá. Para realizar o estudo, eles cronometraram, durante quatro semanas, quanto tempo durava a relação íntima entre 500 casais heterossexuais ao redor do mundo.

Características da mulher ninfomaníaca 

A ninfomania é caracterizada pela busca incessante e maníaca por sentir algo. Já que ao praticar o ato não sente prazer. O não sentir nada faz com que a pessoa se arrisque cada vez mais, de forma compulsiva e perigosa. A mulher ninfomaníaca perde a qualidade de vida, se não estiver em tratamento. Por não tem controle do que faz, acaba perdendo assim todos os tipos de compromissos seja do trabalho, família ou amigos em busca de aventuras sexuais.

  • Elas são mais propícias também a se contaminarem com doenças sexuais, já que não se previnem e costumam ter vários parceiros sexuais;
  • Elas sofrem também com depressão devido a culpa e angústia que sentem;
  • Elas costumam se masturbar em excesso e em momentos inoportunos;
  • Elas usam em exagero objetos sexuais, seja sozinha ou com parceiros(a);
  • Elas consomem muita pornografia e costumam ter várias fantasias sexuais intensas.

Tratamento da ninfomania

Para o tratamento de uma pessoa ninfomaníaca, é necessário que os conhecidos deixem de lado o moralismo e o preconceito. Alias, é necessário lembrar que é um transtorno psiquiátrico, sendo assim incontrolável. A pessoa precisa de apoio para dar sequencia ao tratamento.

O tratamento deve ser feito com acompanhamento psiquiátrico e psicológico. A medicação dependerá do grau do transtorno. A psicoterapia ajuda a pessoa a adquirir autoconsciência, desenvolvendo assim maneiras de controle e de entender a doença, diminuindo assim a angustia. Como a pessoa é mais propensa a doenças sexuais, é necessário fazer consultas constantes ao médico ginecologista.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.