Papa pede que rezemos pelas grávidas que hoje se perguntam: “Em qual mundo meu filho viverá?”

Portal Raízes

Ser mãe é ter o coração fora do corpo, é se preocupar e cuidar sempre, é tentar proteger os filhos de todos os males do mundo, mesmo sabendo que, talvez, essa seja uma tarefa impossível. Se tornar mãe no caos que estamos vivendo devido à pandemia pode ser desesperador, e foi pensando nessas mães, que o Papa Francisco dedicou uma missa nesta última semana (dia 17), dedicando-a especialmente às mulheres grávidas.

A missa em Santa Marta foi iniciada com um pedido: “gostaria que hoje rezássemos pelas mulheres gestantes, as mulheres grávidas que se tornarão mães e estão inquietas e se preocupam.”

Em meio a este momento de pandemia, mortes e grandes incertezas, segundo o Papa muitas mulheres podem se perguntar: “Em qual mundo meu filho viverá? Rezemos por elas, a fim de que o Senhor lhes dê a coragem de levar estes filhos adiante com a confiança de que será certamente um mundo diferente, mas será sempre um mundo que o Senhor amará muito.

__

Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.