dor emocional
Esta foto é sua? Por favor, entre em contato.

Sim, dor emocional é dor de verdade e afeta também o corpo, diz estudo

Thalitha Miranda

Ser magoado com críticas negativas pode ferir fisicamente? Os corações partidos realmente se sentem quebrados? As ações que prejudicam nossos sentimentos causam dor real, ou a dor psicológica é apenas uma analogia? É uma coincidência linguística que quando a nossa psique dói, usamos palavras “dor” para descrever como nos sentimos?

Essas perguntas não são mais apenas para os filósofos e poetas entreterem. Os cientistas agora têm algumas respostas, graças à nova tecnologia. Sabemos que a rejeição e o isolamento são dolorosos para nossos cérebros sociais. De fato, comprometer qualquer conexão emocional valiosa parece “doído”. Naomi Eisenberger da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles) descobriu que os circuitos neurais para a dor física e emocional se sobrepõem¹. Seu laboratório demonstrou essa sobreposição de uma variedade de metodologias convergentes – comportamento, genética e neuroimagem.

Uma experiência de dor física tem dois componentes², o primeiro é um componente sensorial – por exemplo, “ter dor latejante na perna direita inferior que dura alguns minutos”, portanto, inclui localização, intensidade e duração. O outro componente é afetivo – o lado emocional da dor; estar com dor não parece bom e evoca emoções que refletem esse estado interior, como tristeza, raiva ou medo. Não é surpresa que uma pessoa que sofre de dor crônica também pode desenvolver depressão e/ou ansiedade. Estas condições secundárias podem intensificar e prolongar a dor física, mas a depressão também pode induzir sua própria dor. Em outras palavras, a depressão afeta, mesmo na ausência de qualquer dor física precedente, e tem sido associada a sintomas somáticos como dor corporal geral³.

Uma maneira de demonstrar que o corpo e a mente sentem dor da mesma maneira é procurar ativação compartilhada no cérebro. O segundo componente é de particular interesse, o aspecto emocional da dor física. Muitos estudos fMRI (imagem por ressonância magnética funcional, do inglês: Functional Magnetic Ressonance Imaging) demonstraram que os sentimentos desagradáveis e dolorosos da dor física são processados no Córtex Cingulado Anterior Dorsal e na Ínsula Anterior(4).

A questão importante aqui é: a dor emocional/psicológica ativam essas mesmas áreas, Córtex Cingulado Anterior Dorsal e na Ínsula Anterior? Isso é exatamente o que o laboratório de Eisenberger encontrou ao longo de uma série de estudos (5). Para induzir a dor emocional nos participantes enquanto permaneciam ainda no varredor do fMRI, os investigadores tinham que jogar um jogo de computador do “Cyberball”, jogando uma esfera virtual a outros jogadores. O participante foi por vezes incluído no jogo Cyberball e outras vezes excluído – semelhante a ser rejeitado de um grupo social. E, de fato, ser excluído do jogo foi associado com maior ativação no Córtex Cingulado Anterior Dorsal e na Ínsula Anterior, as mesmas áreas envolvidas na dor física. Resultados semelhantes foram mostrados em outros estudos realizados em diferentes laboratórios (6).

Como os pesquisadores sabiam que os participantes se sentiram rejeitados quando não conseguiram a bola virtual? Perguntando-lhes; E quanto mais forte um participante sentia dor emocional (por exemplo, “eu me sentia sem sentido”), maior a atividade nas áreas do cérebro associadas com o componente afetivo da dor física. Esta correlação positiva entre maior atividade no Córtex Cingulado Anterior Dorsal e/ou na Ínsula Anterior e maior distensão emocional auto-referida em resposta à exclusão social também foi encontrada em estudos subsequentes (7).

Pessoas diferentes reagem de forma diferente à dor emocional? Alguns são mais sensíveis?

Absolutamente. A quantidade de apoio emocional disponível durante um evento socialmente doloroso reduz a atividade nessas áreas relacionadas à dor cerebral(8). Outro estudo mostrou um aumento da angústia emocional em pessoas que anseiam aceitação e que procuram sugestões que sinalizam qualquer possibilidade de rejeição (também conhecido como o estilo de apego ansioso) (9).

Há também diferenças individuais que decorrem de variações genéticas no processamento da dor física. Por exemplo, foi demonstrado que um polimorfismo num gene de receptor opioide está associado com sensibilidade à dor física. Indivíduos que carregam o raro alelo G têm uma maior sensibilidade à dor física e requerem mais medicação para para lidar com a dor(10).

Os portadores do alelo G são também mais sensíveis à dor emocional?

Isso é exatamente o que um estudo descobriu: Os participantes que levaram o alelo G obtiveram maior pontuação em uma medida de sensibilidade à rejeição e mostraram maior ativação no Córtex Cingulado Anterior Dorsal e na Ínsula Anterior durante o jogo de exclusão social em comparação com aqueles que não carregaram o alelo G (11).

Sim, dor emocional é dor de verdade

Isto explica porque as pessoas sob a aflição emocional se auto-medicam com álcool, medicamentos prescritos, drogas ilícitas, ou mesmo relacionamentos insalubres. De fato, em um estudo, os pesquisadores descobriram que quando os participantes tomaram Tylenol durante um período de três semanas, eles relataram menos dano durante esse período, em comparação com aqueles que tomaram um placebo. Além disso, os participantes que tomaram Tylenol mostraram menos ativação no Córtex Cingulado Anterior Dorsal e na Ínsula Anterior para a rejeição social em um estudo fMRI em comparação com aqueles que tomaram um placebo(12).

Este circuito de cérebro compartilhado para dor emocional e física tem implicações para a educação, trabalho e relacionamentos. Quando as crianças são intimidadas pela exclusão e rejeição, elas estão realmente em dor. Quando os colegas de trabalho frequentemente excluem outros colegas de convites para o almoço, isso faz mal. Receber críticas e rejeição no trabalho, escola ou de pais, realmente dói. E, claro, a agressão pode ser voltada para dentro e se manifestar como uma doença mental. Alguns grupos minoritários podem ser excluídos da sociedade dominante; Outros podem compartilhar a mesma experiência de um subproduto ou pertencer a uma classe socioeconômica baixa. E eles continuam com dor…

Texto de Marwa Azab publicado originalmente em Psychology Today – com tradução e livre adaptação de Thálitha Miranda especial para o Portal Raízes.

Referências

(1) Eisenberger, N. I. (2012). Psychosomatic Medicine, 74(2):126-135. (a review)

(2) Treede RD, Kenshalo DR, Gracely RH, Jones AKP. The cortical representation of pain. Pain. 79:105–111.

(3) Trivedi, M. H. (2004). The Link Between Depression and Physical Symptoms. Primary Care Companion to The Journal of Clinical Psychiatry, 6(suppl 1), 12–16.

(4) Peyron R, Laurent B, Garcia-Larrea L. Functional imaging of brain responses to pain. (2004). A review and meta-analysis. Neurophysiology Clin.30:263–88. (a review & meta-analysis)

(5) Eisenberger NI, Lieberman MD, Williams KD. (2003). Does rejection hurt: An fMRI study of social exclusion. Science. 2003; 302:290–2. First ever study to look at social pain in the brain

(6) Gunther Moor B, Guroglu B, Op de Macks ZA, Rombouts SARB, Van der Molen MW, Crone EA. (2012). Social exclusion and punishment of excluders: Neural correlates and developmental trajectories.

(7) Masten CL, Eisenberger NI, Borofsky L, Pfeifer JH, McNealy K, Dapretto M. (2009). Neural correlates of social exclusion during adolescence: Understanding the distress of peer rejection. Social Cognitive and Affective Neuroscience.

(8) Masten, C. L., Telzer, E. H., Fuligni, A. J., Lieberman, M. D., & Eisenberger, N. I. (2012). Time spent with friends in adolescence relates to less neural sensitivity to later peer rejection. Social Cognitive and Affective Neuroscience, 7(1), 106–114. http://doi.org/10.1093/scan/nsq098

(9) DeWall CN, Masten CL, Powell C, Combs D, Schurtz DR, Eisenberger NI. (2012). Does the pain of rejection depend on attachment style? An fMRI study. Soc Cogn Aff Neuro.

(10) Coulbalt L, Beaussier M, Verstuyft C, Weikmans H, Dubert L, Trégouet D, et al. (200). Environmental and genetic factors associated with morphine response in the postoperative period. Pharmacogenet Gen. 79:316–24.

(11) Way BM, Taylor SE, Eisenberger NI. (2009). Variation in the mu-opioid receptor gene (OPRM1) is associated with dispositional and neural sensitivity to social rejection. P Natl Acad Sci. 106:15079–84.

(12) DeWall CN, MacDonald G, Webster GD, Masten CL, Baumeister RF, Powell C, Combs D, Schurtz DR, Stillman TF, Tice DM, Eisenberger NI. (2010). Acetaminophen reduces social pain: Behavioral and neural evidence. Psychol Sci. 21:931–7.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Thalitha Miranda

Thálitha Miranda, designer gráfico. Diz que nunca consegue tomar uma decisão que seja para sempre, mas adora tatuagens. Tatuagem é pra sempre?


COMENTÁRIOS