Menina fazendo birra

10 pontos positivos da birra e o que fazer quando isso acontece?

Portal Raízes

As birras da criança são um dos aspectos mais desafiadores da educação familiar. Nós tendemos a nos sentir como bons pais quando nossas crianças são sorridentes e à vontade, mas podemos nos sentir impotentes e oprimidos quando eles estão deitados no chão, chutando e gritando. No entanto, acredite ou não, as birras da criança são uma parte importante da saúde emocional e bem-estar da nossa criança, e podemos aprender a ser mais calmo diante deles. Aqui estão 10 razões importantes pelas quais a birra da criança é realmente uma coisa boa.

1. Alivia o estresse da criança

As lágrimas contêm cortisol, o hormônio do estresse. Quando choramos, estamos literalmente liberando o estresse de nossos corpos. Descobriu-se que as lágrimas diminuem a pressão arterial e melhoram o bem-estar emocional, desde que haja alguém próximo por perto. Você pode ter notado que quando seu filho está à beira de uma birra, nada está certo. Ele está com raiva, frustrado ou choramingando. Você também deve ter notado que depois que a tempestade passou, ele fica de muito bom humor. Ajuda se deixarmos nossos filhos fazerem birras sem tentar interromper o processo para que cheguem ao fim de seus sentimentos. “O choro da birra não é um chorar de dor, mas faz parte do processo de se tornar ileso numa conquista”, explica Deborah MacNamara, Ph.D., educadora e autor de Rest, Play, Grow: Fazendo sentido de pré-escolares.

2. Chorar ajudar a criança a aprender a acalmar os pensamentos

Há alguns anos, eu trabalhava como babá para uma criança de 5 anos. Ele estava construindo com alguns Legos e começou a ter uma birra porque ele ficou preso. No entanto, depois de ter a birra, ele se sentou e consertou a estrutura de Lego. Eu vi muitos momentos como este, onde uma criança está lutando e expressando sua frustração ajuda-os a limpar suas mentes para que eles possam aprender algo novo. “Aprender é tão natural para as crianças quanto respirar”, diz Patty Wipfler, fundadora da Hand in Hand Parenting . “Mas quando uma criança não é capaz de se concentrar ou ouvir, geralmente há um problema emocional que está bloqueando o progresso dela”. A pesquisa sugere que, para que a aprendizagem ocorra, a criança deve estar feliz e relaxada, e expressar problemas emocionais faz parte desse processo.

3. Seu filho pode dormir melhor

Frequentemente, os problemas do sono ocorrem porque nós, os pais, achamos que a melhor abordagem para as birras e transtornos é tentar evitá-los. Então, as emoções reprimidas de uma criança se elevam quando seu cérebro está em repouso. Assim como os adultos, as crianças também acordam porque estão estressadas ou tentando processar algo que está acontecendo em suas vidas. Permitir que seu filho chegue ao fim de sua birra melhora seu bem-estar emocional e pode ajudá-la a dormir durante a noite.

4. Você disse “não” e ela aprenderá limites

É provável que a birra do seu filho seja porque você disse ‘não’. E isso é uma coisa boa! Dizer “não” dá ao seu filho limites claros sobre comportamentos aceitáveis ​​e inaceitáveis. Às vezes podemos evitar dizer “não” porque não queremos lidar com as consequências emocionais, mas podemos nos manter firmes com nossos limites enquanto ainda oferecemos amor, empatia e abraços. Dizer “não” significa que você não tem medo do lado confuso e emocional da maternidade/paternidade.

Na maioria dos casos, as crianças não estão usando birras para nos manipular ou conseguir o que querem. Muitas vezes seu filho está aceitando o não, e a birra é uma expressão de como ele se sente sobre isso. Você pode ficar firme com o não e ter empatia com a tristeza dele. A insatisfação com o biscoito quebrado ou com as meias de cor erradas é apenas um pretexto, e é o amor e a conexão de que ele realmente precisa.

6. As birras aproximam mais a criança dos pais

Pode ser difícil acreditar na hora, mas observe e espere. Seu filho zangado pode não parecer que ele goste de você estar lá, mas ele gosta. Deixe-o atravessar a tempestade de seus sentimentos sem tentar parar ou ‘consertá-los’ . Não fale demais, mas ofereça algumas palavras tranquilizadoras. Ofereça abraços. Seu filho absorverá sua aceitação incondicional e se sentirá mais próximo de você depois.

7. As birras ajudam o comportamento do seu filho a longo prazo

Às vezes, as emoções das crianças surgem de outras formas, como agressão, dificuldade em compartilhar ou recusar-se a cooperar em tarefas simples, como vestir-se ou escovar os dentes. Estes são todos os sinais comuns de que seu filho está lutando com suas emoções . Mas depois de uma grande birra, o seu filho sentirá que liberou os sentimentos que poderiam atrapalhar seu eu natural e cooperativo.

8. Se a birra acontece em casa, há menos chance de acontecer em público

Quando as crianças conseguem expressar plenamente suas emoções, muitas vezes optam por ter seus problemas em casa, onde sentem que os pais estão mais disponíveis para ouvir. “Quanto mais pudermos encontrar tempo e espaço para ouvir os sentimentos de perturbação de nosso filho em casa, os poucos, os sentimentos reprimidos que eles carregam consigo em cada excursão vão se aflorando e ele vai se percebendo que pode se expressar e confiar em seus pais”, diz Michelle Pate, instrutora de pais e gerente de programas da Hand in Hand Parenting.

9. Seu filho está fazendo algo que a maioria das pessoas esqueceu como fazer 

Conforme seu filho cresce, ele chorará menos. Em parte isso está amadurecendo e aprendendo a regular suas emoções. Em parte, ele está aprendendo a se encaixar em uma sociedade que não aceita muito a exposição emocional. Quando adultos, ficam com raiva ou estressados é porque precisamos de um bom choro também! É difícil para os adultos, e particularmente para os homens, encontrar a sensação de segurança e conexão para realmente deixar de lado nossos sentimentos. Então deixe o seu filho ter aquela birra que melhora o humor enquanto suas emoções ainda fluem livremente.

10. As birras também estão curando você

Quando estamos presentes para a birra de nosso filho, isso gera grandes sentimentos em nós. Quando éramos jovens, nossos pais podem não ter ouvido nossas explosões com empatia. O transtorno de nosso filho pode desencadear lembranças de como fomos tratados, das quais podemos nem estar conscientes. A empatia pode ser um caminho de cura para os nossos próprios desafios emocionais quando temos apoio e uma chance de sermos ouvidos por nós mesmos.

Depois de momentos emocionais com seu filho, dedique um tempo para praticar o autocuidado, converse com um amigo, dê boas risadas e talvez chore. Ficar calmo requer prática, mas quando conseguimos religar os nossos cérebros as nossas emoções afetivas, nos tornarmos pais mais calmos e mais pacíficos.

Texto de Kate Orson, educadora de pais em Basel, na Suíça, e autora de Tears Heal: How to Listen to Our Children. Tradução e livre adaptação Portal Raízes

Leia mais estudos sobre este assunto:

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Portal Raízes
Portal Raízes Jornalismo Cultural

COMENTÁRIOS