Todas as crianças reagem de forma diferente à notícia do divórcio de seus pais, mas, segundo o psicoterapeuta Leo Fraiman (capa), 100% delas se sentem culpadas – como se elas fossem a razão de seus pais estarem se separados e esse sentimento de ser alguém que prejudicou ou que não foi capaz manter a ‘alegria’ dos outros, pode acompanhar a criança até a vida adulta:

“100% dos filhos se sentem culpados (em algum momento) pela separação dos pais.
Essa culpa ocorre e permanece, inclusive, no adulto. Como consequência, o indivíduo se fecha com os amigos, se deprime e se culpa. Mas tal condição não precisa perdurar a vida toda, porque o ser humano sempre pode se reinventar e ele consegue sair dessa situação ruim com uma boa psicoterapia, com boas leituras/séries etc”, disse Leo Fraiman, durante entrevista ao programa Todo Seu.

Por que as crianças se sentem culpadas quando os pais se divorciam?

As crianças não nascem sabendo as regras pelas quais devem viver e durante seus primeiros anos de aprendizado, elas recebem “a culpa” pela maioria de suas experiências desagradáveis. Portanto, é natural que ela também se sinta culpada pelo atrito entre os pais. As crianças inicialmente se sentem mal consigo mesmas e a partir daí fica muito difícil mudar seu sentimento de culpa, porque eles se tornaram sua posição padrão quando os pais estão aborrecidos. É difícil para a criança culpar seus pais porque o pai é sua fonte de comportamento correto. Afinal, não foi o pai que ensinou a criança a seguir as regras corretas? A criança pode, mesmo que de forma inconsciente, indagar-se: “Como meus pais podem ser culpados? Isso só pode ser minha culpa”.

O que os pais podem fazer?

Em primeiro lugar, os pais devem concordar que o bem-estar da criança é primordial. Então é importante que ambos (juntos, se possível) deem à criança, além de respaldo material, ferramentas psíquicas apropriadas à sua idade, para que ela possa entender o divórcio. Pode ser algo tão simples como “mamãe e papai não podem viver juntos, mas nós dois amamos você e continuaremos a cuidar de você”. A declaração de estrutura, é claro, será muito diferente para uma criança de 6 anos do que para uma criança de 16 anos. Explique à criança que é escolha dos pais e não é culpa deles. Você terá mais sucesso se tiver essa conversa mais de uma vez.

Agora que você deu uma estrutura à criança, peça-lhe que lhe diga com suas próprias palavras por que seus pais estão se divorciando. Isso permitirá que você veja quão bem sua explicação foi absorvida. A criança de 5 anos entenderá o divórcio e a responsabilidade com a mente de uma criança de 5 anos. No entanto, quando eles têm 6 anos e sua compreensão do mundo e da causalidade mudou um pouco, eles precisarão ouvir novamente por que seus pais são divorciados e que eles não tiveram nenhum papel a desempenhar e, portanto, não há espaço para culpa. Este processo pode ter que ser repetido e modificado para a criança até o ensino médio.

É muito importante compreender que se a tendência da criança de se culpar pelos problemas, não for reconhecida e amparada por seus responsáveis, será transportada em sua bagagem psicoemocional até a vida adulta e isso lhe trará problemas em seus relacionamentos, sejam afetivos ou de trabalho. Por isso, não tenha nenhum receio em buscar a ajuda de um profissional da educação parental. Informe-se com o seu psicoterapeuta.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.