Os jovens de todo o mundo são mais propensos do que os mais velhos a se sentirem deprimidos e ansiosos, segundo uma pesquisa global, mas eles também são mais esperançosos, 57% acredita que a cada geração o mundo se torna melhor para envelhecer.

A UNICEF, agência das Nações Unidas para ajuda humanitária às crianças, fez parceria com a empresa de pesquisas Gallup para pesquisar mais de 22.000 pessoas de 21 países entre janeiro e junho de 2021. Metade tinha entre 15 e 24 anos, enquanto a outra metade tinha 40 ou mais velhos, permitindo que os analistas comparem como as diferentes gerações se sentiam umas pelas outras e pelo mundo ao seu redor.

36% dos jovens disseram que “muitas vezes” se sentiam nervosos, preocupados ou ansiosos, em comparação com 30% dos idosos. Os jovens também eram mais propensos do que os mais velhos a dizerem que muitas vezes se sentiam deprimidos ou tinham pouco interesse em fazer as coisas, 19% em comparação com 15%.

“Há muito mais incerteza do que nunca”, disse uma jovem asiática-americana de 24 anos em uma entrevista anônima ao UNICEF. Ela reconheceu que lutou contra sentimentos suicidas: “Não é tanto por imaginar como o mundo vai acabar”, disse ela – “é tipo, como o mundo está mudando? E como, e se, podemos acompanhá-lo?”.

A COVID-19 devastou a saúde mental de jovens em todo o mundo

O aumento do estresse e da ansiedade entre os jovens tem muitas razões potenciais. A pandemia do COVID-19, é claro, foi uma grande fonte de angústia. A pesquisa apoia outras descobertas de que a COVID-19 devastou a saúde mental de jovens em todo o mundo. Um estudo publicado em outubro no The Lancet estimou que o COVID-19 levou a 53 milhões de casos adicionais de transtorno depressivo maior e 76 milhões de casos de transtornos de ansiedade em todo o mundo. Os jovens foram mais afetados do que os idosos e as mulheres mais do que os homens.

“Eu literalmente parei de pensar no meu futuro porque nossa escola e os exames não estão sendo realizados há muito tempo”, disse uma menina de 15 anos de Bangladesh. “Eu parei de sonhar.”

No Quênia, outra adolescente disse que o COVID-19 causou perdas generalizadas de empregos e fechou escolas. Ela estuda à luz de uma lâmpada de parafina porque não pode pagar a eletricidade.

57% dos jovens acredita que a cada geração o mundo se torna melhor

Ao mesmo tempo, no entanto, os jovens da pesquisa do UNICEF também são muito mais propensos a expressar esperança para o futuro. 57% dos jovens pesquisados concordaram que “o mundo está se tornando um lugar melhor a cada nova geração”. Apenas 39% dos idosos sentiram o mesmo.

“No Ocidente, há essa ideia de que os jovens de hoje estão sobrecarregados com todas as coisas ruins que acontecem no mundo e há essa sensação de desgraça e melancolia – mas a pesquisa mostrou que eles estão bastante otimistas”, disse Laurence Chandy, diretor do Escritório de Global Insight and Policy na UNICEF.

A Indonésia, que viu seu produto interno bruto per capita crescer sete vezes desde 1998 , destacou-se como o país mais otimista pesquisado. Oitenta e dois por cento dos indonésios mais jovens e 78% dos idosos concordaram que o mundo está melhorando a cada nova geração.

A Indonésia apoia a crença no poder das novas gerações

A história da Indonésia apoia essa crença no poder das novas gerações, diz Clara Evi Citraningtyas (capa), reitora da Faculdade de Humanidades e Negócios da Universitas Pembangunan Jaya. Os jovens sempre desempenharam um grande papel nos movimentos de reforma indonésios, como os protestos estudantis de 1998 que levaram à queda do ditador Suharto.

“Ao longo da história da Indonésia, foi a juventude/geração jovem que trouxe grandes mudanças”, disse Citraningtyas, que estudou como os jovens indonésios responderam à pandemia.

No entanto, ao mesmo tempo, 37% dos jovens indonésios disseram que muitas vezes se sentiam ansiosos ou preocupados. Não é o único país a experimentar altos níveis de otimismo e ansiedade: nos EUA, os jovens têm duas vezes mais chances do que os mais velhos de dizer que muitas vezes se sentem ansiosos (50% versus 24%), mas uma parcela ainda maior de jovens pessoas, 67%, dizem que o mundo está melhorando.

“Acho que chegamos muito longe como sociedade. E embora ainda haja um longo caminho a percorrer, acho que muitos jovens de hoje estão apontando na direção certa”, disse uma menina de 15 anos, da Flórida.

Hoje é mais aceito que as crianças e os jovens expressam seus pensamentos, emoções e sentimentos

Embora seja preocupante que os jovens sintam tanta ansiedade, também pode ser um sinal de que eles estão simplesmente mais abertos a falar sobre saúde mental.

“Na escola, temos cursos de saúde mental onde os jovens falam sobre como é normal se sentir deprimido e é normal se sentir ansioso e triste. E se você precisar de ajuda, não é algo que você deveria se envergonhar”, disse um adolescente americano.

Tanto adolescentes quanto adultos de todo o mundo concordaram que a geração de hoje é diferente quando se trata de falar abertamente sobre seus sentimentos.

“As pessoas estão mais abertas para falar sobre diferentes assuntos”, disse uma menina de 15 anos da Argentina . “É mais aceito agora que as crianças e adolescentes se expressem e opinem”.

Um homem de 63 anos da zona rural de Bangladesh disse a entrevistadores que em sua época viu vizinhos morrendo de fome. As crianças apanhavam se pedissem às suas famílias algo que não pudessem fornecer. Agora, as crianças em seu país não vivem mais em uma pobreza tão extrema. Eles não têm medo de expressar seus sentimentos e desejos.

“Nunca pedi nada para minha avó ou meu tio. Costumávamos viver com medo… Mas meus filhos estão pedindo o que quiserem sem hesitar”, disse ele.

O futuro dos que viverão o suficiente para ver os piores efeitos da mudança climática 

Pode parecer que a mudança climática também seria uma fonte de ansiedade para os jovens, já que eles provavelmente viverão o suficiente para ver seus piores efeitos. No entanto, a equipe do UNICEF revelou que ficou surpresa ao descobrir que em muitos países, especialmente os mais pobres, a maioria das pessoas nem sabia o que significa a expressão “mudança climática”. Na Nigéria, por exemplo, 88% dos jovens não souberam definir ou não ouviram falar do termo.

Os entrevistados em países mais ricos tinham mais conhecimento e preocupação com as mudanças climáticas – mas também algumas divisões geracionais. Nos EUA, o segundo maior emissor de carbono do mundo, 62% dos jovens – mas apenas 43% dos idosos – acham que o governo deveria tomar medidas significativas sobre as mudanças climáticas. No Reino Unido, ambas as gerações estão unidas na crença de que o governo precisa agir.

Jovens em todo o mundo concordam que a internet é uma grande fonte de angústia

A tecnologia também tem um grande efeito na saúde mental. Jovens e idosos de todo o mundo concordam que a internet é uma grande fonte de angústia para os jovens, tornando-os isolados e solitários.

“Ninguém sai de casa, as pessoas vivem fechadas com seus computadores, com a internet. A infância era melhor antigamente”, disse um argentino de 40 anos.

Uma garota com menos da metade da idade do argentino e que vive do outro lado do planeta, em Bangladesh, teve basicamente os mesmos sentimentos.

“Ninguém sai de casa, pois todos são acessíveis através da mídia social”, disse ela. “Eu nem saio do nosso portão principal. Mas na época da infância dos meus pais eles brincavam juntos nos quintais”.

Ao mesmo tempo, os jovens dizem que a tecnologia também pode ser uma fonte de imensa alegria e conexão. E a reflexão que devemos colocar em evidência, é a feita pela jovem asiática de 24 anos: “Não é tanto por imaginar como o mundo vai acabar. É como o mundo está mudando? E como, e se, podemos acompanhá-lo?”.

 

 

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.