Com uma carreira de 25 anos no FBI como agente especial e supervisor em contra inteligência e contraterrorismo, como membro fundador da Unidade de Análise Comportamental de elite do FBI e como autor do best-seller internacional “O que cada corpo está dizendo”(What Every Body is Saying),  Joe Navarro, em entrevista à revista Forbes, falou sobre 7 traços comuns entre as pessoas quando elas estão mentindo. Confira:

Quando perguntado sobre os verdadeiros segredos – não as coisas padrão sobre tocar o nariz ou olhos evasivos, que todo mundo sabe que são sinais de que alguém está mentindo, Navarro respondeu:

“Esses são mitos de engano. Eles não têm nada a ver se a pessoa está mentindo. Pessoas sob estresse podem tocar mais o nariz, mas isso é apenas por causa da situação. Também sabemos que os mentirosos fazem maior contato visual do que as pessoas verdadeiras. Eles querem ter certeza de que você acredita neles, por isso olham mais para você”.

Não há efeito Pinóquio

“Não há um único comportamento indicativo de engano – não há efeito Pinóquio. Existem comportamentos que são indicativos de desconforto psicológico, ansiedade ou angústia, mas podem ser por causa do cenário (testemunhar perante o congresso) ou por causa do entrevistador (não gostar de autoridade) ou talvez as perguntas sejam intrusivas. Também pode ser porque a pessoa está mentindo ou tem conhecimento culpado. De qualquer forma, o melhor que podemos fazer é procurar comportamentos que gritem que algo está incomodando essa pessoa quando faço uma pergunta. No minuto em que sinto desconforto, me pergunto por quê”.

Navarro detalha os seis comportamentos-chave a serem observados

1. Compressão labial

“No instante em que nossos lábios se comprimem, geralmente há algo negativo acontecendo. Muitas vezes vemos isso com pessoas testemunhando”.

2. Comportamentos de ventilação

“Enquanto você está fazendo uma pergunta, ou respondendo uma pergunta, a pessoa faz um som como se expulsasse. Esse gesto é um forte indicador de desconforto psicológico”.

3. Toque no pescoço

“Tocar o pescoço, especialmente a incisura supra-esternal (covinha do pescoço) – algo que fazemos quando estamos ansiosos ou nervosos ou com medo. Os homens mascaram isso tocando na gravata”.

4. Virando o corpo para longe

“Negação ventral – um termo que criei. É frequentemente usado quando um tópico se torna difícil de falar ou é controverso. É um comportamento de distanciamento. As pessoas vão fazer isso sutilmente, parecendo que estão apenas se mexendo na cadeira, mas o que elas acabam fazendo é virar para que suas barrigas fiquem longe, até mesmo cruzar uma perna para que aja como uma barreira, enquanto ainda faz contato visual. É muito preciso quando a pessoa faz o comportamento imediatamente depois de fazer uma pergunta difícil”.

5. Toque nos olhos

“Muitas vezes tocamos os olhos quando alguma pergunta nos incomoda. É muito preciso comunicar que há problemas aqui – novamente, o problema é por que há um problema – mas você costuma vê-lo quando alguém discorda de algo que é dito ou quando diz algo intencionalmente impreciso. Como eu disse anteriormente, não há efeito Pinóquio, mas esse é um comportamento frequentemente visto quando somos incomodados por algo. Aliás, é tão preciso que quando estudei crianças nascidas cegas e que nunca viram, elas cobrem os olhos quando ouvem coisas que não gostam”.

6. Abaixar ou esconder os polegares

“Um gesto que as pessoas nunca procuram, mas é muito preciso, é quando alguém diz com empatia que algo é verdadeiro ou é muito detalhado, mas não vemos os polegares dela. Abaixar os polegares, ou até esconder os polegares entre os dedos, comunica inseguranças ou falta de compromisso. Isso, novamente, nos diz que há um problema porque, por um lado, somos verbalmente enfáticos, mas por outro lado, nosso corpo não está concordando. Queremos ver os polegares para cima quando alguém está enfatizando algo. Quanto mais polegares para cima e mais afastados, mais enfática é a pessoa, portanto, mais precisa”.

7. Padrões na fala

Além dos comportamentos da linguagem corporal, há também certos padrões de fala dignos de uma análise mais aprofundada. Normalmente, você teria uma ideia sobre a personalidade e o estilo da pessoa com quem está lidando, portanto, avaliar se há uma mudança repentina nos comportamentos ou nos padrões de fala não seria um grande desafio. Mas, se você estiver encontrando um estranho ou alguém com quem você não está muito familiarizado, você precisa elaborar uma linha de base, como o FBI faz.

“Acalmamos as pessoas no início para obter uma linha de base de comportamentos para que possamos ver como elas são com o mínimo de estresse possível. Dessa forma, ao fazer o benchmarking deles, podemos ver quando eles mudam seus comportamentos em relação a uma pergunta. Alguns podem começar a falar mais rápido, suas vozes podem ficar mais agudas ou começam a cometer mais erros de fala, como hum, ah, tosse etc.

Além disso, os mentirosos querem convencer em vez de apenas transmitir como a maioria das pessoas honestas fazem. Então, às vezes, eles repetem as coisas várias vezes para ter certeza de que são acreditadas. Suas palavras faladas tornam-se fracas no início de uma declaração ou no final”.

Nota muito importante:

É preciso que você compreenda que, acima de tudo, é preciso se colocar sempre no lugar do outro e que ninguém tem o direito de fazer pré-julgamentos. Toda pessoa é única e todas as coisas que a envolvem podem interferir em seu comportamento: contextualização cultural, religiosa, social, saúde física, mental, emocional, bem como seu histórico de vida, seus medos, traumas e leituras de mundo. Portanto, como vê, este artigo é apenas informativo e tem intenção de corroborar com julgamentos preconceituosos. Busque sempre a ajuda de um especialista.

Dá redação de Portal Raízes

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.