Ouvir alguém reclamar, mesmo que seja você mesmo, nunca fez bem. Algumas pessoas dizem que reclamar é uma catarse; uma maneira de descarregar emoções e experiências negativas. Olhar atentamente ao que o ‘ato de reclamar’ faz para o cérebro nos dá motivos reais para lutarmos por um estado de espírito positivo e eliminarmos o blá-blá-blá improdutivo de nossas vidas.

Steven Parton, cientista e filósofo norte-americano, examinou a forma como as reclamações – tanto geradas por você mesmo ou vindas de outros –  afetam o cérebro e o corpo. Este estudo nos ajuda a entender por que algumas pessoas não conseguem sair de um estado negativo. Sua teoria mostra que a negatividade e a reclamação realmente alteram fisicamente a estrutura e função da mente e do corpo.

Falar muito e reclamar nunca acalmou uma tempestade

O professor Leandro Karnal, em sua página no Facebook fez a seguinte reflexão:

“Lutar contra injustiças é bom. O silêncio diante do mal pode ser cumplicidade. Porém… existe a irritante autopiedade, um coitadismo que manifesta pena de si, sem ação concreta. São dois mundos: um é o que identifica o problema e parte para a luta; outro é o que reclama sem parar e quer que todos notem como é infeliz. Ria mais de si, torne suas dores alavancas, evite o excesso de dramas narrativos e, acima de tudo, busque uma solução. Institua o dia de hoje como ‘um dia sem reclamar’ e veja a diferença. Lembre-se: falar muito e reclamar nunca acalmou uma tempestade”.

Quando você reclama sempre, você desiste de sua capacidade de mudar as coisas

O efeito que a reclamação tem sobre o próprio indivíduo é devastador. Esta linha de raciocínio científico se estende até a dinâmica entre duas pessoas. É a explicação cientifica de como a reclamação joga as pessoas para baixo.

Os chamados “neurônios-espelho” garantem que aprendamos com o meio em que vivemos. Também são estes os elementos bioquímicos essenciais da empatia. O cérebro relaciona-se com o que a outra pessoa se expressa.  A nossa porção empática responde “vivenciando” essa emoção como uma tentativa de se relacionar e compreender o drama que se desenvolve no mundo exterior.

Quando alguém derrama um caminhão de fofocas, de negatividade e drama vitimista em cima de você, tenha a certeza de que está sendo afetado bioquimicamente no sentido de afetar as suas chances ser feliz. Se exposto a este tipo de explosão emocional o resultado é o estresse. Sabemos que o estresse mata, portanto reclamação e negatividade contribuem  decisivamente para a sua morte antecipada.

Steve Parton diz ainda que essa perspectiva é “a ciência da felicidade”. E o hábito de reclamar constantemente oferece um estudo favorável  à ligação entre o poder do pensamento e a capacidade de controle que uma pessoa pode ter sobre a criação de sua realidade tridimensional.

“Se você está sempre reclamando e menosprezando o seu próprio poder de discernir e enfrentar a realidade, você automaticamente desiste de sua capacidade de mudar as coisas para melhor. Assim, você nunca muda”.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.