A ciência explica porquê não gostamos de novas músicas quando envelhecemos

Portal Raízes

É provável que quando éramos adolescentes, nossos pais nos disseram que a música que ouvíamos era “barulhenta”. Eles não gostavam. E eles não entendiam como podíamos gostar daquelas músicas. Com o tempo, quando chegamos aos 40, começamos a pensar que “já não se faz mais músicas boas como antigamente” e nos tornamos mais apegados a cantores e músicas conhecidas.

Nossos gostos musicais começam a se cristalizar na adolescência, quando temos entre 13 ou 14 anos, conforme revelado por uma análise realizada pelo The New York Times com base na música que os usuários ouvem no Spotify.

Quando atingimos a idade de 20 anos, nossos gostos musicais são praticamente bloqueados com bastante firmeza e, aos 33 anos, a maioria das pessoas parou de ouvir e procurar novas músicas. A partir dessa idade, preferimos reviver a trilha sonora das duas décadas anteriores de nossa vida. Isso significa que é provável que as músicas mais populares de nossa adolescência e juventude continuem sendo as preferidas pelo resto de nossas vidas ou, pelo menos, lhe dediquemos um lugar especial em nossa memória musical.

A partir dos 40 anos, para o nosso cérebro tudo começa a soar mais ou menos igual

Existe uma explicação neurocientífica para a nossa relutância em novas músicas. Um estudo realizado na Universidade de Manchester revelou que a capacidade do cérebro de distinguir entre certos sons diminui à medida que envelhecemos.

Esses pesquisadores recrutaram dois grupos de pessoas: um composto por pessoas com mais de 40 anos e outro composto por pessoas mais jovens. Cada grupo teve que descrever o quão agradáveis ​​pareciam ser vários pares de notas tocadas em uma escala, enquanto registrava suas respostas neurais.

As pessoas idosas descobriram que acordes consoantes (aqueles que têm tons que combinam e são mais confortáveis) eram menos agradáveis ​​e acordes dissonantes (aqueles que parecem mais irritantes e bagunçados) eram mais agradáveis, em comparação com os jovens.

O fato de a percepção de consonância e desarmonia ser bastante reduzida significa que eles têm uma faixa média de audição mais restrita. Em resumo, à medida que envelhecemos, músicas novas e menos familiares começam a soar iguais para nós, e é por isso que somos mais relutantes em relação a elas.

Efeito de exposição: Diga-me o quanto você ouviu uma música e eu direi o quanto você vai gostar

É claro que não podemos culpar apenas o cérebro de nossa “antipatia” por novas músicas. O efeito da mera exposição é outro motivo convincente. É um fenômeno que explica que, quanto mais nos expomos a uma situação, mais familiar ela é para nós e mais gostamos.

Quando estamos na adolescência e na juventude, ouvimos muita música, para que alguns cantores, grupos e músicas se tornem parte da trilha sonora daqueles anos, eles se tornam familiares e até reconfortantes ao ouvi-los repetidamente.

No entanto, quando entramos nos 30 anos de idade, novas obrigações de trabalho e família reduzem nosso tempo de ócio, de maneira que ficamos impossibilitados de passar horas e horas descobrindo novas músicas muitos menos de nos expor tanto a elas a ponto de torná-las tão familiares quanto canções da nossa adolescência e juventude.

Isso pode fazer com que, se tivermos que escolher entre ouvir músicas novas ou antigas conhecidas, apostamos pela última.

O que a música nos faz sentir também conta

Por último, mas não menos importante, as emoções desempenham um papel essencial em nossa relutância por novas músicas. Um estudo realizado na Universidade McGill descobriu que nossas músicas favoritas ativam as áreas de prazer do cérebro liberando neurotransmissores que nos fazem sentir muito bem, como dopamina, serotonina e ocitocina. E quanto mais gostamos da música, mais intenso será esse efeito.

De fato, foi apreciado que, quando conhecemos uma música, nosso cérebro antecipa alguns milissegundos aos pontos altos da melodia, acionando o coquetel de neurotransmissores que nos inundam. É um tipo de “nostalgia neuronal” que nos faz sentir bem, ativando memórias positivas. Portanto, se tivermos pouco tempo para ouvir música, provavelmente não hesitaremos: escolheremos aquelas músicas familiares que geram essa onda de sensações agradáveis.

Nem tudo está perdido

Toda regra tem sua exceção. Embora seja verdade que, com o tempo, exploremos menos o cenário musical, isso não significa que somos condenados a ouvir as mesmas músicas do passado repetidas vezes. Se nos expormos a novas músicas, manteremos nosso cérebro ativo e poderemos discriminar melhor os sons. Quanto mais música você ouvir, mais receptivos serão os seus neurônios.

Fontes:

  • McAndrew, FT (2019) A psicologia nos diz por que as pessoas mais velhas não gostam de música nova. Em: QZ.
  • Bones, O. & Plack, C. (2015) Perdendo a música: o envelhecimento afeta a percepção e a representação neural subcortical da harmonia musical. O Jornal de Neurociência ; 35 (9): 4071-4080.
  • Blood, AJ & Zatorre, RJ (2001) Respostas intensamente agradáveis ​​à música se correlacionam com a atividade nas regiões do cérebro implicadas em recompensa e emoção. Proc Natl Acad Sci EUA ; 98 (20): 11818-11823.

Texto de Jennifer Delgado Suárez, via Ríncon de La Psicología, traduzido e adaptado por Portal Raízes

__

Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.