Burnout é um estado de exaustão emocional, mental e física causado por estresse excessivo e prolongado. Isso acontece com as pessoas quando se sentem sobrecarregadas e não são mais capazes de atender às demandas constantes que lhes são colocadas. À medida que o estresse continua, eles começam a perder o interesse ou a motivação para funcionar efetivamente em suas vidas diárias.

Burnout pode reduzir a produtividade e a energia, levando a sentimentos de desamparo, desesperança e ressentimento. As pessoas muitas vezes descrevem isso como se não tivessem mais nada para dar.

Nos últimos anos foram tantos os casos de Síndrome de Burnout em todo o mundo, que a OMS oficializou-a como uma enfermidade crônica a ponto de incluí-la na mais recente versão do Código Internacional de Doenças (CID 11). Burnout consta agora da bíblia da saúde, a pessoa por ela acometida tem de ser tratada por especialistas e respeitada pela sociedade em geral – em particular, nos meios profissionais.

Burnout é a síndrome do esgotamento associado ao estresse na rotina de trabalho

Por que? A resposta está em sua origem: a Síndrome de Burnout, que também pode ser chamada de Síndrome do Esgotamento, está intrinsecamente associada à rotina de trabalho. Ela se faz sinalizar pelo sentimento de grande estresse físico e mental, queda brusca na qualidade do serviço executado e, mais importante, pelo fenômeno psiquiátrico da despersonalização — quando o indivíduo cumpre as suas tarefas de forma robotizada e demonstra embotamento afetivo em relação ao grupo no qual vive.

“O trabalhador com Burnout gasta todo o seu estoque de energia biopsíquica e depois fica exaurido”, diz Fábio Scaramboni Cantinelli, chefe de Psiquiatria do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. “O paciente demora muito para restituir a energia que despendeu”.

Pode-se mesurar o alcance da doença pelo índice colhido junto ao INSS: quintuplicou o número de solicitações de auxílio doença, motivados por Burnout, entre março e abril de 2020. O número de pedidos chegou a quinhentos mil. O estresse da pandemia e o decorrente medo da morte é claro que tiverem papel importante nesse astronômico aumento de requisições. Em um país como o Brasil em que a depressão ainda é vista por muita gente como sinônimo de fazer “corpo mole”, é importante a catalogação de Burnout como doença

Burnout pode fazer você se sentir:

  • todo dia é um dia ruim
  • se preocupar com seu trabalho ou vida doméstica é um total desperdício de energia
  • você está exausto o tempo todo
  • a maior parte do seu dia é gasto em tarefas que você acha entorpecentes ou esmagadoras
  • nada do que você faz faz diferença ou é apreciado

Os efeitos negativos do esgotamento podem lançar uma sombra sobre todos os aspectos de sua vida, incluindo sua vida doméstica e social. O esgotamento também pode causar alterações de longo prazo no corpo e no sistema imunológico que o tornam vulnerável a doenças como resfriados e gripes. Por causa de suas muitas consequências relacionadas à saúde, é importante reconhecer e lidar com o esgotamento imediatamente.

Causas de Burnout

Muitas vezes, o esgotamento decorre do estresse causado pelo seu trabalho. Mas quem se sente sobrecarregado e desvalorizado corre o risco de esgotamento, pois não é causado apenas por trabalho estressante ou muitas responsabilidades. Outros fatores contribuem para o esgotamento, incluindo seu estilo de vida e certos traços de personalidade. Exemplos incluem:

Causas de Burnout relacionadas ao trabalho

  • Sentir que você tem pouco ou nenhum controle sobre seu trabalho
  • Falta de reconhecimento ou recompensas por um bom trabalho
  • Expectativas de trabalho pouco claras ou excessivamente exigentes
  • Fazer um trabalho monótono ou sem desafios
  • Trabalhar em um ambiente caótico ou de alta pressão

Causas de Burnout no estilo de vida

  • Trabalhar demais, sem tempo suficiente para relaxar e socializar
  • Espera-se que seja muitas coisas para muitas pessoas
  • Assumir muitas responsabilidades, sem ajuda suficiente de outras pessoas
  • Não dormir o suficiente
  • Falta de relacionamentos próximos e de apoio
  • Tendências perfeccionistas; nada nunca é bom o suficiente
  • Visão pessimista de si mesmo e do mundo
  • A necessidade de estar no controle; relutância em delegar a outros
  • Personalidade tipo A de alto desempenho

Sintomas Físicos e Emocionais de Burnout

Burnout é diferente de simplesmente se sentir cansado e esgotado. Os sintomas físicos e mentais podem aumentar rapidamente, deixando você se sentindo impotente para lidar com as situações cotidianas. As pessoas que sofrem de burnout podem reconhecer os seguintes sinais e sintomas:

  • Sentindo-se cansado e esgotado a maior parte do tempo
  • Imunidade reduzida
  • Dores de cabeça frequentes, dores nas costas, dores musculares
  • Mudança no apetite ou hábitos de sono
  • Sensação de fracasso e insegurança
  • Sentindo-se impotente, preso e derrotado
  • Desapego, sentindo-se sozinho no mundo
  • Perda de motivação
  • Perspectiva cada vez mais cínica e negativa
  • Diminuição da satisfação e sensação de realização
  • Abandono de responsabilidades
  • Isolando-se dos outros
  • Procrastinar, demorar mais para fazer as coisas
  • Usando alimentos, drogas ou álcool para lidar
  • Descarregar suas frustrações nos outros
  • Ignorar o trabalho ou chegar tarde e sair mais cedo

Como prevenir o Burnout

Comece o dia com uma atitude relaxada – tente não acordar com pressa. Passe pelo menos quinze minutos meditando, fazendo alongamentos suaves, ouvindo rádio ou lendo algo que o inspire.

  • Viva bem – quando você faz uma dieta saudável, pratica atividade física regular e descansa a quantidade necessária, você terá energia e resiliência para lidar de forma mais eficaz com as demandas da vida.
  • Não exagere – aprender a dizer “não” quando no fundo você sabe que não tem tempo ou energia para fazer algo permitirá que você se concentre nas coisas que realmente deseja fazer.
  • Faça uma pausa na tecnologia – reserve um tempo todos os dias para se desconectar completamente do seu laptop, telefone e e-mail.
  • Adote um hobby – experimente algo novo e lembre-se de escolher atividades que não tenham nada a ver com o trabalho.
  • Aprenda a gerenciar melhor o estresse – reconheça a diferença entre estresse e esgotamento e encontre maneiras de combater os tempos de teste em sua vida. Existem muitos recursos gratuitos de autoajuda online. Ou você pode conversar com seu médico se estiver considerando fazer psicoterapia ou análise.

Prevenir o burnout vem de cuidar de sua saúde física e mental e tem tudo a ver com um bom equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Leia nossa seção de links úteis para obter mais informações e dicas.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.