Cafeína, o vício invisível: não é cedo ou tarde demais para dizer adeus – Por Michael Pollan

Portal Raízes

Depois de anos começando o dia com um café matinal, seguido por vários copos de chá verde em intervalos e um cappuccino ocasional após o almoço, parei de tomar cafeína. Não era algo que eu queria fazer em particular, mas cheguei à conclusão relutante de que a história que estava escrevendo exigia isso. Roland Griffiths, um dos principais pesquisadores mundiais de drogas que alteram o humor,  responsável por obter o diagnóstico de “abstinência de cafeína”, me disse que não havia começado a entender sua própria relação com a cafeína até que parou de usá-la e conduziu uma série de autoexperimentos. Ele me incentivou a fazer o mesmo.

A cafeína é a droga psicoativa mais usada no mundo

Para a maioria de nós, ser cafeinado em um grau, ou outro, simplesmente se tornou a linha de base da consciência humana. Cerca de 90% dos humanos ingerem cafeína regularmente, tornando-a a droga psicoativa mais usada no mundo e a única que damos rotineiramente até às crianças (geralmente na forma de refrigerantes). Poucos de nós pensam na cafeína como uma droga, muito menos nosso uso diário como um vício. É tão difundido que é fácil ignorar o fato de que ser cafeinado não é uma consciência básica, mas, na verdade, um estado alterado. Acontece que é um estado que praticamente todos nós compartilhamos, tornando-o invisível.

Sintomas da abstinência da cafeína

Os cientistas explicaram, e eu devidamente observei, os sintomas previsíveis da abstinência da cafeína: dor de cabeça, fadiga, letargia, dificuldade de concentração, diminuição da motivação, irritabilidade, angústia intensa, perda de confiança e disforia. Mas por trás dessa rubrica enganosamente branda de “dificuldade de concentração” esconde-se nada menos que uma ameaça existencial ao trabalho do cognitivo. Como você pode esperar produzir algo quando não consegue se concentrar?

O modo de ação da cafeína, ou “farmacodinâmica”, se harmoniza tão perfeitamente com os ritmos do corpo humano que a xícara de café da manhã chega bem a tempo de afastar a angústia mental iminente causada pela xícara de café de ontem. Diariamente, a cafeína se apresenta como a solução ideal para os problemas que ela mesma cria.

Minha experiência com a abstinência de cafeína

No desjejum, em vez do meu habitual “meio café”, pedi uma chávena de chá de menta. E nesta manhã, aquela adorável dispersão da névoa mental que a primeira dose de cafeína traz à consciência nunca chegou. A névoa caiu sobre mim e não se moveu. Não é que me sentisse péssimo – nunca tive uma dor de cabeça grave – mas durante todo o dia senti um certo atordoamento, como se um véu tivesse descido no espaço entre mim e a realidade, uma espécie de filtro que absorvia certos comprimentos de onda de luz e som .

Consegui fazer algum trabalho, mas distraidamente. “Sinto-me como um lápis sem ponta”, escrevi em meu caderno. “Não consigo me concentrar por mais de um minuto”.

Ao longo dos dias que se seguiram, comecei a me sentir melhor, o véu foi levantado, mas ainda não era exatamente eu, e nem o mundo era totalmente. Nesse novo normal, o mundo parecia mais monótono para mim. Eu também parecia mais maçante. As manhãs eram as piores. Passei a ver como a cafeína era essencial para o trabalho diário de nos recompormos após o desgaste da consciência durante o sono. Essa reconsolidação do “eu”, demorou muito mais do que o normal e nunca pareceu completa.

Depois de algumas semanas, as deficiências mentais da abstinência haviam diminuído e eu podia mais uma vez pensar em linha reta, manter uma abstração em minha cabeça por mais de dois minutos e excluir os pensamentos periféricos do meu campo de atenção. Ainda assim, continuei a me sentir como se estivesse mentalmente um pouco atrasado, especialmente quando estava na companhia de bebedores de café e chá, o que, é claro, estava o tempo todo e em toda parte.

Aqui está o que estava faltando: eu sentia falta da maneira como a cafeína e seus rituais costumavam ordenar meu dia, especialmente pela manhã. Os chás de ervas – que quase não são psicoativos – não têm o poder do café e do chá de organizar o dia em um ritmo de altos e baixos energéticos, à medida que a maré mental da cafeína diminui, e diminui, a manhã tornou-se uma bênção.

Cafeína, o vício invisível: não é cedo ou tarde demais para dizer adeus

É verdade que há razão para considerar essas descobertas como uma pitada de sal, apenas porque esse tipo de pesquisa é difícil de fazer bem. O problema é encontrar um bom grupo de controle em uma sociedade em que praticamente todos são viciados em cafeína. Mesmo porque o consenso popular parece ser que a cafeína melhora o desempenho mental (e físico) em algum grau.

E é verdade que a cafeína melhora nosso foco e capacidade de concentração, o que certamente melhora o pensamento linear e abstrato, mas a criatividade funciona de maneira muito diferente. Pode depender da perda de um certo tipo de foco e da liberdade de deixar a mente fora da coleira do pensamento linear.

O poder da cafeína para nos manter acordados e alertas, para conter a maré natural do esgotamento, nos libertou dos ritmos circadianos de nossa biologia e assim, junto com o advento da luz artificial, abriu a fronteira da noite para as possibilidades do trabalho.

Mas como exatamente o café e a cafeína em geral nos tornam mais enérgicos, eficientes e rápidos? Como essa pequena molécula poderia fornecer energia ao corpo humano sem calorias? Poderia a cafeína ser o proverbial lanche grátis ou pagamos um preço pela energia mental e física – o estado de alerta, concentração e resistência – que a cafeína nos dá?

Infelizmente, não há almoço grátis. Acontece que a cafeína apenas parece nos dar energia. A cafeína atua bloqueando a ação da adenosina, uma molécula que se acumula no cérebro ao longo do dia, preparando o corpo para o repouso. As moléculas de cafeína interferem neste processo, impedindo a adenosina de fazer seu trabalho – e mantendo-nos alertas. Mas os níveis de adenosina continuam a aumentar, de modo que, quando a cafeína é finalmente metabolizada, a adenosina inunda os receptores do corpo e o cansaço retorna. Portanto, a energia que a cafeína nos dá é emprestada, com efeito, e, eventualmente, a dívida deve ser paga.

Desde que as pessoas bebem café e chá cafeinado, as autoridades médicas alertam sobre os perigos da cafeína. Altas doses podem produzir nervosismo e ansiedade, e as taxas de suicídio aumentam entre aqueles que bebem em média oito ou mais xícaras por dia.

O pior malefício do café é a insônia

Minha revisão da literatura médica sobre café e chá me fez pensar se minha abstenção poderia estar comprometendo não apenas minha função mental, mas também minha saúde física. No entanto, isso foi antes de eu falar com Matt Walker, um neurocientista inglês do corpo docente da University of California, Berkeley, autor de “Why We Sleep” (Porque dormimos), é obstinado em sua missão: alertar o mundo para uma crise invisível de saúde pública, que é que não estamos obtendo o suficiente sono, o sono que estamos tendo é de má qualidade, e o principal culpado desse crime contra o corpo e a mente é a cafeína. A cafeína em si pode não ser ruim para você, mas o sono que ela está roubando de você pode ter um preço. De acordo com Walker, a pesquisa sugere que o sono insuficiente pode ser um fator chave no desenvolvimento da doença de Alzheimer, arteriosclerose, derrame, insuficiência cardíaca, depressão, ansiedade, suicídio e obesidade. “Quanto menos você dorme”, ele conclui sem rodeios, “menor é a sua expectativa de vida”.

Walker cresceu na Inglaterra bebendo grandes quantidades de chá preto de manhã, à tarde e à noite. Ele não consome mais cafeína, exceto pelas pequenas quantidades em suas ocasionais xícaras de descafeinado. Na verdade, nenhum dos pesquisadores do sono ou especialistas em ritmos circadianos que entrevistei para esta história usa cafeína.
Walker explicou que, para a maioria das pessoas, o “quarto de vida” da cafeína geralmente é de cerca de 12 horas, o que significa que 25% da cafeína em uma xícara de café consumida ao meio-dia ainda está circulando em seu cérebro quando você vai para a cama à meia-noite. Isso pode muito bem ser o suficiente para destruir completamente seu sono profundo.

Eu me considerava uma pessoa que dormia muito bem antes de conhecer Walker. Na hora do almoço, ele me questionou sobre meus hábitos de sono. Eu disse a ele que normalmente durmo sete horas, adormeço facilmente, sonho quase todas as noites.

“Quantas vezes por noite você acorda?” ele perguntou. Levanto-me três ou quatro vezes por noite (geralmente para fazer xixi), mas quase sempre volto a dormir.

Ele assentiu gravemente. “Isso realmente não é bom, todas essas interrupções. A qualidade do sono é tão importante quanto a quantidade de sono. ” As interrupções estavam minando a quantidade de sono “profundo” ou de “ondas lentas” que eu estava tendo, algo acima e além do sono REM que sempre pensei ser a medida de uma boa noite de sono. Mas parece que o sono profundo é igualmente importante para a nossa saúde, e a quantidade que obtemos tende a diminuir com a idade.

A cafeína não é a única causa de nossa crise de sono; telas, álcool (que é tão difícil para o sono REM quanto a cafeína é para o sono profundo), produtos farmacêuticos, horários de trabalho, poluição sonora e luminosa e ansiedade podem desempenhar um papel em minar tanto a duração quanto a qualidade do nosso sono.

Mas aqui está o que é especialmente insidioso sobre a cafeína: a droga não é apenas uma das principais causas de nossa privação de sono; é também a principal ferramenta com a qual contamos para solucionar o problema. A maior parte da cafeína consumida hoje está sendo usada para compensar o sono ruim que a cafeína causa – o que significa que a cafeína está ajudando a esconder de nossa consciência o próprio problema que a cafeína cria.

Da redação de Portal Raízes.  Excerto editado de This Is Your Mind on Plants: Opium-Caffeine-Mescaline por Michael Pollan. As informações contidas neste artigo são apenas para fins educacionais e informativos e não têm como objetivo aconselhamento médico ou de saúde. Sempre consulte um médico ou outro profissional de saúde qualificado a respeito de qualquer dúvida que possa ter sobre uma condição médica ou objetivos de saúde. Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos, e não se esqueça de comentar. Pois isto contribui para que continuemos trazendo conteúdos incríveis para você. Siga o Portal Raízes também no FacebookYoutube e Instagram.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.