O amor é como uma droga para você. Não importa o quanto você receba, você nunca se sente completamente realizado. Você não consegue viver sem o outro e sofre terrivelmente. Isso se chama dependência emocional.

A dependência emocional afeta todas as áreas da sua vida: seja na esfera familiar, romântica , profissional ou até amigável. E se é um verdadeiro vício do outro, mas também de tudo o que pode vir a preencher o vazio que sentes, esta terrível carência emocional é a causa de muitos dos teus sofrimentos (depressão, perturbação alimentar …) acabe com seus males: fracassos amorosos, relacionamentos tóxicos repetidos, dependência dos outros, medo de perder as pessoas que você ama… é hora de quebrar esse círculo vicioso e superar a dependência emocional .

Aqui estão 5 dicas para lhe ajudar a sair da dependência emocional e a desenvolver relacionamentos saudáveis. Confira:

1 – Primeiro passo para sair da dependência emocional

Para sair da dependência emocional é fundamental entender de onde ela vem e como rege seus relacionamentos. Identificar as origens do seu distúrbio é o primeiro passo para superar a dependência emocional.

Em primeiro lugar, você deve dar um passo para trás em sua vida e voltar à sua infância para encontrar os elementos que podem ter causado seu vício. Pense na relação que você teve com seus pais, em todas as pequenas humilhações que você sofreu na escola. Às vezes, um gatilho muito pequeno pode levar a uma dependência emocional grave na idade adulta. Você também pode se lembrar dos choques emocionais que experimentou. A dependência emocional também pode se desenvolver após um choque traumático , como a morte de um dos pais, por exemplo.

A maioria dos viciados emocionais cresceu em um ambiente doméstico adoecido psicoemocionalmente. Podem ser pais abusivos, pais ausentes ou pais com doenças mentais ou físicas que, apesar de tudo, os tornaram negligentes. A relação com os pais é essencial para a criança pequena, pois é nos primeiros anos de vida que ela criará seu padrão de apego , dependendo da relação que mantém com a mãe.

Portanto, para superar a dependência emocional é essencial entender sua origem para tratá-la e fazê-la desaparecer.

2 – Entenda como a dependência emocional afeta seus relacionamentos

Fazer um balanço de seus relacionamentos românticos é importante porque muitas vezes é onde a dependência emocional causa mais danos. Isso permitirá que você responda à seguinte pergunta em particular: por que meus relacionamentos amorosos se repetem? Depois de entender como seus relacionamentos são afetados, você pode superar mais facilmente a dependência emocional.

Muitas vezes, você vive relacionamentos de casal difíceis , você é dominado por suas emoções de medo, culpa e angústia. Você sofre de um tipo de ciúme doentio , possessividade e falta de autoconfiança. A ideia de ficar sem o seu parceiro te machuca e você caça qualquer sinal de afastamento ou perda de amor.

Com efeito, as relações do dependente afetivo são muitas vezes desequilibradas porque ele se esvai no contato com o outro e se fecha na relação como se fosse a única forma de existir. Seu apego ao outro não se forma pela partilha, mas pelo medo do abandono .

Por fim, o dependente emocional torna-se vítima de suas próprias escolhas, pois em sua busca pelo relacionamento funcional, apego profundo e amor, na verdade ele vai atrair ou criar apegos tóxicos sem nem perceber.

Seus parceiros são geralmente parecidos? Geralmente, eles são pessoas evitativas ou tóxicas e, infelizmente, muitas vezes você se depara com manipuladores? Você sente que está revivendo os mesmos cenários? As mesmas situações com pessoas diferentes?

Identificar seus padrões repetitivos de relacionamento é um passo importante para superar a dependência emocional e a desenvolver relações saudáveis.

3 –  Estabeleça limites em seus relacionamentos

Nossa terceira dica para superar a dependência emocional é estabelecer limites em seus relacionamentos. Para continuar o exemplo de dependência emocional no contexto de um casal, não é arriscado apostar que você tende a se apagar completamente em seus relacionamentos.

Muitas vezes, a autodepreciação pode ser a única maneira de manter um parceiro tóxico com você. No entanto, ao denegrir a si mesmo, você convida pessoas tóxicas a fazerem o mesmo. Tratar a dependência emocional , portanto, também envolve estabelecer limites para você e para os outros. Você não precisa aceitar violência , manipulação, maldade gratuita por medo de ficar sozinho.

Para ajudá-lo nesta fase de retraimento emocional, você pode, por exemplo, listar todos os eventos ou elementos que o magoaram em um relacionamento e se perguntar por que perdoou essa pessoa. Verbalizar a origem do seu perdão permitirá que você dê um passo atrás no seu limite de tolerância e identifique mais facilmente os elementos pelos quais é possível perdoar e aqueles pelos quais você não deve perdoar.

4 – Aprenda a amar a si mesmo e a construir sua autoconfiança

Nossa quarta dica para superar a dependência emocional é aprender a se amar como você é e desenvolver sua autoconfiança. A maioria dos dependentes afetivos tem uma falta real de autoconfiança , seja por falta de amor próprio ou por baixa autoestima , o que resulta em autojulgamento permanente. No entanto, uma das chaves essenciais para curar o medo do abandono e, portanto, para a retirada emocional, é uma sólida espinha dorsal de confiança.

A espinha da confiança é uma imagem que descreve os 4 pilares que compõem a autoconfiança. É fundamental trabalhar a restauração da autoconfiança para sair definitivamente da dependência emocional e alcançar o retraimento emocional.

  • Amor-próprio incondicional: ou seja, um amor incondicional pela sua pessoa, com as suas qualidades, os seus defeitos, o seu passado, os seus erros e as suas escolhas. Dizem que é preciso amar a si mesmo por completo para ter uma base sólida para os demais pilares dessa autoconfiança.
  • Autoestima: a baixa autoestima implica que você dê pouco valor à sua pessoa e, como resultado, você está frequentemente cercado por pessoas que não correspondem a você. Você tem a sensação de que os outros estão lhe dando um “presente” quando estão perto de você, mesmo que essas pessoas sejam abusivas ou ofensivas. O viciado afetivo geralmente tem falta de autoestima, o que também explica a cadeia de relacionamentos tóxicos ou disfuncionais.
  • Autoconfiança: é possível ter extrema autoconfiança quando se trata de certas disciplinas e ainda carecer de amor e autoestima. Essa é a complexidade dessa famosa espinha dorsal da confiança.
  • Autoafirmação: afirmar-se significa saber dizer não de forma saudável e respeitosa consigo mesmo e com os outros. Saber dizer não sem ser agressivo, saber dizer não quando necessário, saber dizer não sem manipular ou mentir para os outros.

5: Desenvolva sua maturidade e inteligência emocional

Preencher a carência afetiva é um passo para a cura definitiva do transtorno de personalidade dependente e do retraimento afetivo. Para isso, você deve desenvolver sua inteligência e maturidade emocional.

Essa etapa não pode ser realizada sem o auxílio de um profissional da saúde mental como um psicólogo especializado em dependência emocional, por exemplo, pois é um trabalho de transformação interior. A terapia cognitiva comportamental permite ao dependente afetivo desenvolver melhor autoconhecimento e autoconsciência. Assim, naturalmente, ele se livrará de seus antigos mecanismos emocionais para superar a dependência emocional.

Ao consolidar um espaço interior de alegria que não depende de nenhum fator, de nenhum objeto, de nenhum trabalho, de nenhuma atividade e de nenhuma pessoa, você vai curar aquela parte de você que hoje te impede de viver relacionamentos de acordo com suas necessidades interiores, seus valores e sua busca por significado.

Importante saber:

É preciso ter em mente que a dependência emocional às vezes se manifesta de formas insuspeitadas. O viciado emocional nem sempre é o amante pegajoso ou enfadonho cuja vida é dedicada ao outro. Existem viciados afetivos cujo modo de vida é bem o oposto do imaginário coletivo: vivem sozinhos e não se relacionam. Outros ainda estão nas garras de um vício e não deixam ninguém imaginar por um segundo que seu desconforto está ligado a uma deficiência emocional. Eles nem percebem isso.

É importante consultar um psicólogo assim que houver um desequilíbrio em sua vida relacional, simplesmente porque a dependência emocional é curada e muitas vezes com psicoterapia breve. Seria uma pena ficar sem ele e perder a oportunidade de superar a dependência emocional.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.