Você deseja que o outro não te julgue, mas você se julga o tempo inteiro

Portal Raízes

Como você pode desejar que o outro não te julgue, se você se julga o tempo inteiro? Nós somos os nossos piores inimigos. Já foi dito centenas de vezes e com razão. Nós nos sabotamos. Julgamos a nós mesmos com base nas opiniões e nas ilusões que os outros querem que percebamos de nós. Por isso a suposta validação do outro parece ter mais importância do que própria opinião acerca de nós mesmos.

Estamos constantemente julgando a nós mesmos, jugando uns aos outros e ao mundo com base no que nos foi ensinado ou no que acreditamos ser a verdade. Uma falsa verdade , na maioria das vezes.

Lembramo-nos das opiniões prejudiciais de outras pessoas, que foram cruelmente impostas a nós em idades frágeis. Pessoas nos julgando injustamente por causa de inseguranças ou medos que elas têm sobre si mesmas. Inseguranças e medos que foram cruelmente impostos a eles em uma idade frágil também.

Elas passam esses julgamentos maldosos para os outros porque é assim que foram ensinadas. As pessoas nos contam coisas negativas sobre nossa personalidade ou aparência física porque ouviram coisas negativas sobre si mesmas.

Nem todo mundo faz isso na tentativa de prejudicá-lo ou trazê-lo ao nível deles, é claro. Alguns fazem isso em um esforço para protegê-lo. Eles acham que, ao notificá-lo de suas “falhas” para que você possa consertá-las, você evitará algum constrangimento ou mágoa mais tarde.

Julgar é uma mania virulenta que passa de uma pessoa para outra. Como um contágio, infectando um após e depois outro

O problema de nos julgarmos com base nos julgamentos dos outros sobre nós é que são julgamentos falsos. A única pessoa que deveria estar julgando você é você. Pois você é o único que realmente conhece toda a sua história. Mesmo assim, julgamos a nós mesmos injustamente. Buscar a perfeição, um estado que não existe, ao invés de aceitar o fato de que cada um de nós é um ser humano único e amar as falhas que nos tornam assim.

É fácil julgar os outros. Colocando a culpa neles por coisas que podem ou não estar sob seu controle. Em vez de julgar os outros, não importa as circunstâncias, devemos olhar para dentro de nós mesmos e reconhecer que é o que não gostamos em nós mesmos que nos leva a julgar os outros.

Se você está completamente em paz com quem você é e se ama completamente, você não julga os outros de forma alguma. Quando você se ama e está em paz, as imperfeições dos outros não importam, porque não afetam você.

Tenha boa vontade para com a sua jornada na Terra

Você já pensou em quanto tempo leva uma gota de chuva para chegar ao solo? Até onde o vento sopra uma folha, ou até onde a corrente do rio carrega uma pedrinha? Você já pensou na distância que a luz viaja do Sol à Terra? Foi uma longa jornada para chegar ao seu destino. Não importa a natureza da jornada, tudo tem um caminho que deve percorrer antes de chegar ao lugar a que pertence.

E como uma gota de chuva não pode ocupar o mesmo espaço que outra gota de chuva, da mesma forma que um galho ou uma folha ou mesmo uma partícula de luz não pode ocupar o mesmo espaço que outra, duas pessoas não podem seguir o mesmo caminho. Cada um não é apenas único em si mesmo, mas em sua jornada.

Cada obstáculo que todos enfrentam é completamente único. Mesmo que uma gota de chuva diferente tome o mesmo caminho e caia no mesmo lugar que outra, o tempo e as circunstâncias são diferentes.

O mesmo acontece conosco. Como em toda a natureza, não existem dois caminhos iguais. Não existem duas pessoas iguais. Cada um é único. Ainda mais considerando que todos nós reagimos de forma única a cada circunstância que encontramos.

Quando entendermos isso completamente, podemos parar de julgar a nós mesmos, vidas e sucesso com base nos outros. A jornada e as circunstâncias de cada um são diferentes, o que significa que a comparação em qualquer nível seria injusta. Confie que você está exatamente onde deveria estar em sua jornada única e que seu destino será apropriado para você. Tudo está e estará alinhado, exatamente como deve estar.

Não importa que você tenha feito a mesma coisa que outra pessoa pelo mesmo período de tempo. Cada um de vocês tem diferentes circunstâncias, mentalidade e percepções da realidade que vão colocá-los em lugares diferentes o tempo todo.

Quando vemos o sucesso dos outros onde também tentamos alcançar, nossa reação natural é nos perguntar: O que me falta? Onde foi que eu falhei? Será que essa pessoa merece mais do que eu? Então começamos a julgar todos os envolvidos, inclusive nós mesmos.

Essa não é apenas a maneira incorreta de reagir, mas também é especialmente improdutiva. Isso nos deixa sem controle sobre nossas circunstâncias, nos deixa perdidos e impotentes.

Não somos impotentes. Temos todo o poder sobre nossas vidas e a realidade que escolhemos aceitar. Portanto, temos que olhar para isso de uma forma que nos mantenha com poder e no controle.

Faça perguntas estimulantes

Em vez de jogar o jogo da culpa ou chafurdar na autopiedade quando algo não aconteceu  do jeito que você acha que deveria, dê um passo para trás e olhe para isso de um ponto de vista diferente.  Em vez de “Por que eu?” ou “Por que eles?” Ou “O que há de errado comigo?” ou qualquer uma daquelas perguntas semelhantes e inúteis que tendemos a nos fazer em situações desagradáveis, faça a si mesmo estas perguntas fortalecedoras:

  • O que posso fazer para melhorar isso?
  • O que posso fazer para me sentir melhor em relação a isso?
  • Posso ver isso da percepção de outra pessoa?
  • Como posso encontrar minha paz com isso?
  • Que passos posso seguir aqui?
  • O que posso fazer de diferente para obter um resultado melhor na próxima vez?

Você pode aplicar isso a todas as áreas de sua vida. Lembre-se: o objetivo é amar a si mesmo. Dentro e fora. Quando você ama a si mesmo, as circunstâncias não importam. Em vez de ficar triste , chateado, com raiva ou com ciúme, você pode ser feliz pelos outros. Ser feliz pelos outros beneficia a todos, inclusive você. Quando não há vibrações negativas nos separando, podemos aprender, crescer e criar juntos.

Se você está em paz consigo mesmo: o sucesso dos outros, os julgamentos dos outros, não o afetará negativamente

Quando você se pegar julgando a si mesmo ou aos outros, encontre uma pergunta poderosa para ajudá-lo:

  • Por que a opinião dessa pessoa é importante para mim?
  • Por que preciso da validação dessa pessoa?
  • Por que essa pessoa é tão importante para que eu permito que a opinião dela me afete?
  • Por que a opinião dessa pessoa me afeta tanto ao ponto de fazer com eu me sinta um lixo?
  • Por que estou com raiva agora e por que isso importa tanto?
  • Por que estou triste agora e isso é realmente merece a minha tristeza?
  • Por que não estou em paz e como posso consertar isso?
  • Por que estou sendo duro comigo mesmo num mundo de imperfeitos?

Encontre a contextualização da história

Há uma história por trás de tudo. Quando você conhece a história por trás do julgamento que está fazendo, isso o ajuda a ver que a verdade que você vê na sua frente é na verdade uma falsa percepção do passado.

Julgamos o peso extra que carregamos porque: a nossa mãe, uma criança na escola, uma revista ou a TV nos disse que aquilo não era boa coisa. Na verdade, cada coisa tem um valor para mais ou para menos, em 100% das vezes, dependendo de quem você pergunta e quando você pergunta.

Deixe-me lhe dar um exemplo. Eu tenho um dente torto. Sempre tive. Eu usei aparelho ortodôntico quando era muito pequeno, o que foi uma tentativa fracassada e o seguro não pagaria por eles novamente. Então eu vivi com isso. E quando eu estava crescendo não prestei muita atenção nisso, mas minha família (com muito boas intenções ) ficava me falando sobre isso e se preocupando com isso e desejando em voz alta que pudesse ser consertado.

Suas preocupações constantes desgastaram minha auto-estima. Eu já era uma criança gordinha e desajeitada e agora tinha que me preocupar com isso. Ao longo de toda a minha carreira no ensino fundamental e médio, eu não sorria. Eu não sorria porque estava com vergonha do meu dente. Só depois de me casar aprendi a aceitar isso. No Japão, as pessoas pagam muito dinheiro para ter dentes tortos porque acham que é atraente. Dizem que isso lhes dá uma aparência infantil que eles adoram.

Claro, eu poderia consertá-lo agora, mas é muito difícil convencer alguém que já usou aparelho a fazê-lo novamente. Aprendi a me amar exatamente como sou. Eu sou linda, com defeitos e tudo.

Aprendi que tudo se resume à percepção. Saúdo a todos com um sorriso caloroso e brilhante agora, porque meu dente não me define. Se alguém me olha com desprezo, é por causa das inseguranças que enfrentam e isso me deixa triste por eles.

Meu julgamento pessoal acerca do meu dente surgiu do julgamento dos outros. Ter um dente torto não me afetou até que outros começaram a fazer comentários negativos sobre ele. Eu permiti que a falta de autoestima deles afetasse o que eu sentia a respeito de mim. Eu permiti que eles tivessem poder sobre mim.

Era o mesmo com meus problemas de peso e com minha falta de jeito. Minha personalidade não era um problema até que as meninas da 3ª série começaram a tirar sarro de mim. Nunca achei que nada disso fosse um problema até que outras pessoas começaram a me dizer que era. Quando comecei a pensar que meu peso era um problema foi quando minha mãe começou a me deixar comer apenas saladas. A propósito, o peso extra era cobiçado em tempos antigos na Europa e possivelmente em outras culturas. Significava que você era saudável, rico e de bom status. Existe um positivo em cada negativo. É tudo uma questão de percepção.

Quando você sabe de onde vêm suas inseguranças e julgamentos, pode facilmente eliminá-los e transmutá-los por todo o espaço, tempo e realidades. Quando você conhece as histórias deles, sabe por que eles o fazem se sentir como se sentem e por que isso não tem nada a ver com você agora. Quando você pode rastrear a origem do seu autojulgamento, pode explicá-lo, compreendê-lo e deixar de dar importância a ele.

Siga suas intuições

Julgar a nós mesmos e aos outros vem da busca irreal da perfeição. Temos que reconhecer que isso é inatingível, porque somos humanos e está tudo bem. Somos todos únicos com nossas próprias habilidades, características, percepções e imaginação e essas qualidades únicas nos torna magníficos e belos.

Quando aprendermos como nos livrar dos apegos com o inatingível e nos amarmos com a plena aceitação que tanto desejamos receber dos outros, poderemos encontrar felicidade , paz interior e tudo o que buscarmos na vida. Amar a nós mesmos significa amar toda a humanidade e o mundo em que vivemos. Quando conseguirmos isso, podemos aprender, crescer e criar um mundo melhor para todos nós vivermos juntos.

Texto de SSBlake, publicado originalmente em Earth e Walter – Tradução e livre adaptação de Portal Raízes. Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos e não se esqueça de comentar, isso nos ajuda a continuar trazendo conteúdos incríveis para você. Siga-nos também no Instagram e Youtube.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.