Você já se viu atolado demais de tarefas? Você, às vezes, se sente sobrecarregado e subutilizado? Você sente enjoo em vez de impulso? O seu dia às vezes é sequestrado pela agenda de outra pessoa? Você já disse “sim” simplesmente para agradar e depois se ressentiu? Se você respondeu sim a alguma dessas perguntas, a saída é o Essencialismo.

O termo “essencialismo” tem vários significados. A palavra remonta à filosofia grega antiga, quando Platão caracterizou a “essência” como uma forma ideal com propriedades essenciais. Por exemplo, não podemos desenhar um círculo perfeito à mão, mas temos sua forma ideal e suas propriedades essenciais em mente.

Muitas correntes filosóficas refutam essa noção, mas mesmo assim ela permaneceu como uma definição clássica de essencialismo. O estrategista e professor britânico Greg McKeown desconecta o essencialismo de suas raízes clássicas e transpõe a ideia para o século 21.

Fazer menos, mas melhor

O Caminho do Essencialismo envolve fazer menos, mas melhor, para que você possa dar a maior contribuição possível. O Essencialismo não trata de fazer mais em menos tempo. Não se trata de fazer menos. É apenas fazer as coisas certas, as essenciais. Trata-se de trocar o ‘podemos ter tudo’ e ‘eu tenho que fazer tudo’ por fazer ‘ a coisa essencial, da maneira certa, no momento certo’. É sobre recuperar o controle de nossas próprias escolhas sobre onde gastar o nosso tempo e energias.

6 lições principais do essencialismo de McKeown

O Essencialismo de McKeown é uma forma de pensar em que você  determina o que é essencial e elimina o que não é, principalmente no mundo do trabalho. Ao invés de fazer tudo por todos, e se sentir sobrecarregado e improdutivo, é melhor se questionar: Qual é a coisa mais importante que eu preciso fazer hoje? Onde serei mais útil? O que vai ser melhor para mim a curto, médio ou longo prazo? É bem provável que você não saiba as respostas imediatamente, mas, quanto mais se perguntar, mais perto você vai você vai estar delas.

A seguir estão seis das lições mais úteis do Essentialismo. Existem muitos mais, mas esses são os que melhor refletem a abordagem essencialista de McKeown.

1. Aprenda a diferença entre hiperatividade e produtividade

Em nosso mundo superconectado e louco por ambições, muitas vezes confundimos hiperatividade com produtividade .Subconscientemente, associamos mais trabalho a mais resultados. Acreditamos que quanto mais horas dedicarmos, melhor será nossa produção. Essa atitude é intrinsecamente falha. Ao tentar fazer o máximo possível, não simplificamos nossos esforços.

Vejamos um exemplo prático:

Cinco livros contêm mais conhecimento do que um. Consequentemente, uma abordagem hiperativa seria ler todos os cinco o mais rápido possível. Dessa forma, teremos a certeza de absorver toda a sabedoria e obter mais valor de nossa atividade de leitura. No entanto, ao tentar ler esses cinco livros em um curto período, não temos tempo para fazer anotações. Pior ainda, não temos o foco de leitura necessário para digerir as lições dos livros. Ler um dos cinco é a solução essencialista. Ao reservar um tempo para ler esse livro corretamente, permitiremos que nosso cérebro deixe o conhecimento penetrar. Com o tempo, vamos nos beneficiar mais por ter digerido um livro corretamente do que por passar por cinco livros – uma manifestação perfeita da regra de Pareto .

2. Discernir os “poucos vitais” dos “muitos triviais”

No Essentialismo argumenta que – ao contrário da opinião popular – os essencialistas têm mais opções do que os não-essencialistas. “Os não-essencialistas ficam entusiasmados com praticamente tudo e, portanto, reagem a tudo. Mas por estarem tão ocupados em busca de todas as oportunidades e ideias, eles exploram menos”. Nessa linha de pensamento, os essencialistas “vão longe” em alguns projetos vitais, em vez de tentar se comprometer com muitos empreendimentos menos críticos.

O primeiro passo para alcançar esse compromisso essencialista é criar espaço para enfocar. McKeown cita o exemplo de Isaac Newton, que se isolou do mundo para pensar. Durante a Grande Peste, Newton ficou em quarentena em casa por um ano inteiro.

Mais tarde, os cientistas se referiram ao isolamento de Newton como seu “Ano Maravilhoso” – o ano em que ele descobriu a teoria da gravidade e se tornou o matemático mais progressista do mundo.

Nessa mesma linha, os essencialistas criam espaço para concentrar sua energia em atividades vitais. Tempo para a família significa que não há chamadas profissionais à noite. Uma rotina matinal adequada exclui e-mails e mídias sociais antes do café da manhã. E a ética de trabalho essencialista significa dizer não ao décimo pedido de favor único de seu colega.

3. Se não for um claro sim, então é um claro não

Outra grande lição do Essentialismo diz respeito ao nosso processo de tomada de decisão. Em vez de decidir de acordo com pistas indiferentes, devemos definir critérios claros que resultarão em um sim ou não inequívoco .

A este respeito, McKeown argumenta o seguinte: “Aplicar critérios mais rígidos às grandes decisões da vida nos permite acessar melhor o sofisticado mecanismo de busca de nosso cérebro. Pense nisso como a diferença entre fazer uma pesquisa no Google por “bom restaurante na cidade de Nova York” e “melhor pizza do Brooklyn”.

O raciocínio continua com a importância de fazer perguntas relevantes. Sendo assim, se buscarmos novas oportunidades de carreira, devemos perguntar o seguinte: Pelo que estou profundamente apaixonado? O que aproveita meu talento? O que atende a uma necessidade significativa no mundo? Portanto, se você precisar tomar uma decisão crítica, aplique critérios estritos e cumpra esses critérios fazendo as perguntas certas.

4. Aplicar um modelo de orçamento e propriedade baseado em zero

A abordagem essencialista de McKeown funciona bem no contexto do minimalismo graças ao seu modelo de propriedade e orçamento baseado em zero. O conceito é direto.

Se você ainda não possui um item, você ainda o compraria? Se você ainda não tivesse investido dinheiro e energia em um projeto, continuaria mesmo assim? E, finalmente, se você ainda não tivesse se dedicado a um relacionamento, você reiniciaria o mesmo relacionamento hoje? Este modelo baseado em zero nos permite dar um passo para trás e analisar os desafios da vida com clareza.

Se você quiser consumir mais intencionalmente, pergunte-se, se você se livraria de um item se ainda não tivesse pago por ele. Ao aplicar critérios de consumo baseados em zero, você aprende como estabelecer regras de compra.

5. Estabeleça limites claros em sua vida

O essencialismo anda de mãos dadas com limites bem definidos . Um essencialista não é egoísta ou individualista, mas seus limites são claros. Seja no trabalho, na vida social ou no lazer, dizer não não é uma fraqueza. É uma parte crucial para se libertar das coisas que não importam para você.

Há sempre aquele colega de trabalho que coloca tudo na sua mesa e espera que você esteja disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana. Adivinhe, se você nunca estabelecer limites e sempre disser sim, sempre agirá de acordo com as prioridades de outra pessoa, não as suas. A abordagem de McKeown consiste em estabelecer limites claros com antecedência para eliminar a necessidade de um “não” direto.

Ao predefinir suas prioridades e seus limites no trabalho e em sua vida pessoal, sua abordagem essencialista será evidente e você evitará os conflitos que surgem quando seus limites mudam com o tempo.

6. Faça menos coisas dando o seu melhor

Finalmente, o que mais mudou a vida do Essentialismo é a disposição de fazer menos coisas e melhor. Tome sua vida profissional como exemplo. Em quantos projetos você está trabalhando agora? Quantas pessoas dependem de você? E quão forte você se compromete com cada parte do seu trabalho? Todos nós podemos encontrar maneiras de fazer menos coisas, dando o nosso melhor. Às vezes, desacelerar é a resposta para obter melhores resultados.

Fazendo menos coisas, você pode desenvolver alguns dos atributos mais poderosos quando se trata de produtividade. Você pode criar uma estratégia clara para o seu projeto. Como você está se concentrando em algumas atividades selecionadas, seu sistema será bem pensado, não apressado.

Fazer menos coisas permite que você se comunique melhor e capacite mais a si mesmo e a outras pessoas. Se você for o líder, terá mais tempo para comunicar sua estratégia corretamente e isso, por sua vez, permitirá que outras pessoas assumam mais responsabilidades. Por fim, fazer menos coisas na vida o ajudará a obter melhores resultados. Como uma abordagem essencialista garante um esforço unificado em direção a um objetivo bem definido, os resultados serão mais satisfatórios.

Vejamos o exemplo prático:

Se você está estudando para um concurso e tentando disputar uma maratona de vôlei ao mesmo tempo, é provável que não consiga nenhum dos dois. Você pode até ter algum progresso em ambas as direções, mas nunca o suficiente para alcançar a vitória. Se você, por outro lado, direcionar todos os seus esforços só para a maratona ou só para o concurso, você está prestes a alcançar um deles.

Como fazer isso sem arriscar meu emprego?

Muitas pessoas erroneamente acreditam que só existem duas respostas possíveis para o pedido de um chefe.um ‘sim’ educado ou um ‘não’ grosseiro. O caminho do ‘sim’ é mais popular, porque o ‘não’ pode limitar a carreira – ou acabar com ela de vez. O essencialismo defende a negociação: invés da negativa, ir pelo caminho das perguntas afáveis. “Em que você quer que eu trabalhe hoje?”, “Devo investir meu tempo nisso ou naquilo?”, “O que é mais importante para você?”. Quando essas conversas desconfortáveis, mas necessárias, acontecem, você valoriza seu tempo, energia, família, saúde e até desempenho profissional.

GREG McKEOWN escreve, dá aulas e palestras no mundo todo sobre a importância de viver e de liderar como um essencialista. Já falou para empresas como Apple, Google, Facebook, Linked In, Symantec e Twitter, e está entre os blogueiros mais populares da Harvard Business Review. É um dos criadores do curso Projetando a Vida Essencialmente, da Universidade Stanford (onde fez seu MBA), coautor de Multiplicadores (Rocco) e atua como Jovem Líder Global pelo Fórum Econômico Mundial.

Da redação de Portal Raízes. Editado a partir das reflexões propostas por Greg McKeown  no seu best-seller Essencialismo, Sextante, 2015 . As informações contidas neste artigo são apenas para fins informativos. Se você gostou do texto, curta, compartilhe com os amigos, e não se esqueça de comentar. Pois isto contribui para que continuemos trazendo conteúdos incríveis para você. Siga o Portal Raízes também no FacebookYoutube e Instagram.

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.