Um estudo realizado por economistas da Universidade de Pádua, na Itália, mostra que crescer cercado de livros faz bem para as pessoas. Não só isso: a pesquisa, que foi publicada no The Economic Journal sugere ainda que quem teve mais contato com livros durante a infância se sai melhor, até mesmo financeiramente, na vida adulta.

Os pesquisadores coletaram dados de homens com idades entre 60 e 96 anos de nove países europeus e avaliaram os livros com os quais essas pessoas tiveram contato quando tinham apenas dez anos. A partir destas informações, os economistas observaram que as crianças que cresceram com mais de dez livros que não eram leituras obrigatórias para escola — ou seja, que leram por puro prazer — tinham salários 21% melhores do que o restante.

O estudo faz questão de apontar que o salário da vida adulta não é o único ganho significativo que as pessoas têm ao crescer cercadas de livros. “Crianças que crescem em casas com livros têm mais chances de aprender sobre a vida e o universo, e têm novas experiências a partir das obras”, explica o pesquisador Guglielmo Weber em entrevista ao Quartz.

Apesar de ter sido realizado com pessoas cuja infância não contou com a internet, o estudo faz sentido ainda para as crianças de hoje. “Mesmo atualmente os livros captam algo diferente”, diz Weber. Outros estudos confirmam a fala do pesquisador: desde a publicação de Harry Potter, jovens passaram a ler livros mais longos e crianças que leem a série de J.K. Rowling aparentam ser mais bondosas com quem é diferente delas.

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.