Eu sou forte sim, mas minha alma está exausta

Portal Raízes

Exausta simplesmente não é o suficiente para descrever o estado pelo qual estou passando agora. Estou exausta sim, esse cansaço está além do cansaço fisiológico. É psicológico, é emocional. Estou cansada de ser forte. Estou cansada de tentar colocar aquele sorriso de mulher forte no rosto todos os dias, e ser uma Super Mulher para todo mundo.

De repente, sento-me aqui, com o peito apertado, sentindo-me perdida e insegura sobre onde procurar orientação. Passei muito tempo negando meus próprios sentimentos e agora sinto que estou esgotando minhas forças.

Escrevi muitos artigos sobre a mulher Alpha: A mulher forte, independente e auto-suficiente. Parece legal, não é?

Eu nunca me propus a ser particularmente esse tipo de mulher, mas a vida me fez enfrentar meus piores pesadelos, tive que aprender a me tornar forte porque ninguém estava lá para mim através de minhas lutas e tribulações, mas aqui estou eu, agora me encontro exausta e perdida, imaginando se alguém estará aqui para me ajudar de todas as maneiras que eu estive lá para eles.

Sempre desempenhei o papel de mulher infalível que parece capaz de fazer tudo e qualquer coisa.

Quando os outros olham para mim, eles me veem como tal. Eles me veem como competente e capaz, mas minha alma está exausta – enquanto me veem com os pés fortes e firmes – por dentro estou quebrando.

Sinto que passei a vida inteira tentando provar para mim mesma que sou forte e que ser forte seria suficiente. Gastei tanto da minha energia estabelecendo expectativas tão altas para ser forte e guardando minhas próprias emoções que agora estou cansada.

E agora sou eu a pessoa pálida e desgastada.

Quando você sempre é forte, geralmente reprime seus desejos, pensamentos e, às vezes, até como se sente. Quando você sempre é forte, é muito cautelosa em demonstrar seus problemas a mais alguém. Você vê isso como um fardo para as pessoas que você deveria apoiar.

As pessoas que geralmente estão ocupadas cuidando dos outros nem sempre saem por aí pedindo ajuda. Sendo a pessoa forte, você passa por seus próprios desafios, e pode haver momentos em que você chega a um ponto de ruptura.

A verdade é que aqueles de nós que são os mais fortes acabam precisando de alguém. Vejo agora que todos precisamos de alguém um pouco mais forte do que nós. Sim, eu disse a palavra NECESSIDADE, a palavra da qual eu fugi por tanto tempo porque parecia ter uma conotação negativa.

Mas cheguei à conclusão de que não há problema em não ser forte o tempo todo, costumava dizer a mim mesma para não deixar ninguém saber das minhas lutas, tinha a crença de que aqueles que são fortes, não têm espaço para um momento fraco. E se alguém vê você sangrar? E se alguém vê as lágrimas que você guarda para si mesmo? E se alguém ouvir os sonhos e desejos mais profundos da sua vida, dos quais você nem sempre encontra o lugar ou o momento para conversar?

Agora eu me encontro exausta e não consigo fugir da minha necessidade de ser vulnerável.

Anseio por ser cuidada, não financeiramente, mas quero um braço forte em volta dos meus ombros, alguém que possa me segurar, não importa a tempestade que eu tenha suportado algum dia. Sou independente economicamente, mas não desejo mais permanecer psicologicamente forte. Sim, desejo ser acariciada por alguém.

Não há nada de errado em desejar alguém para abraçá-la e cuidar de você. Não é algo para se envergonhar. Não é fraqueza. É uma força. Todos nós precisamos de um “alguém” para nos lembrar de que não há problema em não ser forte o tempo todo. É o poder do amor.

E é claro que você pode continuar sendo forte pelos outros. Mas verifique se esta força está além do que você é capaz de sustentar.

__

Texto de Mitzi J Hernandez, traduzido e adaptado, via Thought Catalog

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.