Tudo o que um “amor incondicional” pode fazer com os mais suscetíveis, está contido na palavra fanatismo. Desde que o mundo é mundo, há fanáticos aqui e ali. Não é engraçado. É triste e pode alavancar uma doença psicogênica de massas, vulgo, histeria coletiva. Josué Alexandre, Veterano do Corpo de Fuzileiros Navais no Oriente Médio, sintetiza uma pessoa fanática da seguinte maneira:

“Uma pessoa é fanática política quando não tem a capacidade de ver informações relevantes e argumentos do outro lado; quando não consegue ver falhas na metodologia de suas próprias teorias. Visões políticas fortes vêm de alguém que se informa. O fanatismo político ocorre em pessoas predispostas a permitirem que os outros pensem por elas”.

Nessa linha, fanáticos são entendidos como todas aquelas atitudes para as quais é orquestrada uma defesa extrema e irracional de uma questão ou pessoa , completamente desprovidos de qualquer indício de análise. Tanto que, de fato, fica muito evidente o “julgamento” do fanático longe da objetividade; a ponto de ser imune a qualquer argumento ou evidência que pudesse questioná-la e/ou refutá-la.

8 características dos fanáticos

O fanatismo pode ser definido tanto pelo que se pensa sobre a realidade quanto pelo que se faz a respeito dela. Portanto, é um conceito tremendamente complexo e cheio de arestas. Veja aqui 8 características básicas dos fanáticos:

1. Convicção de que estão certos

Os fanáticos nunca duvidam de sua convicção. Abrigam ideias que não admitem a menor dúvida ou reserva, por isso nunca levantam a possibilidade de haver algum viés no raciocínio que as sustenta ou no comportamento que adotam em relação a elas.

2. Há uma capacidade muito pobre de autocrítica

Há também uma grande frustração em suportar que outros levantem objeções ou questionem a adequação de suas crenças. Como analogia, pode-se dizer que suas ideias estão gravadas em “tábuas de pedra”. Paralelamente, a certeza do que se faz ou pensa vem acompanhada (normalmente) de uma contrapartida: os outros nunca têm razão. Um fanático considera falsa qualquer avaliação contrária às suas ideias, sem necessariamente ter sido submetido a uma análise minimamente profunda.

3. A emoção e os sentimentos vêm antes do raciocínio

A emoção e os sentimentos vêm antes do raciocínio, de modo que toda alternativa possível de ação é descartada. Isso pode acontecer, sobretudo, em seitas ou credos semelhantes, em que há um desprendimento intencional de heranças pessoais e econômicas.

4. Tentativa obstinada de impor a sua opinião aos outros

Os fanáticos não apenas acreditam que estão certos, mas muitas vezes consideram essencial que os outros “abram os olhos” para seu erro de pensar de maneira diferente . Há, portanto, uma visão de supremacia no campo das ideias; que muitas vezes é levado ao palco do debate sobre estes. Durante tais debates, eles podem recorrer a malabarismos dialéticos de todos os tipos, mostrando um autoritarismo que dispara “os alarmes” de seu interlocutor. Sua forma de persuasão carece de sofisticação ou sutileza, sendo percebida no limite da imposição.

5. Discurso inflamado, desde um comentário nas redes sociais até um conflito armado

A forma mais dramática de imposição é, sem dúvida, aquela que recorre à violência. A maioria das guerras foi defendida pela própria força de uma ideia ou “certeza” que se espalhou entre os povos confrontados, e cujo objetivo era dar a cada um deles algumas convicções por terem perdido a própria vida ou arrebatado a de outros.

O mesmo acontece nos casos de terrorismo , onde há muitos inocentes que acabam pagando as dívidas do fanatismo alheio. Também se distinguem agressões de pequena escala atribuíveis a ideais fanáticos, como as que ocorrem nas proximidades de uma partida de futebol. Em suma, as tentativas de persuasão dos fanáticos são muito variadas, e vão desde a simples discussão em qualquer rede social até o mais desastroso dos conflitos armados.

6. Percepção dicotômica da realidade

No que se refere ao objeto pelo qual o fanático sente devoção, não costuma ser admitida a existência de nuances cinzentas, pontos de encontro que serviriam para conciliar sua visão sobre o assunto com relação aos demais .

Em vez disso, a realidade tende a ser percebida em termos dicotômicos, de tudo ou nada, deslocando qualquer posição discrepante para o extremo oposto do espectro de opinião. Isso faz artificialmente uma “simplificação” da realidade, onde há um grupo semelhante (aqueles que coincidem em sua perspectiva) e um aglomerado de perspectivas igualmente antagônicas, independentemente do real grau de divergência.

7. Devoção sacrificada e incondicional 

Outra característica básica do fanatismo é sua resistência à adversidade. Embora existam ideias que gerem algum prejuízo à vida social, elas tendem a permanecer . Na verdade, às vezes eles podem até ser reforçados nessas circunstâncias.

Tudo isso poderia ser explicado por mecanismos de dissonância cognitiva, que tentariam dotar a crença (fanática) de um valor equivalente ao peso do sacrifício que deveria defendê-la. Por meio desse embate emocional, surgiriam fenômenos como os mártires, que chegam a dar a vida voluntariamente (ou resignados) para defender aquilo em que acreditavam.

8. Personalidade suscetível ao fanatismo

Numerosos traços de personalidade que se relacionam com um risco aumentado de fanatismo foram descritos. Observou-se que as rápidas mudanças sociais podem levar as pessoas que não se adaptam a elas a “abraçar” os valores tradicionais com devoção ardente (embora nunca se sentissem particularmente identificados com eles).
Alguns estudos também apontam para a hipótese de que a frustração individual é um terreno pago para o fanatismo.

Esse sentimento de incompletude promoveria a aproximação de um elemento externo que compensa a falta de autoconfiança , de modo que uma realidade na qual a multidão acredita (ou pelo menos uma porcentagem significativa dela) seja aceita como sua, no ausência de capacidade de acreditar em si mesmo. Isso alcançaria a resposta rápida a um vácuo, precipitado pela cultura ou por uma crise existencial, e satisfaria da mesma forma a necessidade de filiação.

Como curar um fanatismo?

Amós Oz, escritor israelense, defendeu a teoria de que há um fanatismo dentro de cada um de nós, seja político, religioso ou por qualquer coisa ou alguém e ele começa no ambiente familiar.

De acordo com Oz, a ‘cura’ para o fanatismo está na fusão da curiosidade e do sendo de humor, pois se uma pessoa pratica a curiosidade da investigação sobre si mesma e suas crenças, poderá discernir se o amor que destina a algo, deve realmente ser incondicional, deve ser desmedido e irracional; e se a pessoa tem senso de humor, especialmente sobre as próprias leituras de mundo, é provável que ela não conduza com tamanha rigidez suas leituras de mundo.

Margot Wallström, representante especial da ONU, em sua coluna no The New York Times, traz à lume a seguinte reflexão:

“Como você cura um fanático? Negando-lhe o que ele mais deseja – reconhecimento. Em última análise, a cura para o fanatismo não está nas estruturas que construímos para nos proteger, embora sejam necessárias quando tudo mais falhou. O caminho a seguir é a prevenção por meio da democracia, da educação, da informação e garantindo que você e eu tenhamos um momento de reflexão e dúvida sobre estar sempre certo. O fanático nem sempre é outra pessoa; ele ou ela vive, potencialmente, em todos nós. O multiculturalismo não cria fanáticos, mas nos dá a possibilidade de curar nosso próprio fanatismo se ousarmos admitir que nem sempre temos razão.

Prevenir o fanatismo requer uma tradição democrática com o entendimento de que todas as sociedades são pluralistas. Nunca encontraremos uma ideia, uma linguagem ou uma cultura com a qual todos possam concordar. Por mais que nos sintamos frustrados com isso, nossa realidade é um mundo multifacetado e multicultural. A democracia e os direitos humanos básicos são os únicos princípios em torno dos quais podemos nos unir, que nos permitirão administrar nossas diferentes visões e encontrar compromissos políticos para garantir que vivamos com respeito uns pelos outros. A luta mais importante hoje é contra o fanatismo e o extremismo em todas as religiões e ideologias, contra os preconceitos que nos levarão de volta às trevas da Idade Média”.

Observações: A presente lista foi adaptada do artigo “O que é fanatismo? As características desse fenômeno social – de autoria do professor e pesquisador Abdullah Sam.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.