Com que frequência você internaliza os problemas de outras pessoas, seja se alinhando com suas emoções ou agindo em nome delas? Já considerou que o seu estresse, geralmente, se relaciona com o que você está pensando (ou fazendo) sobre a experiência de outra pessoa e às decisões que são delas e não suas? Em outras palavras, até que ponto você está disposta a assumir os sentimentos ou responsabilidades de outra pessoa em detrimento de si mesma? Estar atenta a essa tendência deve ser uma prática contínua para você.

É perfeitamente humano e fazemos isso por muitas razões. Nós nos preocupamos profundamente, por exemplo, com um amigo com problemas de saúde que ainda tem uma dieta pouco saudável e não se exercita. Achamos que sabemos mais do que o parente ou gerente que toma decisões “imprudentes”. Somos apanhados em pensamentos de grupo não examinados com outras pessoas sobre uma pessoa ou situação.

Enquanto estou envolvida com os problemas alheios, não penso nos meus

Sim, às vezes, preferimos nos concentrar na vida de outra pessoa do que na nossa ou ter uma desculpa para procrastinar. Enquanto nos concentramos em “resolver” os problemas de outras pessoas, podemos deixar o nosso de lado. Podemos esquecê-lo e, assim, nos iludirmos que estamos no controle total de nossas vidas a ponte de podermos, além de amar e apoiar os outros, também resolver os seus conflitos.

Mas temos que ter cuidado, porque há uma linha tênue entre apoiar os outros e tentar “consertá-los”. Isso é algo que tem estado em minha mente ultimamente, pois tenho visto novos leitores descobrirem meu livro  Judgment Detox  e começarem a testemunhar amorosamente seu próprio julgamento e curá-lo.

Uma amiga estava me contando sobre como ela estava visitando uma amiga muito próxima dela. Essa amiga estava passando por um momento difícil e, quando minha amiga foi embora, ela sentiu esse peso pesado sobre ela. Ela sentiu a responsabilidade de se certificar de que sua amiga estava bem. Ela também se sentia inadequada porque não conseguia resolver os problemas da amiga.

Eu disse a ela: “Você não pode ser responsável pela felicidade de outra pessoa”.

Isso pode ser muito difícil às vezes, especialmente se você é uma pessoa que nutre ou apenas ama profundamente a pessoa que está lutando. Você quer ser o fixador. Você quer ajudá-los a encontrar a solução, fazer escolhas inteligentes e ver a luz.

Pode até parecer egoísta NÃO intervir e cuidar das coisas. Afinal, amigos e entes queridos não deveriam apoiar uns aos outros?

Sim claro. Mas há uma diferença entre amar e apoiar alguém e tentar resolver seus problemas e fazê-los felizes. Um que você pode fazer. O outro você simplesmente não pode. Cada um é responsável pela sua própria felicidade. E, de fato, tentar assumir a responsabilidade pela felicidade de outra pessoa pode prejudicá-la a longo prazo e privá-la de milagres.

3 Passos a seguir quando você pensar que deve resolver os problemas alheios

Quando você sentir o desejo de ser o reparador, siga os três passos que descrevo abaixo. Você sentirá alívio imediato. Você pode liberar a necessidade de ser responsável pela felicidade de outra pessoa. O peso será levantado e você poderá aparecer para seu ente querido E para si mesmo.

Se você alguma vez tentar resolver os problemas de outras pessoas ou se responsabilizar pela felicidade delas, espero que as dicas que ofereço neste post o ajudem a liberar essa necessidade.

Passo 1: Lembre-se de que outras pessoas têm seu próprio sistema de orientação

Todo mundo tem seu próprio sistema de orientação, seja o que for em que acredite – seja intuição, anjos, guias espirituais, o Universo ou Deus. E é bem certo de todas as vezes em que tentamos, de alguma forma, resolver os problemas de alguém, interferimos em próprias reflexões, leituras de mundo e busca pela autonomia.

Passo 2: Você não pode privar alguém de chegar ao fundo do  seu poço

Aprendi isso há muito tempo. Você, por mais que ame alguém, não pode privá-la do fundo do seu poço. Todos nós enfrentamos momentos decisivos em nossas vidas. Estes são ciclos a girar enquanto tentamos encerrá-los. Quando você tenta consertar outra pessoa, você apenas atrapalha seu potencial de experimentar esse milagre por si mesmo. Eu quero encorajá-lo a realmente reconhecer que você não está aqui para privar ninguém de seu fundo do poço. Dê a eles a chance de experimentar exatamente o que eles precisam experimentar, e não tenha medo disso.

Passo 3: Você não pode mudar quem não quer ser mudado

Temos que estar conscientes do fato de que não é nossa responsabilidade mudar, curar, ajudar ou ressuscitar alguém de seus próprios problemas e sentimentos. Temos que confiar que ninguém mudará até que queira ser mudado. Quando eles estiverem prontos para essa mudança, então você estará lá. Você poderá aparecer para eles quando eles estiverem prontos para aparecer por si mesmos.

Da redação de Portal Raízes. Tradução e adaptação livre de um texto da escritora Gabby Bernstein. Seus livros já foram traduzidos em mais de 30 idiomas. Ela ensina os seus leitores a usarem o poder de seus pensamentos para criar mudanças positivas em todos os aspectos de suas vidas.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.