“Tem hora que, o que faz falta, é o abraço do pai mesmo” – Leandro Hassum

Portal Raízes

Leandro Hassum, ator e humorista, se emocionou durante programa Tamanho Família, da Globo e não conteve as lágrimas. Na hora da homenagem da família, ele relembrou do pai, que foi preso por tráfico internacional de drogas e membro da máfia italiana na década de 1990.

O artista contou que, apesar dos erros dele, sente muita falta do pai. Além disso, ele relembrou que não tem nenhuma foto ao lado do pai, o que o levou a chorar bastante.

“Quando eu estava em São Paulo, filmando, com a família morando fora, a gente fica meio sozinho. Eu precisava dar um abraço no meu pai. E eu fui olhar uma foto e descobri que não tinha nenhuma foto com ele. Eu fiz uma montagem de fotos. Ele foi embora cedo, eu não tinha nenhuma foto com ele. Tem uma hora que só o abraço do nosso pai… Faz falta mesmo”, disse ele, entre lágrimas.

Na sequência, ele falou dos erros do pai. “O meu pai, com os erros e acertos dele, e eu falo sempre isso. Todos os homens e mulheres que passaram pela minha vida, com seus erros e acertos, me ajudaram a ser o homem que eu sou. Até quando o meu pai errou, ele me ensinou. Mas tem hora que falta o abraço do pai mesmo”.

Leandro Hassum voltou a chorar ao falar sobre a filha e a esposa, e relembrar o momento difícil que passaram no início da vida juntos. “Eu e a minha mulher passamos muita dificuldade. Lembro dela com a nossa filha no colo, empurrando o cara para não cortar a luz de casa, porque não tínhamos dinheiro para pagar. Mas quando quando a minha filha sorria pra mim, tinha um vácuo de amor, não lembrava dos problemas”.

Ele ainda contou sobre a decisão de fazer a cirurgia de redução do estômago, com a qual perdeu 65 kg. “O meu irmão Andre Marques [que me incentivou], ele é nota dez. Eu devo a minha vida nova a ele. E ao Faustão também, ele disse para ir fazer e cuidar da minha família. Eu tinha obesidade mórbida, morbidez é morte. Eu tenho uma família que sou apaixonado e quero viver com elas”.

A História do pai

Há alguns anos, Leandro Hassum falou abertamente sobre a história de seu pai no programa de Marília Gabriela no GNT.

“Em 1994, ele foi preso por tráfico internacional de droga. Meu pai era responsável pelo transporte da droga do Brasil para a Europa e para os Estados Unidos. Fazia parte da máfia italiana. Isso foi na década de 90. Meu pai foi preso no dia 14 de novembro de 1994. Eu não tinha a menor noção. Hoje, eu olho para trás e falo assim: ‘Como é que eu não percebi alguns sinais, como eu não notei isso?’. Éramos de uma família bem sucedida. Meu pai tinha uma empresa de exportação e importação, tinha [empresa] no ramo de papelaria, agência de automóvel. Ele trabalhava com carros importados. Mas era um bonachão como eu”.

Ele contou que só descobriu o que o pai fazia aos 21 anos de idade. “Eu recebi uma ligação na casa de uma namorada dizendo: ‘Vem pra cá, que o papai foi preso’. Meu chão caiu naquele momento. É uma sensação de que se viveu durante 21 anos em uma mentira. Ele me amou muito e era um grande pai. Tinha na cabeça dele o tráfico como sendo uma profissão. Até a morte disse que não era traficante, mas comerciante. Essa coisa da máfia, de acreditar na verdade. Vendo um produto, podia ser copo, mas era cocaína. Ele foi crescendo no meio disso pela honestidade e correção pela qual trabalhava”.

O artista o visitava na prisão, mas parou quando o pai deixou a cadeia e foi preso novamente. “Aí, com isso, falei ‘chega’. E não fui mais visitá-lo. Em 2007, quando saiu da prisão mais debilitado, ele foi até minha casa no Carnaval e chegamos a um acordo sem relação próxima. Ele morreu em 2014, uma semana depois que eu fiz a cirurgia bariátrica”, explicou.

Leia:

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.