Portrait of young mother holding her child

Mães solteiras estão criando filhos incríveis e a ciência confirma isso

Portal Raízes

Um estudo que compara o bem-estar de crianças que crescem em famílias de mães solteiras por opção, e as de mãe com pai, não encontrou diferenças na relação entre pais e filhos ou desenvolvimento infantil. No entanto, o estudo descobriu que as mães solteiras, por opção, tinham uma rede de apoio social maior.

“Crianças de ambos os tipos de família estão bem de vida”, disse a pesquisadora Mathilde Brewaeys, do Centro de Especialistas em Disfunção de Gênero do Centro Médico da Universidade VU, em Amsterdã. “Mães solteiras por opção e seus filhos se beneficiam de uma boa rede de apoio social, e isso deve ser enfatizado no aconselhamento de mulheres que querem ter e criar um filho sem um parceiro”.

O estudo foi realizado na Bélgica e mostrou que os filhos de mães solteiras por opção, ou seja, que decidiram se encarregar da maternidade por si própria ou fizeram uma inseminação para serem mães, tiveram mais apoio de seus familiares e amigos.

O tratamento de fertilidade de mulheres solteiras está agora disponível na maioria dos países europeus e é um procedimento cada vez mais popular para mulheres solteiras que querem engravidar sem um parceiro (isto é, mães solteiras por opção).

Alguns especialistas expressaram preocupação com o bem-estar e desenvolvimento dessas crianças. “A suposição de que crescer em uma família sem um pai não é bom para a criança é baseada principalmente na pesquisa de crianças cujos pais são divorciados e, portanto, têm experimentado conflito parental”, disse Brewaeys, “No entanto Parece provável que a influência negativa no desenvolvimento da criança dependa mais de uma relação problemática entre pais e filhos e não da ausência de um dos pais. Mães solteiras, por opção, conscientemente tomam a decisão de criar seus filhos sozinhas, em contraste com mães solteiras não intencionais.

O estudo descrito por Mrs. Brewaeys foi uma comparação de 69 mães solteiras por escolha (que conscientemente escolheram criar seus filhos sozinhas) e 59 mães de famílias heterossexuais com um parceiro e um filho entre as idades de 1,5 e 6 anos. As relações entre pais e filhos, a rede de apoio social das mães e o bem-estar das crianças foram comparadas entre os tipos de família de acordo com três questionários validados. A análise tirou três conclusões principais:

Não houve diferenças significativas no envolvimento emocional ou estresse parental entre os tipos de família.

As mães solteiras, por opção, mostraram pontuações significativamente mais altas no apoio social que receberam, mas também em querer mais apoio social.

Não houve diferenças significativas no comportamento problemático interno e externo (bem-estar) das crianças entre os dois tipos de família.

Com base nesses resultados, a Sra. Brewaeys relatou que as crianças que cresceram com mães solteiras por opção, pareciam desfrutar de uma relação pais-filhos semelhante à das famílias tradicionais.

Ms. Brewaeys explicou que os sistemas de apoio recebidas por mães solteiras eram informal ou formal: o primeiro poderia ser pais, outros parentes, amigos, vizinhos ou uma babá, enquanto o último incluído professores, médicos de família, pediatras, programas de televisão ou artigos sobre parentalidade.

“Uma rede social forte é de importância crucial”, disse Brewaeys. “Portanto, eu recomendaria que todas as mulheres que consideram a maternidade solteira garantam uma sólida rede social: irmãos, irmãs, pais, amigos dos vizinhos e nunca tenham medo de pedir ajuda”.

Cada vez mais mulheres estão determinadas a ser mães solteiras sem se importar com os estereótipos da sociedade e, ao nível do desenvolvimento infantil, não há problema de acordo com este estudo. O que você deve ter em mente é que você tem que ter estabilidade econômica, mental e social para ser capaz de criar uma criança adequadamente.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.