mansplaining

A atitude dos homens que mais irrita as mulheres

Portal Raízes

– Do que se tratam os seus livros? – Um homem perguntou a escritora americana Rebecca Solnit em uma festa.

Solnit começou a contar-lhe sobre o último que escreveu, mas o homem a interrompeu rapidamente para dizer-lhe o que pensava sobre um livro “muito importante” publicado nesse mesmo ano sobre esse mesmo assunto.

Claro, foi o livro de Solnit. Uma amiga da escritora teve que dizer ao homem três ou quatro vezes para que ele percebesse que ele não precisava explicar isso a ela. 

Solnit contou essa experiência em um artigo intitulado “Os homens me explicam as coisas”, que ecoou em muitas outras mulheres.

Na verdade, é provável que em mais de uma ocasião o que aconteceu com a jornalista aconteceu com você, e também é provável que isso incomodou muito. O cenário é sempre o mesmo: você está falando com um amigo, seu parceiro ou um colega de trabalho sobre um tema quando de repente a conversa muda de rumo, para se tornar um tipo de aula ou conferência para você. O homem senta-se em seu assento e começa a dar-lhe “instruções” sobre o assunto.

Mansplaining: Deixe-me explicar

Este fenômeno não é novo, mas sim o termo que foi inventado para descrevê-lo: “mansplaining”, a união das palavras “homem” e “explicação”.

Ao contrário de outras formas de condescendência que qualquer um pode usar em seu discurso e que as mulheres também usam, esse termo específico está ligado exclusivamente ao gênero e é baseado em suposições sexistas, segundo a qual os homens são tipicamente mais inteligentes ou capazes do que as mulheres .

O mansplaining é usado para se referir a homens que acreditam que seu ponto de vista é o único válido e tenta impô-lo. Estes são homens que assumem uma atitude condescendente em relação às mulheres porque pressupõem que são ignorantes, quando, na realidade, seus próprios conhecimentos sobre o assunto geralmente são bastante incompletos. Mesmo assim, esses homens não conseguem entender que as mulheres têm um domínio mais amplo do assunto.

Na base desse fenômeno se encontram comportamentos diferentes, mas todos têm um ponto comum: o desprezo da pessoa que fornece o “discurso principal” pelo ouvinte, geralmente pelo simples fato de que é uma mulher.

Esse fenômeno também pode ser visto quando um homem monopoliza a conversa com o único objetivo de se vangloriar e fingir ser mais cultivado do que a mulher que escuta. Na verdade, um estudo realizado nas universidades de Brigham Young e Princeton descobriu que os homens falam três vezes mais do que as mulheres nas reuniões. No entanto, a coisa mais surpreendente é que, quando um homem fala muito, ele geralmente é considerado muito competente, mas quando uma mulher faz isso, ela é rotulada como verborreica.

Portanto, não é estranho que outra pesquisa realizada na Universidade George Washington descobriu que, embora seja verdade que as mulheres e os homens têm o hábito de interromper uns aos os outros, é mais provável que isso aconteça quando a pessoa que fala é uma mulher.

As consequências do mansplaining

O resultado desse fenômeno é que muitas vezes as opiniões femininas não são levadas em consideração ou são subestimadas. Em outros casos, algo que costuma acontecer nas empresas, as mulheres precisam do apoio de um parceiro masculino para levarem em consideração sua proposta.

O problema é que esse fenômeno desencoraja muitas mulheres de expressar suas opiniões e ideias, condenando-as a silenciar. Na verdade, um estudo realizado na Northeastern University sobre a cultura geek revelou que, no mundo do computador, os homens não têm problemas para se orgulhar de suas habilidades técnicas, enquanto as mulheres tendem a acreditar que suas conquistas são menos importantes e muitas vezes elas se sentem como “impostoras”, já que esse universo é dominado por homens. Além disso, quando superam os homens em algum desafio, muitas vezes as fazem sentir mal e são mais propensas a receber ataques de trolls.

O que a condescendência revela?

Em um sentido geral, falar com alguém com um tom condescendente, supondo que não domina um tema, implica fingir bondade para demonstrar superioridade. Em muitos casos, essa atitude é assumida automaticamente, a pessoa não está plenamente consciente disso. Na verdade, muitas vezes essas pessoas não percebem o quanto elas podem ser prejudiciais. Elas têm dificuldade em aceitar que seu comportamento “infantil” em relação aos outros é realmente emocionalmente incapacitante e não apreciado. É por isso que é importante não dar asas. Este tipo de condescendência pode fazer com que a outra pessoa se sinta inferior e é quase sempre a expressão de insegurança profunda.

A pessoa que se comporta de maneira condescendente com os outros precisa sentir que ele tem controle, ele precisa se impor aos outros, mesmo do ponto de vista intelectual. Portanto, no fundo, a necessidade de superar ou sobrecarregar o outro esconde uma insegurança profunda.

A atitude condescendente baseia-se na ideia de que aqueles que têm poder sobre outros são mais valiosos. No entanto, uma vez que não querem iniciar uma “guerra aberta”, eles assumem uma atitude paternalista/maternalista com a qual eles pretendem controlar a situação. Também evidencia um pensamento extremamente rígido e a incapacidade de se relacionar com certos grupos de pessoas, como as mulheres, como seus pares.

Ninguém tem a verdade absoluta, então ninguém tem o direito de pregar ou impor seu ponto de vista sobre os outros. Quem quer que seja

Fontes:

  • Reagle, J. (2016) A obrigação de saber: De FAQ para Feminismo 101. New Media & Society : 18 (5): 691-707.
  • Hancock, AB et. Al. (2015) Influência do gênero do parceiro de comunicação em linguagem. Jornal de Linguagem e Psicologia Social ; 34 (1).
  • Christopher, F. et. Al. (2012) Desigualdade de gênero na participação deliberativa. American Political Science Review ; 106 (3): 533-547.

Traduzido de Rincón de La Psicología por Portal Raízes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.