O segredo para viver mais e melhor é evitar os homens!

Portal Raízes

De acordo com a centenária Jessie Gallan, de 109 anos, homens trazem muito mais problemas do que benefícios à saúde da mulher. Por isso, ela está convicta em afirmar que para viver mais de 100 anos só é preciso tomar mingau quente (papas de água ou leite com cereais) todas as manhãs e evitar os homens.

Jessie nunca quis se casar, sempre teve uma vida difícil, vivendo numa quinta bastante simples, onde dividia colchões de palha com as cinco irmãs e um irmão na hora de dormir. A velhinha simpática ainda admite que faz exercícios físicos, mas que acredita que a fonte da juventude para a mulher é ficar bem longe dos homens.

A teoria de Jessie pode ter fundamento, pois, a mulher mais velha do mundo, que já passou dos 116 anos, está viúva desde 1931 (mais de 80 anos) e nunca mais teve marido. Em 2014, uma pesquisa feita com pessoas centenárias nos Estados Unidos revelou que o segredo da vida longa está em ter amigos, família e praticar exercícios físicos regularmente.

De acordo com a centenária Jessie Gallan, de 109 anos, homens trazem muito mais problemas do que benefícios à saúde da mulher.

Fonte: Só para mulheres

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão.As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores.A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.