Mãe proíbe os sogros de beijar a netinha. Eles devem ter a aprovação da garota

Portal Raízes

Mãe só permite que avós beijem a netinha, se a menina consentir. Brittany Baxter (Austrália) tem uma filha de 2 anos e considera que os sogros não respeitam os limites físicos da menina, ficando na defensiva sempre que ela toca no assunto. Por esse motivo, ela decidiu falar sobre a importância do consentimento no TikTok, causando um grande debate, por sua opinião fora do padrão.

Certamente todos nós, quando éramos pequenos ou pequenas, tivemos que nos acostumar rapidamente ao beijo clássico de nossos avós, tios ou conhecidos mais velhos, que não hesitavam em apertar nossas bochechas ou nos abraçar com força – às vezes – contra nossa vontade.

É um problema, porque nos últimos anos a importância do consentimento tem representado uma grande parte do debate sobre a nova sociedade que queremos para o futuro. E dito isto, já não haveria mais espaço para este tipo de manifestações afetivas, onde as crianças submetem à vontade e manipulação de adultos, que invadem o seu espaço pessoal, mesmo que sejam familiares ou conhecidos.

Brittany Baxter,  postou uma série de vídeos explicando por que ela proibia os avós de sua filha de se aproximarem demais ou de invadirem os espaços pessoais da menina sem seu consentimento. Ou seja, os avós não podem beijar ou abraçar a neta sem a permissão dela.

A mulher diz que ensinou sua filha de dois anos sobre o consentimento praticamente desde que ela nasceu, e por isso a incomoda muito que os adultos que fazem parte da vida da menina se arroguem o direito de invadir sua privacidade física.

“Por favor, podemos começar a normalizar o fato de que as crianças não precisam beijar e abraçar os adultos? (…) Acho que é inútil quando os adultos na vida da minha filha dizem ‘O que? devemos pedir a ela um abraço e um beijo?’, Mesmo que ela já os tenha explicado mil vezes. E quando ela diz não, eles ficam tipo, ‘Oh, ela não me ama, meus sentimentos estão tão magoados’, e então eles continuam a invadir seus limites corporais de qualquer maneira”.

De acordo com Baxter, o corpo de sua filha “não existe para fazer alguém se sentir mais confortável e amado”. Portanto, ela diz que não é culpa da filha – ou culpa dela – que as gerações anteriores “não tenham se dado ao trabalho de regular suas emoções e sensações” para evitar a falta de consentimento. A mãe disse ainda que nenhum sentimento do outro será mais importante do que o direito da filha de decidir sobre o próprio corpo, e também aproveitou para decretar algumas coisas para o futuro.

“Tenho certeza de que não vou permitir que minha filha cresça em um ambiente onde: 1. ela não saiba dizer não e 2. ela não tenha as ferramentas para saber que está sendo desrespeitada. Avós e avós, melhorem ”.

Muitas pessoas podem pensar que a Brittany está exagerando, mas há toda uma explicação por trás dessa teoria. Existem vários tipos de consentimento mas, para que seja oficial e pactuado, tem que cumprir uma série de critérios que se resumem basicamente na seguinte frase: a pessoa tem de saber e compreender o que está a consentir. Se esse conhecimento não existe, o consentimento também não. E, claro, este estilo de criação pode causar muitos atritos com as gerações anteriores, digamos tios, avós e outros conhecidos mais velhos que têm uma abordagem mais tradicional para criar os filhos e que provavelmente não veem esses limites de consentimento da mesma forma que a Brittany ou outros pais.

Por esse motivo, a mulher destacou o quão importante é não se intimidar com críticas externas e não dar espaço às opiniões dos outros sobre a criação de seus filhos, mesmo que sejam familiares ou amigos que você ama e respeita.

Abrimos a discussão para vocês, queridos leitores. Você concorda com a posição de Brittany ou não? Nós os lemos!

Redação do Portal Raízes com informações UPSOCL

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.