“Não quero ter filhos, nem agora nem nunca”: jovem optou por se submeter à laqueadura aos 22 anos

Portal Raízes

Ailín Cubelo Naval, de 22 anos, da Argentina, ganhou as manchetes ao contar sua história e sua decisão de recorrer à cirurgia de laqueadura, um procedimento para prevenir a gravidez de forma definitiva, em que as tubas uterinas recebem cortes no meio e têm as extremidades suturadas (amarradas) ou cauterizadas, impedindo que os óvulos entrem em contato com os espermatozoides.

“Para algumas pessoas o desejo de ser mãe é natural, para mim era natural não ser. Tive minhas trompas amarradas porque não quero ter filhos, nem agora nem nunca”.

“Falei para o ginecologista que queria namorar e ele disse que não, que voltaria daqui a seis, sete meses, para pensar melhor porque eu parecia muito jovem. Que ter filhos é bom, que ele teve dois. E ele me pediu algum tipo de perícia psicológica, como uma nota do meu psicólogo para dizer que estou no meu juízo perfeito. Isso é totalmente ilegal. Saí do escritório chorando. ”

Claro, diante de sua decisão, a questão que mais assombra as pessoas é se em algum momento ele reconsiderará sua decisão. Mas ela está confiante:

“Acho que não vai acontecer, mas se me arrependo, há a opção de adotar que está mais de acordo com a minha filosofia de vida, que é não trazer mais pessoas ao mundo e atender crianças que já têm necessidades reais.

As frases que mais ressoam são ‘ e quando você envelhecer, quem vai cuidar de você ?’, ‘Para quem você vai deixar seu legado?’, ‘E quando você se apaixonará?’, ‘E quando encontrar o pessoa ideal e quer dar-lhe um filho?’ O tempo todo idealizando a maternidade”.

O apoio de grupos humanitários como o “Livre de crianças – Argentina” foi fundamental para que Ailín finalmente ousasse seguir em frente com sua decisão. Também indicaram um ginecologista que não teria objeções ideológicas à sua decisão, algo que era fundamental para Ailín: a pressão social não parava de persegui-la.

Depois de considerar a cirurgia algo natural, ela também aprendeu que esse procedimento quase minimizaria seu risco de câncer de ovário. Mas o mais importante, saiu com ela de uma nova perspectiva de vida:

“Estou encontrando muitas pessoas que comentam nos grupos ‘se eu tivesse essa informação quando era jovem, não teria tido filhos’. A maternidade não deveria ser uma imposição social ”, despede-se. “Não julgo quem escolhe ser mãe, não saio na rua dizendo ‘ah, foi assim que a vida se estragou’, ‘ela é louca’, ‘como é que ela vai ter três filhos?’

Sua história será extremamente inspiradora para outras garotas que podem se encontrar em situações semelhantes. A luta que ela teve que passar para realizar seus desejos pode assustar quem quer imitá-la, mas não tem vontade semelhante. Para meninas assim, Ailín é a pioneira em uma forma alternativa de ser mulher no século XXI.

Fonte: Upsocl

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.