Depois que o índice de suicídio se tornou a principal causa de morte entre os jovens japoneses de 15 a 18 anos, chegando a 270 autoextermínios entre 2016 e 2017, a Organização Mundial da Saúde fez importante alerta e orientação para que  os múltiplos setores da sociedade no Japão (família, escola, comunidades religiosas e etc), se unissem na luta pela prevenção ao uso de álcool, drogas, aos diversos tipos de bullying, aos transtornos mentais e ao suicídio. (As informações são de O Globo)

Desde então, as famílias japonesas têm ressignificado valores tradicionais, adaptando-os à pós-modernidade e aos novos anseios e angústias das crianças e dos adolescentes para que estes se sintam acolhidos e tenham desejo de lutar por uma vida qualificada, ainda que coabitem numa sociedade adoecida mentalmente.

Mas qual seria o grande segredo da educação parental japonesa que tem transformado a rebeldia dos filhos em respeito, levando-os a viver uma vida qualificada psico-socioemocionalmente?

Dentre as ressignificações adotadas pelas famílias japonesas estão estas estas 3:

1 – Valorização e respeito a individualidade de cada membro da família em prol da coletividade sadia

Algo que torna o japonês muito especial é a relação entre as diferentes gerações. Mais do que em outras partes do mundo, o vínculo entre os velhos e os jovens é empático e atencioso. Para eles, um ancião é alguém cheio de sabedoria, que merece a mais alta consideração.

Por sua vez, os idosos veem as crianças e os jovens como pessoas em formação. É por isso que são tolerantes e afetuosos com eles. Eles adotam um papel de orientação, não como juízes ou inquisidores em suas vidas. Por isso, os vínculos entre jovens e idosos costumam ser muito harmoniosos, ao mesmo tempo em que seus limites são bem definidos. Por exemplo, para eles é inconcebível que os avós cuidem de uma criança porque os pais não têm tempo. Os laços não se baseiam em uma troca de favores , mas em uma visão de mundo em que cada um tem seu lugar.

2 – A educação parental é baseada na sensibilidade

A maioria das famílias japonesas entende a paternidade como uma prática afetiva. Gritos ou recriminações ruidosas são muito desaprovados. O que os pais esperam dos filhos é que aprendam a se relacionar com o mundo, respeitando com afeto a família, os laços sociais, a natureza e todas as coisas que os cercam.

Normalmente, quando uma criança faz algo errado, seus pais a repreendem com um olhar ou um gesto de antipatia. Assim, eles os fazem entender que sua ação não é aceitável. É comum que usem frases como “você o magoa” ou “você se magoa” para enfatizar que o comportamento dele é negativo porque causa dano, não porque é.

Esses tipos de fórmulas se aplicam até mesmo a objetos. Se uma criança, por exemplo, quebra um brinquedo, seus pais provavelmente dirão “você a machucou”. Eles não dizem “você quebrou”. Os japoneses enfatizam o valor envolvido e não o funcionamento das coisas. Pois essas crianças aprendem desde muito cedo a ter consciência de tudo, algo que as torna mais respeitosas.

3 – O grande segredo: tempo de qualidade

Todos os itens acima são muito importantes. Mas nenhum deles é tão importante quanto o fato de os japoneses estarem em condições de proporcionar um tempo de qualidade para seus filhos. Eles não concebem a paternidade como algo distante, muito pelo contrário. Construir laços estreitos com seus filhos é muito importante para eles.

É incomum uma mãe levar seu filho à escola antes dos três anos de idade. O comum é ver mães com seus filhos carregados para todos os lados. Esse contato físico, que também é muito visto nas comunidades ancestrais, gera laços mais profundos. Essa proximidade da pele também está próxima da alma. Para a mãe japonesa é muito importante conversar com os pequeninos.

O mesmo vale para pais e avós. É comum as famílias se reunirem para conversar. Comer em família e contar histórias é uma das atividades mais frequentes. As histórias da família são contadas indefinidamente. Com isso, um sentimento de identidade e pertencimento é gerado nos mais pequenos. Também um profundo apreço pela palavra e pela empresa.

É por isso que as crianças japonesas raramente têm acessos de raiva. Estão rodeados por um ambiente que não gera grandes choques. Eles não se sentem abandonados emocionalmente. Eles percebem que o mundo tem uma ordem e que todos têm um lugar. Isso dá-lhes serenidade, sensibiliza-os e ajuda-os a compreender que as explosões de espírito podem ser administradas com inteligência emocional.

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.