“A economia do consumo depende da produção de consumidores, e os consumidores que devem ser produzidos para o consumo de produtos ‘anti-medo’ devem estar aterrorizados e amedrontados, enquanto também esperam que os perigos que eles tanto temem possam ser forçados a se retirarem e que eles próprios sejam capazes de forçá-los a tal, com a ajuda paga do seu bolso, obviamente”, escreveu o sociólogo Zygmunt Bauman.

Em suma: a estratégia é antes de criar um produto para ser consumido, criam primeiro o consumidor. Por exemplo: uma manchete diz que pessoas estão sendo atacadas por mosquitos que deixam a pele asquerosa. Daí cria o medo, ninguém quer ter pele asquerosa. Então surge no mercado um repelente que protege a pele do mosquito.

Temos que examinar nossos medos com um senso crítico extraordinário ou, caso contrário, acabaremos sendo seus reféns, engolidos e manipulados por aqueles monstros das sombras que parecem surgir por toda parte. Quando o medo é difuso, incerto e se estende a praticamente qualquer esfera de nossa vida, ele se torna um inimigo difícil de vencer. Então se torna o “negócio do medo”.

Nesse estado, é mais fácil vender soluções para “nos proteger” desses medos, soluções que não se limitam ao nível comercial mas vão muito além do sistema de alarme que instalamos em casa para nos sentirmos seguros ou de medicamentos para ansiedade ou insônia. que nos permitem esquecer por um momento a nossa angústia, mas antes ” aparecem-nos sob a máscara da proteção ou salvaguarda das comunidades “, para sustentar um status quo que convenientemente nos mantém dentro dos estreitos limites impostos pelo medo.

E assim caímos no ciclo do medo líquido referido por Bauman, um medo que está em toda parte, convenientemente nutrido, mas impossível de erradicar porque se autoperpetua. A menos que façamos um ato de consciência e compreendamos que esses medos são tão irracionais e seus riscos tão pequenos que podemos nos libertar deles para viver plenamente a única vida que temos.

Texto adaptado de Jennifer Delgado, via Rincón de la Psicología

RECOMENDAMOS






Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.