“Para acalmar e termos saúde mental, o sagrado nos socorre”

Portal Raízes

A atriz Taís Araújo falou à revista Quem acerca da sua espiritualidade, que aflorou após a maternidade. Espiritualidade esta que lhe ajuda em momentos de incertezas e desesperança, como os que estamos vivendo em função da pandemia de coronavírus.

“Na situação que estamos agora, para acalmar e termos saúde mental, o sagrado nos socorre em um momento de tanta insegurança”, contou.

Ela confessou que só entendeu a gravidade da situação em torno da Covid-19, quando recebeu a notícia, no dia 15 de março, de que iriam parar de gravar a novela Amor de Mãe.

“Eu vi que a coisa era séria porque novela não para. A gente sabe o que é a novela para o brasileiro, a gente sabe que é a diversão de muita gente que só tem a chance de se entreter com isso. Então a gente trabalha com esse intuito de levar emoção e diversão para as pessoas que estão em casa, a gente tem esse comprometimento com o nosso público”, afirmou a atriz, e continuou:

“Eu nunca parei de trabalhar porque não podia parar. Então quando vem essa ordem de que vamos parar pela saúde da gente aqui, das nossas famílias, é que eu tive noção da seriedade”.

Taís ressaltou que encontra força no legado da população negra de outras épocas:

“Eu vivo em oração. Depois que a gente tem filho, acho que isso quase independe da gente. Eu rezo para santos, orixás. Eu acredito que todos os caminhos levam à Deus. Eu tenho uma família com pessoas de todas as religiões. Não tenho uma única. Acredito muito na minha ancestralidade, tenho muita fé nas pessoas que vieram antes de mim. Pessoas que resistiram tão bravamente para que a gente esteja aqui hoje. É na força dessa galera que eu vou seguir. Todos esses caminhos levam ao lugar divino”.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS





Portal Raízes
Humanismo, sociologia, psicologia, comportamento, saúdes: física, mental e emocional; meio ambiente, literatura, artes, filosofia. Nossos ideais estão na defesa dos direitos humanos, das mulheres, dos negros, dos índios, dos LGBTs... Combatemos com veemência o racismo, o machismo, a lgbtfobia, o abuso sexual e quaisquer tipos de opressão. As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.