Muitos homens dizem que querem uma mulher inteligente em suas vidas! Gostaria de encorajá-los a pensar sobre isso. Mulheres inteligentes tomam decisões por si mesmas, têm seus próprios desejos e estabelecem limites. Você nunca será o centro da vida delas, porque ela gira em torno de si mesma.

Uma mulher inteligente não será manipulada ou chantageada, ela não engole culpa, assume responsabilidades. Mulheres inteligentes questionam, analisam, argumentam, elas não estão satisfeitas, elas avançam.

Essas mulheres tiveram vida antes de você e sabem que continuarão a tê-la quando você partir. Elas estão aqui para avisar, não para pedir permissão. Essas mulheres não procuram no parceiro um líder para seguir, um pai que resolverá suas vidas ou um filho para resgatar. Elas não querem segui-lo ou liderar o caminho para ninguém, elas querem andar ao seu lado.

Elas sabem que a vida livre de violência é um direito, não é um luxo ou um privilégio.
Elas expressam raiva, tristeza, alegria e medo, porque elas sabem que o medo não as tornam fracas, da mesma maneira que a raiva não as tornam “masculinas”.

Essas duas emoções e as outras, juntas, a tornam humanas. E agora! Uma mulher inteligente é livre porque lutou por sua liberdade. Mas ela não é uma vítima, ela é uma sobrevivente. Não tente acorrentá-la, porque ela saberá como escapar. A mulher inteligente sabe que seu valor não está na aparência de seu corpo ou o que ela faz com ele.

Pense duas vezes antes de julgá-la por idade, altura, volume ou comportamento sexual, porque isso é violência emocional e ela sabe disso. Então… antes de abrir a boca para dizer o que você “quer” para uma mulher “inteligente” em sua vida, se pergunte se você realmente está pronto para se encaixar na dela. (Autoria desconhecida)

RECOMENDAMOS






As publicações do Portal Raízes são selecionadas com base no conhecimento empírico social e cientifico, e nos traços definidores da cultura e do comportamento psicossocial dos diferentes povos do mundo, especialmente os de língua portuguesa. Nossa missão é, acima de tudo, despertar o interesse e a reflexão sobre a fenomenologia social humana, bem como os seus conflitos interiores e exteriores. A marca Raízes Jornalismo Cultural foi fundada em maio de 2008 pelo jornalista Doracino Naves (17/01/1949 * 27/02/2017) e a romancista Clara Dawn.